Desde que ordena

Desde su conferencia matutina en Reynosa, el mandatario nacional habló sobre la empresa que se dispuso para los proceso de Liconsa, que está ligada a actos de corrupción. “Que intervenga la secretaria de la función publica para aclarar y nos comprometemos a informar al pueblo”, comentó. Chile ordena cuarentena obligatoria para quien llegue desde España o Italia ... que desde mediados de enero pasado y hasta hace algunos días era el centro de la epidemia, la cifra de muertos es ... La Sala Civil de la Corte Suprema de Justicia se negó a casar la decisión que negó la declaratoria de la prescripción extintiva de la acción ejecutiva solicitada por un ciudadano para cuestionar la inactividad del proceso ejecutivo adelantado por una entidad financiera en su contra, considerando que desde que fue proferido el auto que decretó el remate y avalúo del bien sujeto a ... Corte de Santiago ordena al Fisco indemnizar a hermanas de detenido desaparecido Manuel Edgardo del Carmen Cortez Joo fue detenido en febrero de 1975, en la Región Metropolitana, fecha desde la que se desconoce su paradero y destino final. Share. Chile. Por Opazo. Hace 3 días ... La jueza Dolly Gee ordena a las autoridades de inmigración que respeten el Acuerdo Judicial Flores de 1997 y suspendan el envío de inmigramtes Menores No Acompañados (UAC) a hoteles donde los ... Allison Arwady, ordena a los viajeros que “entren o regresen a Chicago desde estados que experimentan un aumento en los nuevos casos de COVID-19 que queden en cuarentena por un período de 14 ... El 9 de septiembre, a dependencias del comando general de la Policía llegó un requerimiento fiscal que ordena una auditoría a todos los files personales de generales, coroneles, oficiales, suboficiales, sargentos, cabos y policías que hayan sido beneficiados con un ascenso o incremento de puntaje desde el 2016 al 2020. En Moscú desde el lunes se han registrado 641 nuevos contagios por covid-19, que son 44 menos que el día anterior. El total de infectados en la capital rusa se sitúa actualmente en 263.059 de ... Jueza ordena a la Administración Trump que deje de detener a niños inmigrantes en hoteles Telemundo Noticias. Hace 1 hora. California: rescatan a personas atrapadas en incendio. ... Desde marzo ... Ciudad de Carolina del Sur ordena seguir usando mascarillas ... a pesar de que los casos de coronavirus han mostrado una tendencia a la baja después de un repunte este verano. ... Desde entonces ...

Resumen Semanal de Noticias III

2020.09.14 00:48 guillepaez Resumen Semanal de Noticias III

Hola a todos, bienvenidos al resumen semanal número 3. Antes de empezar con las noticias queremos agradecerles a todos por el buen recibimiento de la semana pasada y la buena onda que nos transmitieron para seguir laburando. Fueron genial todos los comentario y, awards, nunca había recibido ninguno y se me llenó de cositos el post. Incluso hubo algunos que se coparon y nos donaron unos cafecitos. Mil gracias. Ahh estes es un proyecto que estamos haciendo en conjunto con u/churros_cosmicos, asi que los créditos también son para él. El texto es muy largo así que acá tienen el video en youtube.
Bueno, prepárense porque si la semana pasada fue intensa esta la va a hacer parecer como si hubieran sido noticias de Noruega. Acá vamos.
Ni siquiera tuvimos que esperar al lunes para los platos fuertes, porque el DOMINGO ya teníamos adelantos de lo que se venía.
Llega el LUNES, y empezamos a bailar:
De nuevo, tengo que aclarar que todo esto pasó antes de que llegara el MARTES, que se los resumo ahora:
Pasamos al MIÉRCOLES:
JUEVES, que venga un poco de tranquilidad por favor:
El VIERNES si fue tranquilo:
Antes de pasar a los números del covid queremos compartirles algunas noticias que no son del carácter de este resumen pero que son tan buenas que no pudimos dejarlas pasar.
Pasando a los números de COVID, esta semana fue la peor en lo que va de la pandemia. Si bien podríamos decir lo mismo de cualquier semana ya que hace desde la primera de junio que cada semana supera a la anterior en cantidad de contagiados, en esta tenemos números realmente alarmantes a nivel mundial.
Si se aguantaron todo esto, muchísimas gracias. Acá les dejo el link del cafecito por si alguno nos quiere dar una mano. Cualquier comentario es más que bienvenido para mejorar y hacer un producto de calidad.
Gracias!!!
EDIT: Link a todas las noticias
submitted by guillepaez to argentina [link] [comments]


2020.08.19 23:30 macana144 "La Historia Oculta de la Transición" sobre Rodolfo Stange

24
LA GUERRA VERDE
General —le dice Luciano Fouillioux al director de Carabineros, Rodolfo Stange, mientras el helicóptero se desliza por la soleada mañana de la Sexta Región, en dirección al Cachapoal—, ya habrá visto que la prensa está anunciando que el fallo del ministro Milton Juica en el caso de los degollados está por salir. Aunque se trate de carabineros en retiro, sería bueno que nos reuniéramos para ver las posibles consecuencias de esto.

—Cómo no —dice el general—, me parece una buena idea.

Fouillioux lleva 14 días como subsecretario de Carabineros, un cargo al que llegó después de haber trabajado en la campaña de Eduardo Frei al lado de Edmundo Pérez Yoma, y todavía no imagina la crisis que está por desatarse. En realidad, nadie en el gobierno la vislumbra, aunque un manto de desconfianza ha comenzado a rodear las relaciones con el general Stange desde que los hombres de La Moneda creyeron sorprenderlo en una maniobra para mantener de facto a su subdirector, el general Alfredo Núñez.

En el intertanto, Fouillioux ha tratado de tender puentes hacia el mando de Carabineros para superar esa tensión inicial, y tal vez por eso esta mañana, la del 25 de marzo de 1994, el general Stange lo ha invitado a inaugurar el nuevo cuartel policial de Quinta de Tilcoco.

Y como a Stange le interesa la propuesta del subsecretario, en la mañana del lunes 28 lo recibe en su despacho de calle Zenteno. Pero ahora abundan las versiones acerca de que la resolución del ministro Juica involucrará también al general director en la sórdida trama de los crímenes ejecutados en 1985, que figuran entre los más despiadados de la historia.

—General —dice Fouillioux—, habrá visto lo que se dice ahora...

—Sí —dice Stange, con cierta desaprensión—, pero no hay nada de esto. No se preocupe, porque mis asesores ya me han dado las seguridades de que yo no vengo en las resoluciones del ministro.

La seguridad del general conduce el diálogo hacia el problema de qué hacer ante las probables condenas de los otros oficiales envueltos. Aunque ya están en retiro, Stange se muestra complicado por esas inculpaciones. Por mucho que se sostenga que no hay envolvimiento institucional, es un hecho que se ha mantenido en contacto con ellos, que los ha apoyado en su defensa y que resiente las acusaciones de abandono que algunos de ellos le formulan.

El subsecretario entiende; el mando jerarquizado supone también un compromiso con los subalternos. Por eso empeña su prudencia cuando le propone que Carabineros realice una declaración reconociendo la gravedad del delito. Stange queda de pensarlo. Al día siguiente responde que los generales rechazan la idea. “Están un poco duros en esto”, agrega.

Lo que el subsecretario no sabe es que las confianzas están quebradas hace ya mucho tiempo en Carabineros a propósito del caso de los degollados. Varios de los procesados se han acogido a la ley de arrepentimiento eficaz y algunos miran con ciego rencor la pasividad del mando para investigar el asesinato del coronel Luis Fontaine, el principal de los acusados en su condición de ex jefe de la Dicomcar. Peor todavía: uno de los jefes implicados, el mayor Guillermo González Bettancourt, ha grabado una reunión en la que Stange les explica el apoyo clandestino que les prestará y los insta a ocultar información ante el juez. Juica ha interrogado al general sobre la cinta y Stange ha reconocido su participación, explicando el contexto en que se dio y negando que quisiera obstruir el trabajo de la justicia.

Pero Juica no le cree. Y aprecia que, en todo caso, más allá de su opinión, hay una verdad lapidaria: el mando policial no ha mostrado el menor interés en investigar los crímenes.

En verdad, el general Stange podría difícilmente ignorar la opinión del ministro
Juica. En fecha tan anterior como 1992, ya tuvo la certeza de que el juez se dirigía no sólo contra los autores materiales de los asesinatos, sino también contra los mandos superiores por su nula colaboración en el proceso.

A fines de marzo de aquel año, cuando Juica se aprestaba a dictar sus primeras encargatorias de reo, el general inspector Mario Morales realizó una discreta gestión destinada a saber si, como se rumoreaba en ambientes judiciales, el ministro podría involucrar al general director. Cuando algunos abogados se lo confirmaron, el general eligió un domingo para ir, vestido de riguroso civil, a ver al propio ministro a su casa de calle Lyon.

Juica fue crudo. Había perdido toda confianza en Stange desde que, habiéndole dado la justicia la posibilidad de investigar él mismo los crímenes, se había iniciado una amplia opera­ción de encubrimiento con obvia anuencia de los superiores: negativas para presentar a los sospechosos, ocultamiento de documentos, destrucción de recintos, extravío de vehículos e incluso instructivos para que los hombres concurrieran a declarar con disfraces. No, le dijo el ministro a Morales, no se podía seguir hablando de inocencia: Stange debía ser procesado por obstrucción a la justicia.

Morales informó al general subdirector, Gabriel Ormeño, y habló luego con el ministro Enrique Krauss. El procesamiento del general director, le dijo, y su eventual destitución por ello, significaría que numerosos generales, incluido él mismo, se verían forzados a renunciar. Krauss, que calibró la gravedad de la crisis en un momento en que el Presidente Aylwin estaba fuera de Chile, habló con Juica. El 2 de abril de 1992 el ministro en visita dictó encargatorias de reo contra trece carabineros, incluyendo al anterior general director, César Mendoza. Stange no apareció en la nómina.

Stange conoció las gestiones por Ormeño. Se había salvado en el filo. Pero cuando el mismo general Morales declaró a los periodistas que sentía estupor y dolor por el hecho de que se confirmara la participación de policías en los asesinatos, Stange se encargó personalmente de reprocharle el desprestigio que causaba a la institución. “Los generales opinan que usted nos está poniendo de rodillas”, le espetó.

Morales comenzó a entrar en una extraña situación. Había hecho casi toda su carrera de oficial superior, desde teniente coronel hasta general inspector, como jefe de gabinete de Stange y su pequeño grupo de ayudantes había reducido a cero la influencia del otrora poderoso Consejo Asesor Superior. Sin embargo, desde 1986 —un año después de asumir ese puesto— había estado en la mira de los servicios de seguridad y la CNI había emitido informes oficiales que lo sindicaban como filo DC. Las acusaciones no le hicieron mella bajo el sólido paraguas de la Dirección General, pero sabía que la parte más sombría del régimen militar lo estimaba peligroso. Paradójicamente, la misma influencia hizo que el gobierno de Aylwin lo considerase como el “duro” en la sombra de Carabineros durante toda su fase inicial. Pero en 1992, en lo que pareció una obvia preparación para sucederlo a la hora de su retiro, Stange lo trasladó a la Dirección de Orden y Seguridad, donde Morales, académico y sofisticado, trabó rápidamente una relación de confianza con Krauss y el subsecretario Belisario Velasco.

Cuando formuló sus declaraciones sobre el caso de los degollados, Morales ya estaba bajo la sospecha de ser demasiado cercano al gobierno, una versión que parecía alentada con especial empeño por su superior inmediato, el general inspector Alfredo Núñez, que ya era candidato a ocupar la Subdirección si ella quedaba vacante. Ni las gestiones ante Juica y Krauss ni los puntillosos informes al general Ormeño modificaron ese panorama. Peor aún, el propio Ormeño, que hasta entonces era considerado el más cercano a Stange, entró en una rarísima posición de soledad, como si el solo conocimiento de los hechos lo hubiese tocado con la desconfianza.

En octubre del mismo año, los generales se enteraron, por consultas directas del ministro Krauss —que incluso les mostró el oficio—, que Stange había propuesto el pase a retiro de Ormeño, Morales y el general Fernando Cordero, amigo de escuela de Morales y primo de Krauss. Sin embargo, cuando se lo preguntaron, Stange dijo que no había tal cosa.

Ante la inaudita situación, y aprovechando su relación casi diaria, Krauss le anunció a Morales que el gobierno rechazaría su retiro. Morales dijo que en tal caso sería mejor que tampoco se fueran Ormeño y Cordero, un gesto que Krauss debió agradecer por la defensa de su primo, que él no podía hacer. Pero cuando el ministro conversó con el Presidente, llegaron a la conclusión de que no podrían mantener forzadamente a un subdirector; por lo demás, tampoco confiaban en Ormeño, a quien identificaban como cabeza del lobby que había impedido el traspaso de Carabineros al Ministerio del Interior.

El lugar de Ormeño fue ocupado por Núñez. Morales siguió activo, pero fue transferido al Consejo Asesor Superior, el órgano que él mismo había contribuido a anular. En los meses siguientes soportó un callado infierno: seguimientos, sumarios, anónimos y rumores sin fin. Como el tercero en la línea de mando, a fines de 1993 podría asumir la Subdirección, puesto que Núñez completaría su tiempo de servicio. Pero, entendiendo que en tales condiciones sería inviable, anticipó su retiro voluntario para noviembre de ese año.

En cualquier caso, Stange supo lo que opinaba Juica. Por eso ahora, en 1994, su confianza resulta doblemente extraña.

(En 1998, cuando el Presidente Frei proponga al ministro Juica para ascender a la Corte Suprema y la derecha se alinee para tomar venganza por el proceso a Stange, el general (R) Morales, ahora director de Gendarmería, le recordará al ex director general y ahora senador el favor prestado por Juica en 1992. Stange se retirará de la sala y no participará en la votación contra el juez.)

En la tarde del miércoles 30 de marzo de 1994 el gobierno recibe los detalles del fallo que Juica dictará al día siguiente: además de sentenciar a 15 carabineros y un civil, propone el procesamiento, a través de la justicia militar y por incumplimiento de deberes militares, de dos oficiales superiores y cinco generales, de los cuales el único activo es Stange.

La primera crisis de gran magnitud provoca un movimiento frenético en el gobierno de Frei. El comité político se reúne en la mañana del 31 con el Presidente y con un grupo de abogados y acuerda la estrategia oficial: defender la soberanía de las decisiones judiciales y confirmar la prescindencia del gobierno. La declaración es redactada durante la reunión y Germán Correa recibe el encargo de leérsela al general Cordero. Y el subdirector de Carabineros, asesorado de cerca por el general inspector Manuel Ugarte, pide algunos cambios de tonalidad y sugiere ciertas líneas.

Stange se ha ido a pasar el fin de Semana Santa a su fundo en Puerto Montt, a orillas del Maullín. En la tarde partirá a Huelmo, en la misma zona, el ministro
Pérez Yoma. Stange lo ha invitado a tomar té el viernes 1º: ahí podrán conversar más libremente de este problema.

Cuando la declaración ya ha sido afinada con Cordero, los ministros concuerdan en leer el texto y no responder preguntas. Lo hará el ministro Correa. La protesta sotto voce del director de Comunicación y Cultura, Pablo Halpern, cae en el vacío: el ministro secretario general de Gobierno, Víctor Manuel Rebolledo, tiene un avión a la espera en Cerrillos para llevarlo a la ceremonia de aniversario del diario El Día de La Serena.

Pero justo antes de bajar a enfrentar a los periodistas, Correa advierte que hace pocos días ha habido un incidente porque el subsecretario Velasco se negó a responder preguntas y los periodistas de “La Copucha”, la sala de prensa del palacio, se han rebelado. En un caso como éste, dice, será imposible no contestar. Y la pregunta más obvia será si el gobierno pedirá la renuncia a Stange. Lo que puede responder, agrega, es que no tiene esas atribuciones y que el general debe evaluar con su conciencia la situación, siguiendo la tesis, ya concordada, de que hay que dejarlo en la estacada.

La conferencia de prensa se desarrolla exactamente según lo previsto y Correa agrega a la declaración su ensayada respuesta. Al concluir, llama al general Cordero y le describe la conferencia, incluyendo el añadido.

—¿Qué le parece, general?

—Por lo que usted me dice, ministro —expresa Cordero—, creo que no debería haber problemas. Estoy con varios generales aquí, que lo han oído por el citófono abierto, y piensan lo mismo.

Correa deja el ministerio a las 21.30. Es el último. Todo está resuelto.

A sus espaldas estalla una tormenta. El general Stange, informado en Puerto Montt de los detalles, considera la respuesta de Correa como una provocación para insinuarle la renuncia. Una nueva declaración toma forma, con un rechazo a las palabras del ministro y un respaldo cerrado al jefe. La leerá al día siguiente el mismo Cordero, rodeado de todos los generales. Y cuando Stange regrese a Santiago, lo irán a buscar en masa al aeropuerto.

El té con Pérez Yoma queda cancelado.

El lunes 4 de abril el comité político se vuelve a reunir. Parece que sus bríos se hubiesen renovado tras el fin de semana largo. Sólo Correa protesta porque en esos días se ha quedado incomunicado de los demás ministros. En el acalorado debate se separan posiciones: Pérez Yoma y el canciller Carlos Figueroa opinan que se debe exigir a Stange su renuncia tras el acto limítrofe con la insubordinación realizado por sus generales; Correa y Genaro Arriagada se muestran más prudentes: no se puede hacer eso sin tener las facultades; Rebolledo tiende a compartir esta última posición. Pero el clima emocional del episodio los envuelve a todos. Con su vehemencia usual, Pérez Yoma toma el teléfono y llama al subsecretario Fouillioux:

—Cítame a Stange para las 3 —brama, y luego murmura—: le vamos a pedir la renuncia...

—Pero, Edmundo —alcanza a decir Fouillioux—, ¿tú crees...?

—Nada. Cítamelo no más.

A las 15 horas, Stange llega a las oficinas de Pérez Yoma, que lo recibe a solas. La situación es muy mala, general. La acusación del ministro Juica es de una gravedad tremenda, y más encima sus generales han sacado esta declaración insolente, y montado un show, primero al leerla y después en el aeropuerto. El gobierno, empezando por el Presidente, cree que debe renunciar.

Stange se defiende con dificultad. El ministro lo advierte abrumado, respirando con dificultad, como si la arritmia que sobrelleva se agudizara. Le parece que está a punto de acceder. Pero de pronto, con germánica bonhomía, Stange le pide tiempo para meditar hasta el día siguiente.

Esa tarde, Pérez Yoma regresa a La Moneda convencido de que la crisis dará al gobierno un triunfo resonante.

—Está listo —anuncia—. Sólo falta que Eduardo le dé el empujoncito.

Pero a la misma hora, Stange ha iniciado consultas con el auditor de Carabineros, Carlos Pecci, y con el abogado Pablo Rodríguez, recién contratado para su defensa en los tribunales. Ambos creen que una dimisión en estas circunstancias equivale a una autoinculpación, y que debilitaría en forma decisiva la defensa judicial.

A primera hora del martes 5, Stange ordena llamar al jefe de la Agenda Presidencial, Miguel Salazar, para que se le facilite la sala de prensa y un podio para dirigirse a los periodistas tras su encuentro con el Presidente. Salazar rechaza la idea, y lo respaldan Rebolledo y Halpern: esa tribuna es para ministros y subsecretarios, y además en este caso hay demasiados riesgos envueltos. Pero Pérez Yoma y Fouillioux están convencidos de que la petición confirma que Stange anunciará su dimisión, e insisten en que se le faciliten las cosas.

A las 9.30 lo recibe el Presidente. El general inicia el diálogo con un extenso balance sobre su período al frente de Carabineros, el modo en que el Cuerpo ha contribuido a la reconciliación y los planes que tiene para el futuro cercano. Luego explica su posición ante el proceso de los degollados y por qué considera injusta la imputación de Juica. Añade que está seguro de que finalmente será exculpado.

Frei responde que el gobierno estima demasiado grave el cuadro que se ha creado. Pero el diálogo avanza con lentitud y ambigüedad entre los dos hombres poco verbales. Por fin, cuando Frei plantea la posibilidad de la renuncia, Stange responde que no puede hacerlo hasta que no demuestre su inocencia. “Y vendré a verlo después, para ver si opina lo mismo, Presidente”.

Después de 80 minutos, Stange sale del despacho y pide un baño para refrescarse. Mientras se encamina a la sala de prensa, el Presidente llama a Correa y le informa de la negativa del general. Demudados, los ministros se reúnen a esperar lo que Stange dirá a los periodistas. Y sienten vértigo cuando lo oyen declarar:

—Yo-no-re-nun-cio.

Se ha declarado la guerra. En su siguiente encuentro, unos días después, Pérez Yoma se lo dirá en términos brutales a Stange, con gritos que quebrantarán los sutiles tabiques de su gabinete:

—Usted, general, no sólo fue a orinarse en la casa del Presidente, sino que además a hacerlo con ostentación.

—No era la intención, ministro, cómo se le ocurre —dirá Stange, afligido—. Si se ha interpretado así, me arrepiento de veras.

—Mire, general: yo no le creo. Conmigo, desde ahora ya sabe a qué atenerse. No se lo voy a perdonar.

Los jefes policiales perciben en la misma noche del 5 que la situación es crítica. Un general, Osvaldo Muñoz, llama al diputado Aldo Cornejo, que es estrecho amigo de un hermano del general Ugarte, para pedirle que interceda ante el gobierno. Más tarde, el general Cordero opta por un acercamiento más frontal y le pide al subsecretario Fouillioux que se cree una mesa de conversaciones, ojalá con él mismo.

Pérez Yoma autoriza el paso y a partir del miércoles 6 Fouillioux y el jefe del gabinete político del ministro, Gonzalo García, inician una ronda de extenuantes reuniones con los generales Cordero, Ugarte y Pecci. En la noche de ese primer día, la propuesta oficial de que Stange tome vacaciones hasta conocer el dictamen definitivo de la justicia y luego pase a retiro es aceptada en principio. Pero Stange duda y pide tiempo para reflexionar.

El viernes 8 responde: no. Los negociadores del gobierno, exasperados, amenazan a Cordero con sacar la crisis a la luz pública e incluso exponerse al Consejo de Seguridad Nacional. Esa noche les llega el oficio que informa que Stange toma vacaciones por 30 días a contar de esa fecha. Pero no hay compromiso de renunciar. El mando subrogante queda en manos de Cordero.

Mientras los 30 días vuelan, el gobierno se enfrenta al riesgo de quedar de nuevo sin solución. Fouillioux se empeña a fondo con el general Cordero y obtiene una propuesta: un permiso administrativo por 60 días, con un propósito decoroso: digamos, el estudio de un plan de modernización, encargado por el propio Ejecutivo.

Pero en la primera semana de mayo, Pérez Yoma recibe la información de que, concluyendo sus vacaciones, Stange retornará sin completar su permiso administrativo, que ya está cursado. El lunes 9 lo recibe para volver a discutir el asunto. Y, otra vez en tono duro, el ministro le propone llegar a un compromiso para que se retire una vez que concluyan el proceso y los permisos especiales. Sin el argumento de la defensa de su honor, Stange declara que debe pensarlo. Y el martes 10 Pérez Yoma recibe un oficio que le informa que el general director reasumirá el mando el día 17.

El ministro estalla en cólera.

Pero para entonces, el gobierno sabe que en la cúpula policial se han quebrado las confianzas. Durante la ausencia de Stange, Cordero ha dado ostensibles señales de ejercer el mando en plenitud y ha mantenido un diálogo asiduo con el gobierno. A medida que le han dicho que Cordero parece aspirar a reemplazarlo, Stange se ha preocupado de subrayar que no ha delegado sus facultades; pero desde la distancia es difícil controlar la situación. De modo que el regreso anticipado parece menos un desafío al gobierno que un esfuerzo por frenar a sus subordinados.

A su turno, los carabineros han percibido que también el gobierno está embarcado en una disputa intestina por el manejo de la crisis. La semana anterior, el ministro Correa ha recibido del director de Seguridad, Isidro Solís, la versión de que el general Juan Salinas, muy cercano a Stange, puede proponer una negociación. Correa ha planteado el tema al Presidente, pero éste no le ha respondido nada y más tarde el ministro del Interior ha sabido que el ministro de Defensa sigue a cargo del conflicto. La falta de definición ha llevado a Correa a redactar una renuncia que se propone llevar un sábado a Cerro Castillo, donde el Presidente pasa el fin de semana. Pero lo ha detenido la opinión de Ricardo Solari: si renuncia ahora, tendrá que explicar por qué. Y no puede hacer tal cosa en medio de una crisis.

Correa se resigna y en la semana del 9 de mayo recibe de Solís la propuesta del general Salinas: Stange esperará la resolución final del juez y renunciará seis meses después, con todos los honores del caso.

El viernes 13, la gestión de Correa llega a oídos de Genaro Arriagada, que propone reunirse de urgencia, esa misma noche, en casa de Pérez Yoma, con Correa. Y allí, a gritos, descalifica la operación:

—¡Movidas paralelas! ¡Y con generales de tercer orden! ¡Están poniendo en peligro al Presidente! ¡Esto debe cesar de inmediato!

Correa entiende que la violenta embestida de Arriagada echa a pique el intento. La conexión Solís queda desactivada. Y con ella, el retiro pactado.

El lunes 16, antes de que se consume el anunciado regreso al mando, Pérez Yoma se reúne nuevamente con Stange. No puede volver, le dice, porque su permiso no ha sido anulado. Si quiere hacerlo a la fuerza tendrá un conflicto administrativo. Debe salir, y ahora las facultades que delegue deben quedar por escrito, para que no se repitan las desavenencias de los últimos días. El general quiere estudiarlo con sus asesores.

Pero el ministro, que ya ha aprendido a leer estas dilaciones, le advierte que no terminará la reunión sin que se haya zanjado el asunto de las facultades. Fouillioux y el general Pecci las pueden estudiar. Y mientras los dos funcionarios se dan a esa tarea, el propio Stange se integra para supervigilar lo que Pecci está cediendo. Esa noche queda redactado el decreto de subrogación que confiere a Cordero 10 de las 17 facultades privativas del general director.

Al día siguiente, el jefe de Comunicaciones Sociales de Carabineros, el mayor Camilo Salinas, filtra a la radio Chilena la versión de que Stange reasumirá en plenitud cuando regrese del permiso. En La Moneda hay un estallido de ira; la fuente es identificada en cosa de minutos. Fouillioux recibe la orden de pedir medidas severas al general Stange.

Y cuando está hablando con él, suena el teléfono presidencial: Frei exige que el mayor Salinas sea removido de su cargo. Fouillioux transmite el enojo del Presidente palabra por palabra, y Stange responde que Salinas dejará el cargo mañana, y muy pronto la institución. Sólo cumplirá lo primero.

A comienzos de junio, el ministro de la Corte Marcial declara que no hay fundamentos para procesar a Stange. A petición del propio mando de la policía, la investigación de la justicia militar ha sido llevada por un juez civil. Claro que se trata del ministro Alfredo Pfeiffer, bien conocido en la comunidad alemana que ha defendido a Stange.

El 17 de junio, de regreso en Santiago, visita a Pérez Yoma para entregarle el primer borrador del plan de modernización, un grueso volumen que el ministro deja a un lado sin casi mirarlo. Lo que le importa es otra cosa: como todavía hay recursos pendientes tras el fallo de Pfeiffer, el permiso debe continuar.

Stange está de acuerdo. Pero unos días después pide una nueva audiencia con el ministro. Carabineros ha escuchado que el gobierno estudia un incremento de remuneraciones para los uniformados y el general quiere asegurarse de que el ministro conozca sus necesidades en direc­to. Pérez Yoma la pasa a Fouillioux y mira a Stange con extrañeza:

—General —le dice—, ¿le pedí yo esto?

—No, ministro, pero como estamos hablando del plan de modernización...

—¡Qué plan de modernización! Me importa un bledo esa huevada, lo que me importa es que usted se vaya. ¿Lo entiende? ¿Con cuántas neuronas funciona usted, general? Y ahora me trae una propuesta de aumento de sueldos, que no-le-he-pe-di-do: ¿se imagina lo que voy a hacer con ella?

La crudeza del ministro carga de tensión el ambiente. Stange, que no quiere perder la compostura ni la educación de que se enorgullece, contesta algunas formalidades y se va.

—Lo voy a volver loco —se agita el ministro—, juro que lo voy a volver loco.

El 18 de julio Stange regresa al mando y entrega la versión final del plan de modernización, redactada por una comisión que ha encabezado el general (R) Núñez, marginando por completo a Cordero. El plan queda arrumbado en Defensa y el gobierno se las arregla para filtrar a la prensa que el general director sigue en su cargo sin la confianza del Presidente. Frei aprueba esa estrategia; ya ha hecho plenamente suya la tesis dominante en el equipo político: a derrota política, victoria moral.

Las señales se despliegan de inmediato. Un día después se rechaza el permiso para que Stange concurra a una reunión en Lima de la Organización Internacional de la Policía Uniformada. En pocas semanas se rechaza también la petición de fondos para que Carabineros sea el anfitrión de un Congreso Mundial de policías, en octubre. Pérez Yoma deja de asistir a todas las ceremonias de Carabineros.

El 31 de agosto la Corte Suprema sobresee definitivamente a Stange. Sólo entonces modera el ministro de Defensa su trato hacia el general. En septiembre visita las escuelas de Suboficiales y de Carabineros, invita a los generales a un almuerzo y aprueba los ascensos de oficiales subalternos. Pérez Yoma tiene una razón adicional para su nuevo enfoque: ya sabe que habrá cambio de gabinete y que con Figueroa en Interior podrá afinar una estrategia de pinzas contra el jefe policial. Por eso también se anticipa a autorizar un viaje futuro de Stange a Egipto y plantea que, ya sin urgencia y ante sus recientes quebrantos de salud —arritmia, hipertensión, una operación a la próstata—, se retire en 1995, tal vez en abril, para el aniversario de la institución.

Cuando en octubre el general lleva la propuesta del nuevo alto mando, que incluye los retiros de Cordero y Ugarte, Pérez Yoma está preparado.

—No, general —le dice—, tal como han estado las cosas, lo mejor es que usted siga con su mando tal como está.

Stange vacila, pero le parece razonable. El anuncio, a fin de año, tiene un efecto devastador: mientras los generales se sienten respaldados, los coroneles ven brutalmente frenadas sus carreras por un mando objetado.

En febrero de 1995, tras retornar de su viaje a Egipto, Stange comienza a analizar la fecha de su retiro con la asesoría del general Pecci. Varias reuniones con Pérez Yoma acercan los criterios, aunque en todas ellas el general deja siempre pendiente la respuesta final.

A comienzos de marzo, en el avión que lo trae de regreso de otro viaje, esta vez a El Salvador, Stange les comenta a dos empresarios que podría retirarse el 27 de abril, la fecha propuesta por Pérez Yoma. La noticia se filtra rápidamente a la prensa.

Y el 23 de marzo el general llega a la oficina de Pérez Yoma con semblante pesaroso: ante las versiones que se están publicando, no puede irse en la fecha planteada, porque otra vez parecerá que lo están echando. Pero el ministro, que ya conoce en detalle el origen de los rumores, está decidido a no darle tregua. Si quiere corremos la fecha, general, pero usted me firma ahora su renuncia, en blanco. Stange protesta por la exigencia: querría hablar con el Presidente, para explicarle... Cómo no, general, pero no hay audiencia sin este papel firmado. El ministro le extiende un oficio sin fecha. Stange guarda silencio. Parece sorprendido.

—Me gustaría llevármelo. Necesitaría pensarlo...

—Ah, no. No otra vez. Usted no sale de esta oficina mientras no firme —corta Pérez Yoma.

Tras un largo forcejeo, Stange accede a firmar para que el documento sea entregado al Presidente, que lo recibe como el trofeo más valioso de su ministro de Defensa.

En el acuerdo, sin embargo, parece implícito que Stange podrá pedir aplazamientos razonables. Tras el primero —el del 27 de abril— parece posible que se realice el 2 de agosto, cuando cumple 10 años al mando. Pero como esta versión se desliza una vez más a la prensa, hay un segundo aplazamiento, por tres meses más: de ese modo podrá presidir el Congreso Mundial de policías, que ahora sí se realizará en Santiago, en los primeros días de octubre. Aprovechará esa ocasión para un último desplante ante la prensa: la fecha de su dimisión, declara, la decidirá por sí mismo.

Concluido el Congreso, el 7 de octubre, Stange anuncia el retiro en una ceremonia oficial. El 14 entrega el mando al general Cordero, que será acompañado por el general Ugarte como nuevo subdirector.

Un año más tarde, el general (R) completará los sondeos para postular como candidato al Senado por la Décima Región en la lista de la UDI. Mientras esté en ello, el general director Cordero se encargará de remover del alto mando a todos los hombres que más respaldaron a Stange en sus 18 meses de resistencia a la voluntad presidencial. En menos de dos años no quedará ninguno.
submitted by macana144 to chile [link] [comments]


2020.08.19 06:14 DANA_BEK EL PODER Y VIRTUD DE LA PALABRA

La #palabra es la #vibración, que, a través del #sonido, da #fuerza a nuestras #emociones, y acelera el #proceso de #gestación de dicha emoción en nuestras relaciones personales y laborales. Nos encontramos frente a una generación, que se aburre rápido, y trae una crisis de valor sobre lo que se tiene, y las cosas simples. Esto en consecuencia ante lo rápido que se ha vuelto nuestra vida colectiva. Entre otras cosas, se ha perdido la #virtud de cumplir con nuestra palabra, haciendo necesario utilizar recursos como contratos y pagares, y, aun así, correr el riesgo que dicho acuerdo, no se respete. El valor de tu palabra es un tema de honor, dignidad humana, y de tu capacidad espiritual, tu poder y la virtud de dar cumplimiento a las promesas que realizas. Prestando especial atención, a las promesas que te haces a ti, honrandolas, para entonces reflejar dicha fidelidad en tus resultados. El que se es fiel, cumple, a pesar de los cambios en las ideas y sentimientos que pudiera provocar el tiempo. El que promete, se adelanta al tiempo de modo lúcido, libre y consciente, mueve su voluntad, toma la decisión de crear su vida en cada instante conforme al proyecto establecido en el acto de la promesa. En este ciclo que estamos comenzando desde el inicio de ésta muy particular vuelta al Sol, que nos ordena a ordenarnos, a una nueva realidad, una nueva forma, una nueva normalidad. Te invito a crear una versión distinta y mejorada de ti, para coadyuvar en el crecimiento humano y económico de nuestra sociedad. Dejemos de dar toda la responsabilidad de la solución al gobierno. Esta sociedad está constituida de individuos, donde también te encuentras tú. Para que exista un cambio colectivo es indispensable una transformación individual. Hagamos un alto para observar y observarnos. Solemos juzgar la incongruencia entre lo que pensamos, decimos y hacemos. Pero qué tal, se volteas la cámara de lo que juzgas, y te preguntas: ¿De qué manera estoy siendo incongruente yo? ¿De qué manera estoy faltando a mi palabra? Tal vez, te estén pagando el 100% por un servicio o empleo, y llegas tarde, medio haces las cosas, o te entretienes con asuntos personales y dejas pendiente alguna tarea, nuevamente para mañana. Tal vez te prometiste hacer ejercicio, y estás pagando alguna clase al cual no vas, prometiéndote que ahora si el lunes comienzas. Tal vez estas incumpliendo a un acuerdo, pero como el contrato no lo menciona, entonces no tienes la obligación de respetarlo, sin tomar en cuenta el daño que puedes causar en familias enteras. Tal vez estás incumpliéndole a tus sueños, por miedo o para mantenerte dentro del margen aceptable de una relación, o grupo social. Deja de culparte y victimizarte, todos somos incongruentes, solo que, de distintas formas. Prestar cuidado y atención, tomar realmente consciencia de tu vida y salir de la automatización de lo aprendido, es nuestra oportunidad para crecer. Pregúntate, qué estas sembrando a través de tus palabras, miedo o amor. Para dar un mensaje de manera efectiva, es preciso utilizar la empatía como herramienta. Para comunicarnos es necesario conectar, observar, sentir a las personas, reconocer sus heridas, y desde esa atención, elegir nuestras palabras con cuidado, para que lo único que surja de nuestras comunicaciones sea amor, esa locura que todo lo cura y lo transforma. Sé el tipo de persona que deja marca, no cicatrices, se el arcoíris en la tormenta de las personas y deja huellas que den frutos positivos. Si no te gusta la película de tu vida, habla con el autor, deja de reflejar dicha inconformidad en tus palabras, o la connotación que les das a las mismas, al momento de comunicarte. Una palabra puede ser una bendición, o una bomba. Puedes convertirte en un ángel, o el terrorista de la historia, verdugo de sus miedos. Decide desde cuál postura vas a sembrar. Debemos entender que cualquier situación que afecte fuertemente, de manera brusca, y no estés capacitado para comprender, provocará un impacto emocional intenso. Estas experiencias quedan reprimidas como una forma de evitar el dolor y el sufrimiento. Sin embargo, el bloqueo emocional que producen, persiste en nosotros sin importar el tiempo que haya pasado, hasta transformarlos y trascenderlos, manifestándose en nuestro presente. Por eso es preciso darnos el tiempo de meditar, de reconciliarnos, abrazarnos, sanarnos Darle amor a nuestro niño interno, y conectar con los niños internos heridos de quienes nos rodean, para que nuestras comunicaciones sean efectivas y amorosas. De lo contrario la soledad, culpa, miedo o vergüenza, seguirán alimentándose de tu alma, a costa de tu felicidad. Te invito a elegir qué pensar y decir, ya que estas creando tu futuro. Es verdad que los pensamientos tóxicos llegan solos, como consecuencia de una herida no sanada. En nuestro presente, se encuentra el regalo de la posibilidad de elegir, cuales dejamos entrar, y cuales desechamos, sólo con prestar atención, y transformarlos en el momento. Elegir el bien pensar y el bien hablar, es una virtud. Toma el control de tu futuro, tu eres el dueño de ti. Convierte en un hábito, reemplazar con buenos pensamientos tu mente. Deja en ti únicamente aquellos que sumen, que alimenten tu espíritu, que hagan que tu luz irradie con más fuerza, y notaras el cambio en tus resultados día a día. Colaborando así, a una sociedad más compasiva, más humana. AMARNOS ES URGENTE, NOS ESTAMOS MATANDO
Dana Bek
submitted by DANA_BEK to u/DANA_BEK [link] [comments]


2020.08.17 00:08 YatoToshiro FGO: Eternal Madness Empire: Septem AD.0060 (Analise)


https://preview.redd.it/pem3p7g3ufh51.png?width=1024&format=png&auto=webp&s=493ce69f664c4e821e23ab1e2ac48f51e726513b
Pouco depois de chegar na era, Ritsuka Fujimaru e Mash Kyrielight ajudam Nero Claudius e seu exército a derrotar um exército inimigo. Depois de agradecer a ajuda deles, Nero pergunta ao par de onde eles são, embora ela duvide da resposta deles de serem do futuro. Derrotando uma segunda onda de inimigos, o grupo é confrontado por um Servo, que Nero identifica como seu tio, Calígula. Depois de se retirar junto com o exército inimigo, Nero percebe que ele é o general. Ela então se apresenta adequadamente a Ritsuka e Mash, surpreendendo-os com sua identidade.
Chegando a Roma, Mash diz a Nero que eles procuram o Santo Graal, que ela diz ser a causa dos danos causados a Roma. Nero pede para continuar a conversa em seu palácio, mas o mercado é atacado por inimigos. Depois de derrotá-los, Nero fala com Ritsuka e Mash dentro de seu palácio. Ela revela uma aliança que consiste em vários "imperadores", chamados de Império Romano Unido, que conquistou metade do Império Romano. Ela continua que qualquer informação sobre eles, incluindo a localização de sua capital, é escassa porque seus batedores nunca retornam. Nero então revela que Calígula é um dos "imperadores" do Império Unido, e depois revela que matou seu mago da corte. Mash e Romani Archaman então percebem que um dos "imperadores" possui o Graal causando a Singularidade. Nero implora a Ritsuka e Mash para ajudá-la a derrotar o Império Unido, dizendo que ela os ajudará a obter o Graal. Depois de concordarem em ajudar, Mash pergunta a ela se ela já ouviu o nome Lev Lainur, mas o nome não é familiar para ela. Mash diz a ela que ele é um mago de sua época que a Caldéia e a humanidade, e especula que ele pode ser na época. Nero diz que um mago poderoso está no Império Unido, tendo sido visto na linha de frente. Isso faz com que Romani peça a ela para posicionar Ritsuka e Mash o mais próximo possível das linhas de frente, com o que ela concorda. De repente, um soldado relata que o portão leste da cidade está sendo atacado por um batalhão de médio porte do Império Unido. Ritsuka e Mash vão derrotar o inimigo até o anoitecer.
Na manhã seguinte, Ritsuka e Mash viajam para o Monte Etna para estabelecer um círculo de invocação usando a linha ley da montanha. Ao retornar, Nero os convida para um encontro com sua força expedicionária da Gália. Romani conta à dupla que, segundo Nero, a Gália é uma das linhas de frente na guerra com o Império Unido. Então, ele implora que se juntem à força expedicionária com a chance de que Lev possa estar lá. Mais tarde, o grupo é atacado por soldados inimigos a caminho do acampamento de expedição. Depois de derrotá-los, o grupo chega ao acampamento, onde Nero dá às tropas um discurso empolgante por sua próxima vitória. Ritsuka e Mash são então recebidos por Boudica e Spartacus, ambos generais da expedição da Gália. Romani especula que eles são Servos perdidos como em Orleans antes, e acha encorajador que eles possam encontrar aliados nas Singularidades. Algum tempo depois, um soldado relata que um grupo de reconhecimento inimigo foi descoberto e o inimigo está escapando com informações sobre a força expedicionária. Depois de matar os batedores, Boudica conta a Ritsuka e Mash como ela se materializou como Serva na era logo após sua morte. Ela continua achando que sua convocação era sua chance de vingança contra Nero e o povo romano. No entanto, ao ver Roma sendo invadida pelo Império Unido, Boudica lutou para salvar o povo de Roma. Revelando que Nero não tem conhecimento de sua condição de serva, ela diz ao casal que se juntou a Nero porque odeia o Império Unido mais do que ela. Boudica, com Spartacus, então decide testar as habilidades dela e de Ritsuka para provar que eles podem derrotar o "imperador" que governa a Gália.
Mais tarde, depois de provar sua força para Boudica, Ritsuka e Mash viajam com ela e o resto da força expedicionária para a Gália. Ela e Spartacus lideram o ataque contra o inimigo enquanto a dupla vai com Nero ao acampamento base do inimigo. Eventualmente, o grupo se infiltra no principal acampamento inimigo, onde eles encontram o atual governante da Gália. Depois de derrotá-lo, ele revela ser Júlio César, e diz a eles que o Graal está localizado na capital do Império Unido, mantida por seu mago da corte. César então luta contra o grupo mais seriamente, mas eles são capazes de derrotá-lo novamente. Antes de desaparecer, ele se pergunta como Nero reagirá ao ser confrontado pela governante do Império Unido quando ela chegar à capital. Depois de ser explicado o básico sobre Servos, Nero parabeniza Ritsuka e Mash por tomar de volta a Gália do Império Unido.
No caminho de volta, o grupo ouve rumores da população local de que um antigo deus apareceu no Mediterrâneo. Nero decide que eles devem verificar os rumores quando um soldado relata que suas fileiras traseiras estão sendo atacadas por monstros. Depois de matá-los, Nero diz ao grupo que eles devem verificar a existência do deus antes que o Império Unido o faça. Ela então se abre um pouco, o que faz com que os outros se lembrem de Boudica dizendo que ela tem feito isso desde o Império Unido. Eles se perguntam por que estão detectando pequenos traços de Energia Mágica quando Nero retorna do espaço, como Boudica disse antes. Então, após derrotar os remanescentes hostis do exército inimigo, o grupo viaja para a Ilha Formada. Lá eles saudaram pelo suposto deus, a deusa Stheno das três irmãs Górgona. Depois de matar alguns fantasmas, Nero pede que ela volte com eles para Roma para lutar contra o Império Unido. Stheno se recusa, pois suas habilidades de combate estão abaixo da média, mas ela diz que dará ao grupo uma recompensa especial que está em uma caverna no final da costa. Porém, dentro da caverna, o grupo apenas encontra e mata os mortos-vivos e uma quimera, a chamada recompensa de Stheno. Saindo da caverna, eles encontram Elizabeth Báthory e Tamamo Cat, que foram feitos para servir como testadores para a caverna por Stheno. Calígula então aparece para atacar o grupo para matar Nero sob as ordens de Lev. Depois de ser morto, Stheno diz ao grupo a localização da capital do Império Unido.
Continuando seu caminho de volta para Roma, o grupo é atacado por uma brigada inimiga. Matando muitos soldados inimigos, eles são emboscados por mais inimigos liderados por Leônidas I. Após derrotá-lo, o grupo finalmente retorna a Roma, onde eles realizam um festival para celebrar sua vitória. Mais tarde, em seu palácio, um soldado relata a Nero que a força da expedição especial está sob ataque das forças do Império Unido em seu caminho de volta para Roma. Concordando em ajudar, Ritsuka e Mash logo chegam para ajudar a força especial da expedição. Depois de derrotar as forças inimigas, um dos general se apresenta como Jing Ke e o outro como Lu Bu, que havia acabado de correr para perseguir o inimigo. Ritsuka e Mash contam a ela sobre a missão da Caldéia, e Jing Ke conta a eles como ela e Lu Bu já mataram três "imperadores" inimigos. Mais tarde, ela examina a localização da capital do Império Unido fornecida por Stheno, e relata que uma cidade semelhante a Roma no local especificado. Depois de receber informações, Nero lidera um exército comandado por Ritsuka e os servos aliados de Mash para atacar a capital inimiga. Derrotando várias forças inimigas à medida que avançam, o exército é atacado por Dario III e suas tropas mortas-vivas. Após derrotá-lo, Ritsuka e Mash recebem uma mensagem de Nero de um soldado. Ele relata que a retaguarda de seu exército foi emboscada e Spartacus e Lu Bu deixaram o campo de batalha. Ele continua que depois que eles se separaram de sua força principal para perseguir os inimigos restantes, outra força inimiga lançou um ataque surpresa de pinça e capturou Boudica. Voltando a Nero, ela decide que irão salvar Boudica, que está presa em um forte inimigo que Jing Ke já encontrou. Apesar de saberem que pode ser uma armadilha, eles vão para o forte inimigo.
Chegando à fortaleza, o grupo encontra dois Servos inimigos, que lhes dizem que Boudica está dormindo em segurança graças a um feitiço de restrição. Depois que Nero exige seu nome, eles se apresentam como Alexandre e Lorde El-Melloi II. No entanto, enquanto Alexandre fala com o grupo, os soldados do Império Unido lançam um ataque de pinça sobre eles. Depois que o inimigo é derrotado, Alexandre continua a insistir que deseja apenas falar com Nero enquanto seus exércitos se matam. Ele pergunta por que ela está lutando contra o Império Unido, em vez de mostrar sua fidelidade a ele. Ele continua que se ela escolheu ser um dos "imperadores", ela poderia ter evitado muitos conflitos desnecessários. No entanto, Nero responde com sua resolução de continuar lutando contra o Império Unido, pedindo a ajuda de Ritsuka e Mash para lutar contra Alexander e El-Melloi. Depois de serem derrotados, o grupo resgata Boudica.
Eventualmente, Ritsuka, Mash, Nero e seu exército lançam seu ataque à capital do Império Unido. Enquanto o exército continua o ataque, Ritsuka e Mash se movem em direção ao palácio enquanto discutem sobre a possibilidade de encontrar Lev lá. Um Servo então aparece diante deles perto da entrada do palácio, elogiando-os por sua bravura. Para sua consternação, Nero percebe que é Romulus e a pede para ingressar em seu império. Um grupo de inimigos então aparece para atacá-la, mas Mash os derrota. Depois, Boudica fala com Jing Ke como o carisma de Romulus aumentou o moral do inimigo de forma incrível, a ponto de até mesmo meros civis agirem como soldados. Depois de discutir a perda de confiança de Nero, Jing Ke vai procurar uma maneira de entrar no palácio enquanto Boudica vai proteger Nero e os soldados. Depois que Mash sai após derrotar alguns monstros, Nero fala com Ritsuka sobre como ela queria se juntar a Romulus quando ele se ofereceu. No entanto, ela recusou, acreditando que ele está enganado, pois nenhum de seus cidadãos e soldados estão sorrindo. Quando Mash retorna, Nero diz que Jing Ke encontrou um caminho para o palácio. Ela continua que ela e os outros levarão um pequeno número de elites com eles e eliminarão Rômulo.
Dentro do palácio, o grupo é conduzido para a sala do trono por Jing Ke enquanto eles matam monstros. Ao chegar na sala do trono, eles são recebidos por Romulus, que passa a lutar contra eles. Depois de ser derrotado, Lev aparece diante do grupo, parabenizando-os pela vitória. Sua aparência confirma seu status de mago da corte do Império Unido, bem como o portador do Graal. Lev revela que seu plano original era dar o Graal a Romulus para destruir a era, mas o fundador de Roma recusou. Como resultado, ele foi forçado a manipular eventos para destruir a era. Lev então se encarna no Deus Demônio Flaurous e luta contra o grupo. Depois de ser derrotado, ele usa o Graal para invocar Altera e ordena que ela destrua Roma. No entanto, ela o mata e absorve o Graal em seu corpo. Altera então libera seu Nobre Fantasma, destruindo o palácio junto com Spartacus e Lu Bu. Felizmente, o grupo salvou com o uso rápido de Mash e Boudica de seu Noble Phantasm. Romani relata que Altera está se movendo em direção a Roma para destruí-la. Duvidando de suas chances de vitória, Nero lembra aos outros as palavras de Romulus de como Roma deve continuar para que o mundo continue eterno. Incentivado por suas palavras, o grupo, junto com Boudica e Jing Ke, se prepara para ir atrás de Altera. No entanto, eles são emboscados por wyverns que foram atraídos para o Graal conectado com Altera. Depois de matá-los, o grupo finalmente alcança Altera. Nero tenta falar com ela, mas Romani avisa que ela está perdendo o controle ao se fundir com o Graal. Ele implora ao grupo para derrotá-la antes que ela liberte seu Nobre Fantasma novamente. Depois de ser derrotada, Altera afirma que está feliz por saber que sua espada não pode destruir tudo. Depois que ela desaparece, Ritsuka e Mash recuperam o Graal. Nero então percebe que eles irão desaparecer como Altera, Boudica e Jing Ke. Mash confirma suas preocupações e diz a ela que suas memórias de lutar contra o Império Unido irão desaparecer quando a era for restaurada. Embora triste com as palavras de Mash, Nero agradece de coração a ela e a Ritsuka antes de voltarem para a Caldéia.
__________________________________________________________________________________________________
Comparando com Orleans, Septem foi um Arco Legal, mas nem tanto.
Mas em compensação FGO me fez gosta da Nero Claudius do que em Fate/Extella. Não que eu não tenha gostado dela em Extella, só não considerava ela a minha serva favorita do jogo. (Apesar que eu ainda preciso jogar o Extra pra saber mais sobre a Nero)
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.08.10 02:17 YatoToshiro Fate/Gensokyo #53.5 Jeanne d'Arc Alter (Fate/Grand Order) Parte 2


https://preview.redd.it/z555wif5h2g51.png?width=5000&format=png&auto=webp&s=1cb1df50f74d352beb095b625613f4e4bcf831e9
Orleans: The Wicked Dragon Hundred Years 'War
Jeanne Alter é criada por Gilles de Rais (Caster) através do poder do Santo Graal, como uma versão de Jeanne d'Arc distorcida por seu ódio pela França e por Deus. Após sua criação, ela convoca o Chevalier d'Eon, Vlad III, Atalanta, Santa Martha e Carmilla enquanto adiciona o Melhoramento Louco para transformá-los em Servos Furiosos. Ela ordena que destruam a França, declarando que Deus perdoará todas as suas transgressões. Ela também diz que está tudo bem se Deus os punir, pois sua campanha destrutiva é um meio de provar a existência e o amor de Deus. Gilles então traz Pierre Cauchon antes dela. Jeanne Alter furiosamente o lembra do ridículo que ela suportou durante a vida. Ela também zombeteiramente diz a ele para dizer a todos que a malvada Jeanne d'Arc está aqui e rugir como um leão valente. Ela diz que sua fé é frágil e o acusa de ser um herege por implorar a uma bruxa que o poupe, quando ele implora a ela que poupe sua vida. Ela então começa a queimá-lo vivo até que nada mais reste. Ela então ordena que seus servos destruam a França novamente, começando com Orleans. Depois de explicar a seus Servos que agora são Servos Furiosos, Jeanne Alter declara que a humanidade não tem valor, pois falhou em provar seu amor a Deus. Ela decide que a bandeira deles será dragão quando Gilles diz que eles precisam de um símbolo para se reunir, citando sua conexão com dragões. Posteriormente, as forças de Jeanne Alter conquistaram Orleans, matando Carlos VII no processo. Durante o curso de sua campanha, Jeanne Alter e suas forças destroem muitas cidades e matam muitas pessoas. Um dos mais proeminentes é Lyon, onde Jeanne Alter derrotou e amaldiçoou seu protetor, Siegfried.
Jeanne Alter e seus servos eventualmente encontram Ritsuka, Mash Kyrielight e Jeanne quando chegam no recentemente destruído La Charite. Ela zomba de Jeanne e se declara a outra "ela". Ela chama a resposta para a pergunta de Jeanne sobre por que ela destruiu a cidade óbvia, já que ela está destruindo a França. Ela então pergunta que queria salvar a França e seu povo, apesar de saber que eles iriam ridicularizá-la e traí-la. Enquanto Jeanne hesita em responder, Jeanne Alter declara que não será mais enganada ou traída. Ela confessa que não consegue mais ouvir a voz de Deus, e interpreta isso como um sinal de que a França não é mais abençoada por ele. Assim, ela destruirá o país de acordo com Sua dor. Ela declara que salvará a França transformando-a na terra dos mortos. Ela diz a Jeanne que não conseguia entender, acusando-a de ser uma virgem sagrada que finge não ver ódio e alegria e é incapaz de crescimento humano. Ela começa a atear fogo no console do Archaman Romani quando ele diz que o crescimento humano dos Servos seria classificado como Espíritos Heróicos. Jeanne pergunta se ela realmente é "ela", mas Jeanne Alter apenas zomba de suas dúvidas. Ela chama Jeanne de nada mais do que o resíduo que ela jogou fora. Ela então ordena que Vlad e Carmilla a matem. Quando Maria Antonieta intervém, Jeanne Alter pede a D'Eon que confirme sua identidade. Ela diz a Marie que ela é inadequada para participar da batalha porque ela viveu uma vida de luxo, e morre sem saber o que aconteceu. Ela se pergunta se Marie pode entender seu ódio. Depois que o grupo escapa quando Mozart repele Vlad e Carmilla com Requiem for Death, Jeanne Alter ordena que Martha os siga e observe. Ela diz a Vlad que Martha ficará bem sozinha, já que seu Nobre Fantasma pode ser destruído. Mas ela concorda que precisa ser cuidadosa e decide retornar a Orleans para convocar servos adicionais. Ela então ordena que Vlad, Carmilla e D'Eon continuem destruindo a França, e sai dizendo a eles que até mesmo os anti-heróis têm dignidade.
Mais tarde, Jeanne Alter convoca Charles-Henri Sanson e Lancelot quando ela retorna a Orleans. Ela fica sabendo da morte de Martha, perguntando-se se ela cometeu suicídio, e irritada por manter sua sanidade, apesar de seu Melhoramento Maluco. Ela acha mais provável que tenha lutado com todas as suas forças, então eles não podem baixar a guarda. Ela afirma que partirá com "ele" na próxima vez. Ela diz que vai deixar os Servos recentemente convocados, então ordena que Gilles contate Carmilla. Ela então pergunta a ele quem ele pensa ser a verdadeira Jeanne, ela ou Jeanne, ao que ele responde. Depois que Gilles a lembra da traição e do ridículo que ela sofreu na vida, Jeanne Alter declara que tudo foi um erro que deve ser corrigido. Ela concorda com Gilles que sua vingança é justa, dizendo que suas palavras lhe dão força. Ela então ordena que Sanson e Lancelot montem em seus wyverns e partam com ela. Mais tarde, ela confronta o grupo nas ruínas de Lyon, após resgatar Siegfried. Ela então ordena que seu dragão pessoal, Fafnir, os incinere, mas ele bloqueia a Luminosité Eternelle de Jeanne e o Lorde Chaldeas de Mash. Ela é forçada a recuar quando Fafnir é atingido por Balmung. Depois de se retirar para o céu, ela ordena que Sanson e Lancelot matem o grupo, dizendo que Carmilla se juntará mais tarde.
Jeanne Alter posteriormente ataca a cidade protegida por Georgios com Sanson enquanto seus cidadãos ainda estão sendo evacuados. Depois que Marie derrotou Sanson, Jeanne Alter achou engraçado que aqueles com maior potencial foram os primeiros a cair. Ela está irritada por Jeanne já ter escapado com Georgios e acha ridículo que ganhar um Servo deu esperança a Jeanne. Ela então pergunta a Marie por que ela está tentando salvar os cidadãos, embora ela tenha sido decapitada por seus próprios cidadãos. Marie responde que sua morte foi inevitável porque ela não era mais necessária para o povo. Ela então pergunta a Jeanne Alter quem ela é, mas Jeanne Alter também diz a ela para calar a boca. Ela então ativa o Palácio de Cristal e luta contra Jeanne Alter, que ela acaba perdendo.
Voltando para Orleans, Jeanne Alter confirma que Marie morreu e pergunta a Gilles sobre a condição de Sanson. Ele responde que a mente de Sanson pereceu com Marie, dizendo que ele só está apto para ser um soldado de infantaria agora. Jeanne Alter está aborrecida porque Georgios escapou graças ao fato de Marie a estar segurando. Ela começa a pedir para encontrar o grupo quando D'Eon interrompe para relatar que o grupo está indo para Orleans. Jeanne Alter ordena que eles se preparem para a batalha e Gilles para reunir os dragões e servos. Ela declara que o mundo será destruído se eles vencerem, e mesmo se eles perderem, o mundo já se foi. Ela também diz que, mesmo que Caldéia corrija a era, uma jornada sem fim pela frente. Apesar disso, eles e Jeanne ainda têm fé no mundo, para grande aborrecimento de Jeanne Alter. Ela decide destruir o grupo por esse motivo, não querendo que eles restaurem o mundo, dizendo que é o desejo dela e de Gilles.
Jeanne Alter e suas forças confrontam o grupo enquanto eles marcham em direção a Orleans. Ela diz a Jeanne que eles são iguais, mas Jeanne rejeita firmemente essa ideia. Ela então exibe a horda de dragões com ela, declarando que eles devorarão tudo na França. Depois, os dragões lutarão e se devorarão em uma guerra sem fim. Ela fica chocada quando o General Gilles de Rais chega com seu exército e começa a bombardear os dragões com artilharia. Depois que seus servos e Fafnir são mortos na batalha, Jeanne Alter é convencida por Gilles a retornar ao castelo.
Dentro do castelo, Jeanne Alter ordena que Gilles a defenda enquanto convoca um novo Servo. Ela concorda com sua sugestão de convocar o Rei Arthur, embora duvide que um cavaleiro inglês responda a sua convocação. Quando Ritsuka, Mash e Jeanne chegam na sala do trono, ela fica surpresa que eles chegaram mais rápido do que o esperado, então ela não precisa modificar a convocação. Jeanne pergunta se ela se lembra de sua família, mas Jeanne Alter não consegue se lembrar. Descobrindo que não importa se ela se lembra ou não, ela invoca Servos das Sombras e ordena matar o grupo. Depois de destruídos, ela luta contra o grupo pessoalmente. Ela é derrotada, mas se recusa a acreditar que perdeu porque tem o Graal. Quando ela começa a morrer, ela diz a Gilles que ela ainda não destruiu a França. Ela fica consolada quando Gilles diz que destruirá a França em seu lugar. Ela então desaparece, revelando que o Graal era seu centro.
Da Vinci and The Seven Counterfeit Heroic Spirits
Como seu conceito já existia, Jeanne Alter nunca foi verdadeiramente destruída na Singularidade de Orleans. Já que Gilles de Rais, que a desejou, e o Santo Graal, que fez isso acontecer, foram mortos e capturados, as chances de ela ser convocada novamente eram infinitesimais. No entanto, ela foi capaz de invocar-se invertendo o desejo de Jeanne d'Arc de não ter uma versão alterada de si mesma. É uma técnica de quebra de regras que só foi possível graças à popularidade de Jeanne como Espírito Heroico. Insatisfeita por ser uma falsificação, Jeanne Alter procurou superar seu eu original. Usando o Louvre como base e querendo vingança por Orleans, ela cria versões falsificadas de Alexandre, Hector, Siegfried, Arash, Arjuna, Gilles de Rais, Brynhild com o propósito de superar seus originais. Ela também deu a cada um deles histórias de fundo específicas centradas em torno dela por um desejo inerente de ser o protagonista. Continuando com seu plano que começou desde a Singularidade de Orleans, ela além disso melhorou seus valores de Saint Graph por meio do Counterfeits ’Riot, tornando-se publicamente uma Serva. Com relação à convocação dos Espíritos Heróicos Falsificados, em algum momento durante o período do Motim das Falsificações, parece que Jeanne Alter queria esquecer todas as suas existências exceto a dela.
Eventualmente, Jeanne Alter localizou Ritsuka, Mash, Leonardo da Vinci e EMIYA, que procurava impedir sua falsificação. Eles a encontram sendo desconfortavelmente abraçada pela falsificada Brynhild. Ela os elogia por localizá-la, presumindo que eles seguiram os rastros deixados pelas falsificações. Ela chuta Brynhild para longe, apenas para ela rastejar de volta. Ela explica que o comportamento de Brynhild inadvertidamente resultou de seu desejo de que um de seus sete seguidores fosse mulher. Pedindo ao grupo para ignorar Brynhild, ela revela as circunstâncias de seu retorno. Ela aceita que é uma falsificação da Jeanne original, mas ainda quer superá-la, pois Da Vinci especulou com razão. Ela continua que, embora seja uma falsificação, não há regras dizendo que ela não pode fazer nome para si mesma no mundo. Ela continua ainda que as pessoas imaginam que a morte de Jeanne justificaria sua vingança, declarando-se um aspecto de Jeanne. Portanto, como ela nasceu do ódio e da intenção assassina, Jeanne Alter é uma Anti-Herói e uma Serva da classe Vingador. Ela então ordena que Brynhild ataque o grupo. Ela nega a dedução da EMIYA de que a maioria de seus Servos falsificados eram homens pelo desejo inconsciente de ser o protagonista, apontando Brynhild. Mash suspeita que ela queria uma amiga, mas Jeanne Alter nega. Ela afirma que os Servos falsificados eram meramente peões dispensáveis, então luta contra o grupo com Brynhild. Depois que Brynhild é derrotada, Jeanne Alter se culpa por ser incapaz de convocar Brynhild da forma adequada. Ela presume que Brynhild vai culpá-la antes que ela morra, como ela presume que os outros morreram. No entanto, Brynhild diz que ela e as outras falsificações desfrutaram de seu tempo com ela antes de desaparecer. Jeanne Alter afirma que as falsificações foram um peão criado para sua diversão, mas Da Vinci a repreende por não perceber seus verdadeiros sentimentos. Ela explica que as falsificações já ultrapassavam os originais e estavam sinceramente se divertindo, apesar de serem falsas. Ela continua que eles tiveram cuidado e preocupação genuínos por Jeanne Alter. Isso confunde Jeanne Alter, pois ela não consegue entender por que alguém se importaria com uma garota vingativa como ela. Da Vinci diz a ela para abraçar seu desejo de vingança e seu papel como Anti-Herói para se tornar uma Serva completa. Jeanne Alter hesita com a ideia de ser convocada quando Ritsuka diz que eles a aceitariam. Depois de um longo período de reflexão, ela aceita seu complexo de inferioridade para com Jeanne e seu desejo de ser desejada. Ela aceita que seu ódio nunca cessará e ela sempre será uma Vingadora, não importa quantas vidas ela salve. No entanto, apesar de tudo isso, ela diz que responderá à convocação de Ritsuka. No entanto, ela começa a lutar contra o grupo por vingança por eles terem derrotado suas falsificações. Depois de ser derrotada, ela diz que se divertiu. Ela revela que seu eu futuro formará um vínculo com Ritsuka enquanto seu eu atual desaparecerá. Ela assume que seu eu futuro não terá memórias de ser um Espírito Heróico falsificado, então o atual queria criar pelo menos uma memória. Ela diz a Ritsuka para assumir a responsabilidade por seu futuro eu e se despede deles antes de desaparecer.
Salomon: The Grand Time Temple
Jeanne Alter está entre os Servos do "evento especial" ajudando a Caldéia contra os Pilares do Deus Demônio.
Shinjuku: The Malignant Quarantined Demonic Realm
Jeanne Alter estabelece seu próprio território em Shinjuku após sua convocação após formar uma trégua com Artoria Alter para se deixarem em paz. Em algum ponto, ela foi gravemente ferida por Baal disfarçada de James Moriarty, forçando-a a se retirar para o esgoto. Mais tarde, ela tenta incinerar o verdadeiro Moriarty quando ele se intromete em seu território. Ela é mais tarde atacada por EMIYA Alter sob as ordens de Baal, irritada por ele ter transformado uma espada em uma arma moderna. Ela então liberta La Grondement Du Haine em uma tentativa de destruí-lo, mas para sua irritação, ele usou um escudo para bloqueá-lo e escapar. Tendo se esforçado demais com aquele ataque, ela desmaia e espera para desaparecer. Ela se pergunta se alguém vai roubá-la e jogá-la no rio ou contaminá-la enquanto ela desaparece. No entanto, ela é salva pela chegada de Ritsuka, Moriarty e Artoria Alter. Depois de se insultar, Jeanne Alter pergunta por que ela veio, uma vez que eles tinham trégua para se deixarem em paz. Artoria Alter responde que não é mais o caso e se gaba de ter um Mestre, segundo a crença de Jeanne Alter. Ela assume que seu Mestre é totalmente incompetente até que Ritsuka se apresente como dito Mestre. Ela pede a Ritsuka para deixá-la se juntar a eles, alegando que ela é uma Serva melhor do que Artoria Alter ou Moriarty. Ela falha em detalhes de como ela é melhor do que eles quando os inimigos chegam em cena, tendo sido atraída pelo cheiro de seu Nobre Fantasma. Após a batalha, ela pergunta a Mash por que ela não os está ajudando como um Shielder. Mash responde que ela está atualmente em licença de serviçal devido a certas circunstâncias, o que decepciona Jeanne Alter, já que Mash é seu último bastião de defesa. Ela se lembra de Mash se recusando a soltar seu escudo enquanto segurava as lágrimas de medo. Por causa disso, ela assume que Mash é um ser humano melhor do que ela, já que ela realmente sente medo. Artoria Alter a acusa de tentar roubar Mash, explicando que ela é um de seus cavaleiros já que Galahad a está possuindo. Jeanne Alter conta que ela pode fazer o que quiser, já que Mash não é Galahad. Ela então tenta incinerar Moriarty, assumindo que foi ele quem a feriu tão gravemente. Ela pára quando Ritsuka diz que pode confiar em Moriarty, pois foi outro ele quem a atacou. Mas, como os outros, ela não pode confiar nele. Mesmo assim, ela permite que ele os acompanhe quando Da Vinci diz que Moriarty arriscou a vida para proteger Ritsuka. Ela se irrita por Artoria Alter não permitir que ela os acompanhe, dizendo que ela tem os mesmos direitos que Moriarty. Ela então nota as roupas de Artoria Alter e pergunta por que ela as escolheu. Artoria Alter responde que um bom criado sempre se veste de acordo com sua localização. Em resposta, Jeanne Alter revistou as ruínas de uma boutique próxima sob o pretexto de que era suspeita. Ela retorna e cerca os outros e Hessian Lobo com as chamas de seu Nobre Phantasm no sinal de Moriarty para impedir a fuga de Hessian Lobo. No entanto, o grupo não consegue matá-lo e ele escapa. Jeanne Alter e Artoria Alter percebem que Moriarty pretende ter como alvo o Fantasma da Ópera e Christine Daaé em seguida. Eles então se preparam para lutar entre si até que Moriarty convença a atrasar até que Phantom e Christine estejam mortos.
Após o retorno do grupo ao esconderijo de Artoria Alter, Jeanne Alter expressa sua repulsa por ele e por Cavall II. Ela espera que Ritsuka dê sua opinião sobre sua nova roupa, embora esteja desapontada com a resposta. Depois de um telefonema de Edmond Dantès, o grupo descobre que o outro Moriarty é o líder de seu inimigo, a Aliança Fantasma do Demônio. Isso exacerba ainda mais a desconfiança de Jeanne Alter e Artoria Alter em relação a seu próprio Moriarty. Em resposta, Moriarty diz que eles devem derrotar Phantom para que ele possa ganhar sua confiança. Ele avisa que eles seriam mortos se atacassem Phantom diretamente, com o que Jeanne Alter e Artoria Alter concordam. Ele explica que eles seriam severamente superados em número pelos 200 Coloraturas estacionados em Kabukicho se eles atacassem diretamente. Ele, Jeanne Alter e Artoria Alter lembram de ter destruído algumas Coloraturas antes, mas Moriarty revela que eles reabastecem seus números com 36 horas. Moriarty explica que as coloraturas atribuem a patrulha de Kabukicho que também sequestram pessoas regularmente. Jeanne Alter adora que Artoria Alter reconheça que Excalibur Morgan está sendo inútil em destruir Kabukicho quando Moriarty revela que a energia mágica de Shinjuku comparável à Idade dos Deuses a reduziria significativamente. Os dois quase entrando em uma briga quando Artoria Alter zombeteiramente implica que Jeanne Alter não se sairia muito melhor. Moriarty então pede que tragam para ele uma Coloratura, que ele usará para observar Kabukicho. Depois de deixar o esconderijo, Jeanne Alter afirma que se Moriarty os traísse, seria em um momento crucial. O grupo então percebe que Coloratura está sequestrando pessoas, então eles entram para capturar uma. Após capturar uma Coloratura e ajudar a fuga do povo, o grupo retorna ao esconderijo. Lá é revelado que as Coloraturas são construídas a partir de humanos, com sua carne e nervos sendo colocados nas bonecas. Depois de afirmar que os humanos uma vez transformados em Coloraturas não podem ser salvos, Moriarty revela que equipou a Coloratura com uma bomba. O dito Coloratura será devolvido com os outros quando eles retornarem a Kabukicho em seus intervalos regulares, e então sua bomba será acionada. A explosão causará confusão entre as Coloraturas, que o grupo usará como uma oportunidade para matar Phantom e Christine. Jeanne Alter concorda com o plano, pois o Colortura não é mais verdadeiramente humano. Ela até os acha piores do que o espírito maligno e coisas do gênero, já que pelo menos esses têm vestígios de suas personalidades originais, ao contrário dos Coloraturas. Depois que Moriarty termina de manipular a Coloratura, e dá o detonador para Ritsuka, o grupo segue para Kabukicho.
Colocando o Coloratura armado com os outros, Moriarty ordena que Artoria Alter e Jeanne Alter tomem suas posições. Dez minutos depois, a bomba é detonada por Moriarty em vez de Ritsuka após ver sua determinação em fazê-lo. A explosão resultante espalha as Coloraturas, então Artoria Alter e Jeanne Alter se movem para destruí-los. Eles são mais tarde chamados por Mash para ajudar Ritsuka e Moriarty contra EMIYA Alter, mas eles estão ocupados lidando com as Coloraturas ainda ativas. Eles chegam justamente quando EMIYA Alter recua graças à intervenção de Hassan do Braço Amaldiçoado, desapontado por seus ataques mal errados. Jeanne Alter pergunta quem é o Braço Amaldiçoado e se pergunta se ele é um inimigo, mas Mash diz que ele é um aliado. Juntamente com Cursed Arm, o grupo foge de Kabukicho e retorna para o esconderijo.
De volta ao esconderijo, o grupo relaxa após sua missão bem-sucedida. Porém, logo revelou que Hassan é um membro disfarçado da Aliança do Demônio Fantasma, Yan Qing. Ele toma Ritsuka como refém, mas Artoria Alter e Jeanne Alter chegam para detê-lo. Ele se esquiva de seus ataques e foge enquanto Artoria Alter o persegue em sua motocicleta, com Jeanne Alter a seguindo. Infelizmente, eles não são capazes de resgatar devido ao atraso dos soldados Hornet e do Rei Lear convocado por Yan Qing. Jeanne Alter e Artoria Alter mais tarde Moriarty por permitir que Ritsuka fosse sequestrada.
Felizmente, Ritsuka é resgatado da base da Phantom Demon Alliance, Barrel Tower, por Sherlock Holmes. Jeanne Alter e Artoria Alter expressam imediatamente sua preocupação e alívio ao retornarem. Voltando ao esconderijo, Jeanne Alter chama Sherlock de peso morto quando ele se apresenta como um Conjurador impróprio para combate. No entanto, ela o agradece por salvar Ritsuka. Ela diz a ele para ir embora, mas ele diz que não pode. Ela acaba brigando com Artoria Alter novamente quando o primeiro avisa Ritsuka contra ser muito gentil com Moriarty. Depois de saber do Nome Verdadeiro de Moriarty, sua desconfiança dele aumenta ainda mais; Jeanne Alter o compara às raposas que aparecem nos contos de moralidade. Sherlock então explica como o objetivo da Aliança de destruir o planeta é possível sem utilizar forças externas, fazendo o que Thomas Edison e o Rei Leão tentaram fazer. Sem entender o que os outros querem dizer, Jeanne Alter exige saber o que Edison e o Rei Leão tentam fazer. Mash primeiro explica que o Rei Leão tentou usar Rhongomyniad para preservar uma parte da humanidade e destruir o resto enquanto a Incineração da Humanidade estava ocorrendo. Jeanne Alter chama o Rei Leão de idiota pela trama, dizendo que ela deveria ter se permitido morrer com todos os outros. Ela então expressa seu ódio por reis que tentam resolver as coisas por si próprios e reis que simplesmente desistem. Mash então explica que Edison procurou preservar a América separando-a da linha do tempo. Da Vinci percebe e revela que Shinjuku está em uma linha do tempo abatida. Apesar de ser informado de que não terá efeitos adversos na história, Ritsuka decide salvar Shinjuku de qualquer maneira. Sherlock então revela o método pelo qual o maligno Moriarty usará para destruir o planeta. O malvado Moriarty planeja usar os poderes do Fantasma com o qual se fundiu, Der Freischutz, para carregar um meteorito na Torre do Barril e, em seguida, dispará-lo no núcleo do planeta como uma bala mágica para destruir o planeta. Jeanne Alter está aborrecida porque Moriarty acabou de perceber que ele foi fundido com Der Freischutz o fez um Arqueiro e o deixou disparar balas e mísseis de um caixão que ele nunca carregou em vida. Ironicamente, ela acha que o plano da Aliança para destruir o planeta é ainda pior do que quando ela tentou destruir a França. Ela e Artoria Alter concordam com a decisão de Sherlock de eliminar Yan Qing, achando sua habilidade de transformação problemática. O grupo então sai para roubar roupas para o propósito do plano de Sherlock e Moriarty. Depois de derrotar alguns bandidos e suas Coloraturas hackeadas, Ritsuka, Artoria Alter e Jeanne Alter trocam de roupa.
Agora usando vestidos, Ritsuka, Artoria Alter e Jeanne Alter entram em uma festa organizada por Yan Qing. Jeanne Alter, insultada, compara Artoria Alter a uma boneca de cera em seu vestido, enquanto Artoria Alter a compara a uma bruxa de verdade em seu vestido. No entanto, os dois compartilham a alegria de ver Ritsuka claramente desconfortável com seu disfarce. Jeanne Alter os segura enquanto Artoria Alter tira fotos deles com o telefone com câmera que ela tirou de um transeunte e os carrega para o servidor de Chaldea. Ela então se pergunta quando Yan Qing vai aparecer, expressando seu ódio por seu vestido. Depois de ver Artoria Alter dançar com Ritsuka, ela afirma não se importar com a dança e fica irritada que Artoria Alter tenha passado por instinto. Um convidado da festa tenta convidá-la para dançar, mas sua carranca o afasta. Agora que perdeu a paciência, ela agora quer queimar todo o prédio. Yan Qing então aparece diante dos convidados disfarçados de Artoria Alter. Ele eventualmente toma conhecimento dela e ordena que os Hornets ataquem. Juntamente com Moriarty, o grupo derrotou o Hornets seguido por Romeu e Julieta. Mais Hornets então aparecem, com Yan Qing sendo disfarçado como um deles. Ritsuka tira o vestido deles para chocá-lo a se revelar como parte do plano de Moriarty. Yan Qing revela seu verdadeiro nome e luta contra o grupo. Sentindo que vai perder, Yan Qing ativa uma bomba sob o prédio para derrubá-lo, fazendo com que o grupo escape. Depois de matar Yan Qing, Moriarty pondera se o orgulho é necessário para viver. Jeanne Alter responde que o orgulho não tem valor para ela como uma farsa. Ela fica confusa quando Artoria Alter a chama de panda gigante por não se orgulhar. O grupo então se prepara para partir quando são encontrados por Hessian Lobo.
Confrontado por Hessian Lob, o grupo vê que ele foi fundido com outro Fantasma, o Homem Invisível, como indica sua invisibilidade. Sua classe então muda de Cavaleiro para Vingador, e instantaneamente atinge Ritsuka já que eles são os únicos humanos por perto. Incapaz de derrotá-lo, o grupo decide quem ficará para trás para segurar Hessian Lobo enquanto o resto foge. Jeanne Alter assume a tarefa para que os outros possam escapar. Ela diz a eles para usarem esse tempo para encontrar uma maneira de derrotar Hessian Lobo permanentemente. Ela rejeita a sugestão de Artoria Alter de escolher alguém de forma justa. Ela chama Ritsuka de patético por não querer sacrificar seus aliados. Ela nega a suposição de Sherlock de que seu desejo de afastar Hessian Lobo é motivado por sua simpatia por ele como um companheiro Vingador. Ela explica que simplesmente odeia vê-lo correndo como um monstro estúpido, acreditando que deveria pelo menos ter um objetivo. Ela decide que vai dar um objetivo, então ela dá um fim real. Antes que os outros saiam, Sherlock diz a ela para cuidar de seus pés, e Artoria Alter confia nela para segurar Hessian Lobo. Enquanto luta contra Hessian Lobo, Jeanne Alter proclama que sabe como ele pensa, já que eles são iguais. Ela diz que o ódio deles nunca desaparecerá, independentemente de quantas pessoas eles matem até o dia da morte. Ela declara que vai tirar Hessian Lobo de sua miséria, dizendo que os sonhos fugazes que eles veem antes da morte são o único consolo para os Vingadores. Eventualmente, porém, Hessian Lobo a fere fatalmente. Ela está irritada, mas não está gostando de sua vingança, mas percebe que não pode mais. Depois de sofrer outro ferimento, ela solta La Grondement Du Haine em um esforço para segurá-lo. Ela explica que as chamas vêm de seu próprio corpo, duvidoso que possa afastá-las. Ela entende que as chamas não vão matá-lo, mas tem certeza de que vão desacelerá-lo por um tempo. Infelizmente, ela finalmente cai depois que Hessian Lobo se feriu novamente. Ela contempla sua natureza como uma farsa, incapaz de compreender verdadeiramente a dor de ser queimada viva. Ela chama Jeanne de idiota por querer vingança depois de ser queimada na fogueira, acreditando que ela era louca por não ter feito isso. Ela continua que o mundo está irremediavelmente escuro, alegando que o máximo que uma pessoa dita boa pode fazer é fechar os olhos. Ela se lembra de como costumava pensar que nunca ajudaria humanos de boa índole como Jeanne, achando-os patéticos e indefesos. Depois de chamar Jeanne de símbolo da humanidade, ela chama Ritsuka de idiota sem consideração por não tê-la convidado para dançar. Ela então se lembra do conselho de Sherlock antes de cair na inconsciência.
Jeanne Alter é capaz de sobreviver escapando em um buraco de homem no último momento, como Sherlock aconselhou. Ela se encontra com Edmond, e eles resgatam William Shakespeare de seu confinamento na Torre do Barril. Ambos tentam atacar Moriarty, que foi revelado como o verdadeiro cérebro para destruir o planeta, mas ele consegue se esquivar de ambos. Jeanne Alter explica como ela sobreviveu e mostra que trouxe Shakespeare para ajudar. Depois que Shakespeare e Hans Christian Andersen convocam os Grandes Detetives para ajudar Ritsuka, o grupo luta contra Moriarty após ele se fortalecer com o Graal. Depois que Moriarty e os outros desaparecem e o asteróide Bennu é destruído, Jeanne Alter diz a Ritsuka para chorar pelos Servos, já que eles estão destinados a desaparecer. Ela grita com EMIYA Alter para não se intrometer na conversa quando ele concorda. Ela então pergunta a ele o que aconteceu com Artoria Alter, se perguntando se ela foi esmagada por Bennu. EMIYA Alter responde que ela foi visitar algum lugar antes de desaparecer, que Ritsuka e Jeanne Alter percebem ser Cavall II. Depois que EMIYA Alter desaparece, ela de repente corta as comunicações com Chaldea. Ela então coloca seu vestido de festa e exige uma dança de Ritsuka. Depois de dançarem, Jeanne Alter se sente satisfeita e começa a desaparecer. Ela diz a Ritsuka que vai praticar mais da próxima vez, esperando que eles façam o mesmo, antes de finalmente desaparecer.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.08.09 23:31 YatoToshiro Fate/Gensokyo #53 Jeanne d'Arc (Fate/Apocrypha)


https://preview.redd.it/cc49ta95p1g51.png?width=5000&format=png&auto=webp&s=1450cccbdfd0eb3e16fbc6d5caa0c3affc97c60f
«Bondade, Humildade, Honestidade, Pureza, Fé - o coração de Donzela carregava apenas estas coisas e nada mais." »
«Tudo o que os homens chamam de grande, procure em Joana d'Arc, e aí você encontrará. »
(Mark Twain em "Lembranças pessoais de Jeanne d'Arc, Volume 2")
O verdadeiro nome do governante é Jeanne d'Arc, a Santa de Orleans. Um santo católico nascido em Domrémy, França, e a heroína da França que libertou Orléans na Guerra dos Cem Anos.
Life
Jeanne d'Arc era filha de um fazendeiro comum. Ela afirma que recebeu o comando de Deus para lutar. Ela ouviu o lamento do Senhor de que o mundo mudou direto para o inferno. O Senhor chorou de tristeza porque ninguém podia impedir e as pessoas nem mesmo tinham permissão para viver com simplicidade e eram compelidas a se tornarem animais ou comida. O conflito nunca terminou, e o sangue continuou a chover incessantemente e encharcar a terra. Ela recebeu uma revelação do Senhor, a voz não continha glória ou vitória, nenhuma obrigação ou senso de propósito, mas apenas o Senhor lamenta. Ela pegou seus murmúrios pequenos e débeis que todos os outros não conseguiam ouvir.
Ela respondeu jogando fora sua vida como uma simples aldeã e a alegria de amar alguém e ser amada de volta. Além disso, não haveria compensação. Ela sabia que certamente seria desprezada pelas massas de inimigos e aliados, considerando suas crenças nas diretrizes da Igreja para o comportamento adequado das mulheres. Era algo muito assustador de se contemplar. Foi uma loucura para uma mera garota da aldeia do campo saltar para o campo de batalha onde a intenção de matar das pessoas girava. Ela não deu as costas aos clamores do Senhor. Ela decidiu devotar sua vida para se opor ao inferno deste mundo para ajudar a parar as lágrimas do Senhor e acalmá-lo. Ela vestiu sua armadura em seu corpo, pendurou uma espada em sua cintura e carregou a bandeira. Ela lutou ao lado de Gilles de Rais.
Tendo nascido em uma família de camponeses, Jeanne nunca soube o conteúdo dos muitos livros de oração. Ela se esforçou para aprendê-los, mas parece que simplesmente nasceu incapaz de ler ou escrever. O máximo que ela conseguiu foi aprender a assinar seu nome. Enquanto se preocupava com isso, no final, ela decidiu que precisava de um pouco mais para orar ao Senhor. Como ela se lembra, um de seus camaradas que cavalgava ao lado dela, Gilles, uma vez riu e prometeu que isso era mais do que suficiente.
Dizem que na realidade tudo o que aconteceu foi que ela usou táticas que os cavaleiros da época não usavam por desdém e honra. Mikiya Kokutou acredita que ela utilizou a Força Contrária em seus atos.
Jeanne e Gilles foram condecorados como salvadores e heróis nacionais pelo rei Carlos na catedral com a melodia de Ars Nova tocando ao fundo.
Death
Jeanne foi condenada à morte na Place du Vieux-Marché em Rouen. Desprezada por palavras de condenação ao ser conduzida para a pira e sentindo-se apenas um pouco dolorida ao suportá-la, ela já havia abandonado emoções como medo, decepção e arrependimento desde o início de suas batalhas, então ela foi capaz de caminhar em sua direção morte sem vacilar em seus passos. Enquanto ela inconscientemente alcançava a cruz que estava em seu peito até que eles a tirassem dela, ela sentiu um pouco de tristeza porque não havia nada para sustentar seu coração. Pouco depois, ela recebeu uma cruz de madeira feita por um inglês que a reverenciava, agradecendo-lhe baixinho enquanto ele se ajoelhava e chorava. Suas mãos foram amarradas a uma estaca de madeira atrás dela, e o padre presente completou a recitação de seu julgamento final antes de jogar a tocha sobre a pira. Como eles acreditavam que a perda da carne era o maior dos medos, era o castigo mais cruel que poderia ser imposto a ela.
As chamas começaram a queimar sua pele, queimar sua carne e carbonizar seus ossos, enquanto ela falava o nome do Senhor e da Santa Mãe contra aqueles que denunciavam suas orações como apenas uma mentira. Ela só conseguia estranhar esses pensamentos, acreditando que as orações nada mais são do que orações, não importa a quem sejam oradas, que não trazem verdades ou falsidades intrínsecas. Embora ela quisesse contar a eles sobre o pensamento, ela foi incapaz de produzir qualquer som. Enquanto queimava, ela teve visões de seu passado, sua família comum em sua aldeia rústica e ela mesma, "a tola que fugiu e jogou tudo isso de lado". Tendo sabido desde o início como sua jornada terminaria, ela sentiu que certamente pode ter sido tola em suas ações, que ela pode ter levado uma vida normal, se casado e vivido junto com seu marido e filho.
Se ela simplesmente tivesse silenciado a voz e abandonado os soldados em lamento, ela poderia ter tido aquela vida, mas sentiu que não foi um erro ter trilhado seu caminho por causa daqueles que ela salvou. Ela soube desde o momento em que escolheu entrar na batalha que teria esse fim, e ela sentiu que nunca iria zombar de si mesma por suas escolhas. Seu passado, futuros impossíveis e a realidade cruel diante dela não tinham sentido antes de suas orações, oferecendo a si mesma que, mesmo que todos os outros a condenassem, ela não se trairia. Em vez de continuar olhando para trás em seu caminho ou ansiar por outro futuro, ela desejava apenas um descanso silencioso. Em meio à selvageria, ela manteve apenas uma única oração em seu coração até o fim, sem mácula de arrependimento e cheia de sinceridade. Quando ela disse suas palavras finais, "... Ó Senhor, eu me entrego a Ti ...", sua consciência terminou e ela foi liberada de seu sofrimento. Embora o sonho da menina tenha terminado aí, "o sonho de La Pucelle estava apenas começando".
Sua morte fez com que Gilles de Rais enlouquecesse, virasse as costas para Deus para praticar magia negra e cometesse atrocidades antes de ser capturado e enforcado até a morte.
Fate/Grand Order
Orleans: The Wicked Dragon Hundred Years War
" Meu Senhor. Mais uma vez, levantarei esta bandeira, para este país - não, a salvação deste mundo.
A ordem explodiu em chamas e muitos objetivos foram perdidos. Nosso futuro desapareceu em apenas um segundo.
Ouça minhas palavras, bravos guerreiros reunidos aqui, legião de espíritos heróicos que mantêm sua razão!
Não importa se vocês foram inimigos jurados ou não importa a distância entre os períodos de tempo, agora vocês devem confiar um ao outro!
Meu nome verdadeiro é Jeanne d'Arc. Em nome de meu senhor, serei seu escudo!
Esta luta perdurou por muito tempo nas areias da história humana.
Mas não há necessidade de se preocupar, pois encontros fatídicos incontáveis esperam por você.
Embora todo este planeta tenha se tornado o campo de batalha da Guerra do Santo Graal, embora o mundo tenha sido levado à ruína, embora inúmeros inimigos formidáveis bloqueiem seu caminho, o fim ainda não foi determinado por ninguém.
Agora, vamos começar nossa luta, Mestre.
As cortinas se erguem na maior Guerra do Santo Graal da história. »
(Jeanne D'Arc)
Ela é a personagem central da singularidade de Orleans, onde deve enfrentar Jeanne Alter, sua forma corrompida nascida do desejo de Gilles de Rais ao Santo Graal, para vingar sua morte. Jeanne é convocada à singularidade logo após sua morte, embora ela esteja enfraquecida e possua as habilidades atribuídas à classe do Governante. Como resultado das ações de Jeanne Alter, ela é temida e desconfiada por grande parte da população francesa.
Jeanne conhece Ritsuka e Mash quando eles seguem um bando de soldados franceses até Vaucouleurs, onde ela os ajuda a lutar contra os wyverns. Depois, ela conta ao par sobre suas circunstâncias, e depois de concordar em ajudar a restaurar a era, ela decide reunir informações sobre Orleans. No dia seguinte, o grupo viaja para La Charite para reunir informações sobre Orleans, mas eles descobrem que a cidade foi destruída por monstros. Depois de matar os monstros, ela e os outros encontram Jeanne Alter, que envia Carmilla e Vlad III para matá-la. Enquanto o grupo consegue derrotar os vampiros, Jeanne Alter envia mais três de seus Servos para eles. Felizmente, Jeanne e os outros são salvos pela intervenção de Marie e Mozart, que ajudam o grupo a escapar. Depois de escapar, Jeanne fala com os outros sobre como todos os Servos de Jeanne Alter têm o Melhoramento da Loucura, independentemente de sua origem, que Romani atribui ao Graal. Jeanne então teoriza que a razão pela qual Marie e Mozart foram convocados é devido ao Graal resistir à reversão da causalidade de ter um portador antes mesmo de a Guerra do Graal começar. Mais tarde naquela noite, após derrotar Santa Marta, o grupo é instruído por ela a ir para Lyon, onde encontrarão um matador de dragões que pode matar o dragão de Jeanne Alter.
No dia seguinte, Marie reúne informações sobre Lyon em uma cidade próxima, enquanto os outros esperam do lado de fora, já que a presença de Jeanne vai aterrorizar os cidadãos. Marie relata que Lyon foi destruído há um tempo, mas apesar disso eles decidem ir à cidade para procurar o matador de dragões. Enquanto procurava pela cidade, Jeanne e outros eventualmente encontram e matam O Fantasma da Ópera. Romani então os avisa sobre um dragão e três Servos vindo em sua direção, mas Jeanne e os outros decidem continuar sua busca pelo matador de dragões. Chegando ao castelo da cidade onde Romani conseguiu uma leitura de um Servo, o grupo encontra o matador de dragões, Siegfried. Saindo do castelo, eles encontram Jeanne Alter e seu dragão, Fafnir, que recebe a ordem de queimá-los. Jeanne e Mash são capazes de proteger a todos das chamas do dragão, então escapam quando o Balmung de Siegfried faz com que Fafnir recue. Enquanto escapam, eles encontram um exército francês sendo atacado por wyverns; Jeanne passa a defender os soldados dos wyverns enquanto os outros lutam contra Sanson e Lancelot. Enquanto lutava contra os wyverns, Jeanne encontra Carmilla, que a insulta por ser temida agora como a "Bruxa do Dragão", mas Jeanne não vacila. Eventualmente, Gilles chega para atacar os wyverns com sua artilharia, dando a Jeanne a chance de atacar Carmilla. Enquanto Carmilla se retira com Sanson, Jeanne é atacada por Lancelot, que a confunde com o Rei Arthur. Depois de se desculpar com Lancelot por não ser seu rei após sua derrota, Jeanne é interrompida por Gilles, que pergunta se ela é a verdadeira Jeanne. Recusando-se a não responder para não colocar em risco sua posição, ela sai com os outros.
Chegando a um forte abandonado, Jeanne e os outros descobrem por Siegfried que ele foi amaldiçoado. Mas, como Jeanne não consegue remover as maldições devido à sua multiplicidade, ela e os outros se separam para procurar um santo para ajudar a remover as maldições. Viajando com Marie, Marie diz a Jeanne para rejeitar todas as palavras desdenhosas de Jeanne Alter, o que ajuda a dissipar algumas das dúvidas de Jeanne sobre si mesma. Eventualmente, chega a uma cidade sob a proteção de Georgios. Jeanne e Marie tentam recrutá-lo, mas ele responde que não pode sair até que os cidadãos da cidade sejam evacuados. No entanto, quando Jeanne Alter chega para atacar a cidade, Marie fica para trás para proteger a cidade enquanto Jeanne e Georgios fogem. Encontrando-se com os outros em Thiers, Jeanne conta a todos sobre o sacrifício de Marie, então ela e Georgios suspendem as maldições de Siegfried. Mais tarde naquela noite, ela tem uma conversa com Mozart sobre Marie, onde Mozart diz a ela que o desejo de Marie por uma amiga foi realizado graças a ela. Jeanne termina a conversa afirmando a Mozart que salvará a França em homenagem a Maria.
No dia seguinte, o grupo decide com um ataque frontal a Orleans com Jeanne decidindo confrontar Jeanne Alter ela mesma. Mais tarde no campo de batalha, Jeanne confronta Jeanne Alter enquanto os outros lidam com os servos de Fafnir e Jeanne Alter. Jeanne Alter logo se retira, devido à morte de Fafnir, de volta para Orleans com Jeanne e os outros dando a perseguição. Matando Atalanta ao longo do caminho, ela e os outros chegam ao palácio de Orleans, onde ela pergunta a Gilles (Caster) se Jeanne Alter é a "real" dela, mas sua resposta resulta em uma briga quando ela afirma que enfrentará seu eu sombrio . Então, enquanto Elizabeth e Kiyohime seguram Gilles, Jeanne vai enfrentar Jeanne Alter, onde ela termina vitoriosa sobre seu eu sombrio. No entanto, Gilles revela que criou Jeanne Alter com o Santo Graal para criar uma Jeanne que buscava vingança na França. No entanto, Jeanne afirma a ele que ela nunca poderia ser a "Bruxa do Dragão", pois mesmo com seu fim trágico ela nunca poderia odiar sua terra natal. Depois de confirmar que ele odiaria e destruiria a França por executá-la, Jeanne e os outros lutam e o derrotam. Quando Gilles morre, ela o agradece por acreditar nela e diz que não se arrepende de sua vida. Então, quando a singularidade começa a entrar em colapso, ela diz a Gilles que embora ela tenha morrido e ele chorado, ela está confiante de que eles lutarão juntos novamente de uma maneira e forma diferentes. Depois disso, Jeanne diz goobye para Ritsuka e Mash, sentindo que eles podem se encontrar novamente.
Fate/Extella
Jeanne é uma personagem jogável em Extella, servindo no grupo de Altera ao lado de Gilgamesh e Iskandar. Jeanne é uma "Servidora Superior" convocada pela Célula da Lua para defendê-la da Estrela Umbral e é enviada para destruir Altera após a derrota de Iskander. Depois que ela e o intruso Gilgamesh são derrotados por Altera, ela jura lealdade a ela na tentativa de entendê-la e, finalmente, salvá-la.
Flame Poem
Jeanne lidera as forças de Altera contra Nero Claudius em Mare Origo, mas ela acaba sendo derrotada por Nero. Mais tarde, ela ajuda a defender Mare Carcer contra a força de Nero, mas é novamente derrotada.
Orchid Words
Jeanne ajuda Gilgamesh a defender Mare Origo contra a força de Tamamo, mas ela é derrotada por Tamamo.
Dawn
Jeanne invade Mare Carcer para derrotar Altera sob as ordens de Moon Cell. Altera se oferece para deixá-la se juntar a ela, mas Jeanne a rejeita. Ela então luta contra Altera, usando seus poderes como governante para selar Altera para sempre. No entanto, Gilgamesh aparece de repente e interrompe sua batalha com o Portão de Bablyon. Jeanne chocada que ele veio para o Zero Dark sem ser convocado, achando isso impossível até mesmo para um Top Servant. Ela fica ainda mais chocada quando Altera deduz a identidade de Gilgamesh. Depois que Gilgamesh decide se juntar a Altera, Jeanne pergunta por que ele ajudaria Velber. Ele a deixa pensando se deve seguir seu dever para com a Célula Lunar ou suas próprias paixões. Jeanne mais tarde se junta a Altera e ajuda a lutar contra as forças de Tamamo no Mae em Mare Origo.
Poucos dias depois, Jeanne, acompanhada por Iskandar, ajuda Altera a conquistar o Mare Aurum. Após a batalha, Altera percebe que Nero lançou um ataque a Mare Carcer enquanto ela se distraia com Gawain, e convoca Iskandar e Jeanne de volta. Ela ordena que destruam todos os programas inimigos em Zero Dark enquanto ela ataca as forças principais de Nero em Mare Carcer.
Golden Poem
Jeanne e Gilgamesh ajudam Iskandar a lutar contra as forças de Nero no Mare Origo, mas ambos são derrotados. Mais tarde, enquanto Gilgamesh observa a luta de Nero e Iskandar, ela pergunta se ela realmente pretende matar Hakuno junto com Nero se a batalha não o divertir. Ela então pergunta por que ele se juntou a Altera, já que ele não foi convocado por Moon Cell, então ela não consegue perceber uma razão para ele intervir com Velber. Gilgamesh acha que ela está brincando, mas ela insiste que não. Ele então explica como ele veio do Far Side após sentir um despertar no Zero Dark para intervir na batalha contra Sefar. Sentindo que a batalha contra Sefar chegará ao fim, ele se pergunta o que virá depois, já que nem ele nem Jeanne podem perceber. No dia seguinte, Jeanne e Gilgamesh ajudam a defender Mare Carcer, mas são derrotados novamente.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.08.09 05:28 YatoToshiro Fate/Grand Order - Flame Contaminated City: Fuyuki AD.2004 (Analise)


https://preview.redd.it/kcoysgkzawf51.png?width=4000&format=png&auto=webp&s=e717e2cdcb57dcdb52ef4888eccda63e1fbb9bf4
Ritsuka Fujimaru e Mash Kyrielight são repentinamente desviados de raio para a Singularidade após a explosão que destruiu a sala de comando da Caldéia. Depois que Mash destrói os esqueletos que os cercam, os dois são contatados por Romani Archaman. Ele confirma que Mash agora está fundido com um Servo, o que permitiu que ela sobrevivesse à explosão. Mash suspeita que o Servo foi fornecido com antecedência para investigar a Singularidade, mas seu Mestre foi morto na explosão. Ele contratou ela para conceder suas habilidades a ela em troca de eliminar Singularidade antes de desaparecer sem revelar seu Nome Verdadeiro. Romani confirma que Ritsuka é agora o Mestre de Mash. Quando os comunicados começam a ser interrompidos, ele ordena que a dupla vá para uma linha ley a cerca de 2 km de sua localização para estabelecer a conexão. Depois que a comunicação é cortada, é revelado que Fou mudou de raio com Ritsuka e Mash. Eles então se dirigem às coordenadas fornecidas por Romani.
A dupla eventualmente encontra Olga Marie Animusphere sendo atacada por monstros. Depois de salvá-la, Mash explica a situação para ela. Olga revela que eles são os únicos que mudaram de raio para Singularidade porque não estavam em Coffins na época do Mudança de Raio. A mudança de raio de carne e sangue provavelmente não terá sucesso, embora não seja impossível. Enquanto isso, os caixões têm disjuntores que cortam a energia quando a taxa de sucesso está abaixo de 95%. Como eles estão no ponto leyline de que Romani lhes falou, Mash coloca seu escudo no chão para que Olga possa estabelecer um círculo de invocação. Com isso, as comunicações com Romani são restabelecidas, mas Olga exige falar com Lev Lainur. Romani revela que a equipe sobrevivente tem menos de vinte anos, incluindo ele. Ele só está no comando da operação porque não há ninguém com uma posição acima dele que tenha sobrevivido. Ele suspeita que Lev morreu na explosão, já que ele estava supervisionando na sala de comando. Ele também revela que os 47 candidatos-mestres estão em estado crítico. Olga ordena que ele os coloque em criostase imediatamente. Ela diz que Ritsuka, Mash e ela encontrarão a causa da Singularidade enquanto Romani repara a funcionalidade de Rayshift. Assim que for encontrado e Caldéia for restaurada, ela enviará outra equipe. Depois que as comunicações são encerradas, o grupo continua a busca pela fonte da Singularidade.
Mais tarde, Ritsuka lembra como Olga explicou como a humanidade deixará de existir em 2016. Usando Laplace e Trismegitus para revisar os dados dos últimos 2.000 anos, Chaldea finalmente observou a Singularidade F na cidade de Fuyuki em 2004. É uma "zona não observável" que não Não existem na história até o ano de 2015. Como a Singularidade é suspeita de ser a causa do que vai acontecer em 2016, a ONU aprovou a operação de shift de raio lá e destruí-la. O plano original era fazer com que o Time A dos candidatos a Mestre mudasse de raio à frente e estabelecesse um acampamento base, enquanto o Time B e abaixo ficariam em espera. Olga mais tarde suspeita que Fuyuki foi destruído quando a Singularidade mudou o resultado da Guerra do Santo Graal Fuyuki na qual Saber foi vitorioso. Mash confessa que não sabe o nome verdadeiro de seu Noble Phantasm, portanto, ela não pode liberá-lo.
O grupo eventualmente encontra Medusa, que Mash consegue derrotar. No entanto, eles são cercados por Hassan do Braço Amaldiçoado, mais tarde acompanhado por Musashibou Benkei. Mash se prepara para lutar quando Cú Chulainn chega para ajudar. Depois que Cursed Arm e Benkei desaparecem, Caster explica que Fuyuki foi subitamente engolfado pelas chamas, os humanos desapareceram e apenas os Servos permaneceram. Saber reiniciou o Santo Graal e começou a derrotar Medusa, Cursed Arm, Benkei, Archer e Berserker. Quaisquer Servos derrotados por ela foram corrompidos pela lama negra. Caster e Saber são os únicos sobreviventes da Guerra do Graal, e ela terminará até que Saber seja derrotado. Caster admite que ajudou o grupo porque precisa de aliados contra Saber. Depois de firmar um contrato temporário com Ritsuka, ele deduz que o Grande Graal é a fonte da Singularidade, e é guardado por Saber, Archer e Berserker. Caster diz que eles podem lidar com Archer se ele estiver com ele, mas ele sugere ignorar Berserker completamente. O grupo então inicia sua busca pelo Grande Graal.
O grupo finalmente entra na caverna do Graal. Caster se prepara para revelar o nome verdadeiro de Saber's e o Nobre Phantasm quando EMIYA o interrompe, é o Rei Arthur e Excalibur. Depois de derrotá-lo, o grupo segue para a câmara do Graal. Eles decidem descansar, pois Ritsuka está exausto por ter seus circuitos mágicos funcionando em plena capacidade pela primeira vez desde que se tornaram um Mestre.
Chegando na câmara do Graal, o grupo confronta Artoria Alter. Ela então lança Excalibur Morgan para testar o Nobre Phantasm de Mash. Após Mash bloqueá-lo, o grupo luta e derrota Artoria Alter. Ela declara a Grande Ordem, a batalha pelo Santo Graal apenas começou antes de desaparecer. Após o desaparecimento de Cú Chulainn, Olga pondera como Artoria Alter conhecia o termo Grande Ordem. Lev Lainur então aparece de repente e recolhe o Graal. Ele revela que causou a explosão na sala de comando, e Olga morreu fisicamente desde que ele colocou a bomba sob seus pés. Trismegistus a transferiu para Fuyuki depois que ela se tornou pensamentos residuais. Portanto, se ela retornar à Caldéia, sua consciência desaparecerá. Lev Lainur então usa o Graal para conectar a Singularidade com a Caldéia. Olga é então atraída para Caldéias e desintegrada. Lev Lainur então se reintroduz como Lev Lainur Flauros. Ele revela que Caldéias ficou vermelha porque o futuro foi incinerado. O campo magnético da Caldéia está protegendo a Caldéia, mas o resto do mundo se foi. No entanto, a Caldéia será destruída se o ano passar 2016. Conforme a Singularidade começa a entrar em colapso, Lev Lainur revela que deu o Graal a Artoria Alter. Ela causou problemas para ele por querer sustentar a era. Depois que Lev Lainur sai, Ritsuka e Mash são deslocados de volta para a Caldéia.
Ritsuka acorda em seu quarto, onde encontram Leonardo da Vinci. Na sala de comando, Romani demonstra sete Singularidades que se manifestaram nas eras que servem como os Fundamentos da Humanidade. Ele ordena que Ritsuka e Mash mudem de raio para essas Singularidades e as destruam para salvar a humanidade e seu futuro. Seu alvo para cada Singularidade será a relíquia da era e o Graal. A história resistirá à sua luta para salvar a humanidade. Romani então abandona o nome da missão original, Primeira Ordem, e chama a missão de salvar a humanidade Grande Ordem.
_____________________________________________________________________________________________________
Para um Começo de jogo até que a historia se iniciou de forma bem legal.
Eu diria que isso ficou até melhor que assistir o anime. Não que eu tenha gostado do anime, só que vendo a historia no jogo ficou melhor de entender a Historia.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.08.09 03:05 YatoToshiro Fate/Gensokyo #52 Shirou Kotomine (Fate/Apocrypha)


https://preview.redd.it/ovxwfkopgvf51.png?width=5000&format=png&auto=webp&s=83b98371b848b680cc72b2b47a7b64d4d575743d
​O verdadeiro nome do Ruler é Shirou Tokisada Amakusa, O líder adolescente da Rebelião de Shimabara. Nascido no período Edo, ele era um menino de milagres que quase poderia ser chamado de santo. No entanto, como exatamente ele foi descoberto e, de fato, pelo menos uma boa metade de sua vida está envolta em mistério. Aquele que se concentrou em seus estudos desde a infância começou a fazer muitos milagres na fronteira por um tempo. Tendo curado feridas e andado sobre as águas, ele finalmente começou a ser entusiasticamente adorado como filho de Deus pelos camponeses que acreditavam em uma religião proibida. Na realidade, ele era apenas um feiticeiro. Ele não foi ensinado Magecraft, mas foi algo que veio a ele naturalmente, mas muito raramente. Seu uso de Magecraft era principalmente subconsciente, então ele nem mesmo percebeu isso. Acontece que ele nasceu com o poder de exercer os milagres chamados Magecraft, e ninguém ao seu redor jamais apontou isso, então ele era reverenciado como um menino de milagres. Talvez Mori Souiken e seus colegas tenham suprimido esses sussurros.
The Shimabara Rebellion
Os governantes da terra, o clã Matsukura, aumentaram drasticamente os impostos, causando fome e tributação excessiva ao povo. Esta ação forçou os fracos a cair em desespero, pois eram incapazes de resistir. Enquanto continuavam a ser explorados, as pessoas encontraram a salvação no Cristianismo, as palavras cheias de amor que não podiam ser derrotadas pela fome, pobreza ou desespero. No entanto, o clã Matsukura tentou tirar até isso deles. Para eles, não era mais exploração, mas assassinato. O povo foi provocado e se levantou e se revoltou. Eles temeram que seu direito de viver fosse retirado superou seu medo de morrer em batalha.
Entre eles estava Shirou, um menino na época. Ninguém sabia se sua presença era coincidência ou vontade de Deus, mas antes que alguém percebesse, Shirou os estava liderando, embora sob as instruções de vários Rōnin. Em pouco tempo, ex-vassalos de Konishi Yukinaga o tinham como líder e estabeleceram um exército rebelde contra o Xogunato Edo. Junto com os camponeses de Shimabara, que estavam sofrendo com o ambiente hostil da época, eles levantaram uma insurreição em grande escala. Sua batalha não deve ter derrota e nem vitória também. Porque ao se levantarem, eles eram perdedores e vencedores ao mesmo tempo. Tudo o que lhes restou foi o poder de se levantar, mas o próprio ato de se levantar foi um ato necessário. Eles se levantaram por causa daquilo em que acreditavam - isso em si era importante e era o que eles desejavam. Eles acreditavam que os sacrifícios seriam reduzidos ao mínimo, e mesmo que várias pessoas incluindo eles próprios se tornassem sacrifícios, o mundo não morreria, mas sim renasceria.
The Shimabara Rebellion
Os governantes da terra, o clã Matsukura, aumentaram drasticamente os impostos, causando fome e tributação excessiva ao povo. Esta ação forçou os fracos a cair em desespero, pois eram incapazes de resistir. Enquanto continuavam a ser explorados, as pessoas encontraram a salvação no Cristianismo, as palavras cheias de amor que não podiam ser derrotadas pela fome, pobreza ou desespero. No entanto, o clã Matsukura tentou tirar até isso deles. Para eles, não era mais exploração, mas assassinato. O povo foi provocado e se levantou e se revoltou. Eles temeram que seu direito de viver fosse retirado superou seu medo de morrer em batalha.
Entre eles estava Shirou, um menino na época. Ninguém sabia se sua presença era coincidência ou vontade de Deus, mas antes que alguém percebesse, Shirou os estava liderando, embora sob as instruções de vários Rōnin. Em pouco tempo, ex-vassalos de Konishi Yukinaga o tinham como líder e estabeleceram um exército rebelde contra o Xogunato Edo. Junto com os camponeses de Shimabara, que estavam sofrendo com o ambiente hostil da época, eles levantaram uma insurreição em grande escala. Sua batalha não deve ter derrota e nem vitória também. Porque ao se levantarem, eles eram perdedores e vencedores ao mesmo tempo. Tudo o que lhes restou foi o poder de se levantar, mas o próprio ato de se levantar foi um ato necessário. Eles se levantaram por causa daquilo em que acreditavam - isso em si era importante e era o que eles desejavam. Eles acreditavam que os sacrifícios seriam reduzidos ao mínimo, e mesmo que várias pessoas incluindo eles próprios se tornassem sacrifícios, o mundo não morreria, mas sim renasceria.
Bandeira do Rally de Amakusa Shirou
Shirou trouxe um milagre, a possibilidade de vitória que deveria ser impossível. Em suas próprias palavras, ele recebeu um poder miraculoso concedido por Deus porque Deus ocasionalmente exercerá malícia devido à boa vontade. Infelizmente, Shirou obteve a vitória. Todos ficaram loucos e animados com a vitória. Eles se apegaram a Shirou, que havia vencido uma batalha onde a vitória deveria ser impossível, como um filho de milagres. Aquela pureza tola deles perturbava o menino. Shirou acreditava que eles não deveriam ter vencido. Vencer não era uma opção. Ele tinha se empenhado em salvar vidas em um futuro próximo e desviou os olhos do quadro maior. Eles podem morder um gato encurralado - mas depois de ser mordido, o gato enfurecido retaliaria matando-os.
Death
Apesar de levar o levante levianamente no início, o Edo Shogunate ficou sério devido às suas forças punitivas serem derrotadas e enviou Elder Matsudaira Nobutsuna como o comandante supremo. Shirou liderou a defesa do Castelo de Hara e derrotou o mais forte dos atacantes do Shogunato em uma série de surtos defensivos coordenados. Matsudaira Nobutsuna aplicou táticas de fome ao exército revoltado que se fechara no Castelo de Hara e estimou o tempo em que ficariam sem comida e munição para iniciar sua ofensiva geral. Foi dito que 37.000 pessoas, incluindo Shirou, foram massacradas pelas forças do shogunato, com exceção de um único traidor (existem várias teorias sobre isso).
Depois que sua rebelião falhou, Shirou foi condenado à execução por decapitação. Antes de sua morte, Shirou se sentiu ingênuo e testemunhou uma cena horrível enquanto seus camaradas eram lentamente mortos. As cabeças decapitadas de idosos, homens massacrados como animais experimentais, bebês perfurados por lanças, garotas estupradas em busca de luxúria e depois jogadas fora. Ele estava convencido de que as incontáveis vidas reunidas não foram tiradas pelo inimigo, mas por ele mesmo. Shirou, sem mudar de expressão nenhuma vez, aceitou esse resultado com uma vontade de aço e isso o tornou impossível ceder e desistir. Ele apenas olhou para esta cena de ruína. Ele não revelou resignação ou tristeza e até superou a dor de seus braços desmembrados. Ele aceitou que havia perdido a responsabilidade pela morte de seus companheiros e sua morte inevitável. Mas a única coisa que ele não podia aceitar era que tudo iria desmoronar depois disso. Ele não conseguia aceitar. Depois de ter perdido tantas vidas, ele absolutamente não podia aceitar que nada seria ganho como resultado.
"Assim Deus. Me dê outra chance. Da próxima vez, não vou perder de vista o quadro geral. Vou eliminar todos os obstáculos, inimigos e adversidades no meu caminho. Da próxima vez, vou obter tudo de bom do mundo. Um mundo onde todos são felizes, todos são bons e todos são perfeitos. Vou exterminar todo o mal e criar um mundo novo e puro."
(Última oração de Shirou Tokisada Amakusa)
Fate/Grand Order
Amakusa Shirou é o mesmo indivíduo que reencarnou em "Apócrifos". Ele possui suas memórias da Terceira Guerra do Santo Graal. Sua presença é totalmente contraditória com os registros do mundo da "Grande Ordem". Ele se relaciona com Sakata Kintoki, Lu Bu e Fuuma Kotarou na Caldéia.
Amakusa Shirou Trial Quest
Shirou e Child-Gil estão lutando pela subespécie do Santo Graal.
O Demônio da Vingança uiva na Torre da Prisão Editora
Shirou é o espírito heróico que governa a "ganância" na torre da prisão.
Salomon: O Grande Templo do Tempo
Ele está entre os Servos do "Evento Especial" para ajudar a Caldéia contra o Pilar dos Deuses Demônios.
Província de Shimosa: o estágio de rios de sangue e montanhas de cadáveres
E a versão do universo alternativo dele é o Feiticeiro (妖術 師, Yōjutsu-shi?), Que está colaborando com o Limbo Caster. Ao contrário do Shirou da maioria das linhas do tempo do Destino, este ficou totalmente louco com Shimabara e se tornou um Vingador. Ele vagou por mundos paralelos bizarros antes de entrar em contato com o Deus Alienígena, a quem ele adora como Lúcifer, o Grande Satã. Em um ponto, ele fala sobre seu ódio pelo Amakusa Shirou das outras linhas do tempo, que ainda ama a humanidade e quer salvar o mundo.
Dia dos namorados 2018: ~ Os jardins de chocolate florescentes dos namorados
Shirou encontra Semiramis no final do evento, embora ela aparentemente não o reconheça.
Interlude
Deixe-nos contar uma história da salvação mundial. É o seu interlúdio. Amakusa Shirou acompanha Ritsuka Fujimaru e Mash Kyrielight para evitar que até mesmo as menores Singularidades surjam. Shirou conta seu passado para Ritsuka e Mash. Eles detectaram um Santo Graal poluído, a lama negra que escorre pode contaminar os Servos. Eles derrotaram os restos de Zouken Matou e seus insetos. Angra Mainyu surge da lama, ele pergunta quem quer o Santo Graal corrompido. Shirou os trai porque tem um objetivo e luta contra Ritsuka, Mash e Angra Mainyu. Como Shirou foi derrotado, o Santo Graal estava prestes a explodir. Shirou insiste que ele destruirá o Santo Graal porque ele foi derrotado, então ele porá um fim nisso. Quando eles retornam à Caldéia, Shirou informa ao grupo que enquanto houver um Santo Graal, ele o reivindicará. Porém, para sua surpresa, Ritsuka diz que vai parar Shirou quantas vezes forem necessárias. Ele e Ritsuka não conseguem chegar a um entendimento, mas Shirou está disposto a colocar seu próprio sonho sob o selo para que possa lutar ao lado de Ritsuka. Como punição por sua traição anterior, Ritsuka ordena que Shirou limpe seu quarto, ao qual Shirou devotaria tudo.
Outras aparições
Em Fate/strange Fake, ele é mencionado na abertura da narração de Rider. Diz-se que se a Guerra do Santo Graal existisse quando Shirou viveu, ele pode até ter sido capaz de invocar seu eu futuro mais poderoso, um ícone do heroísmo.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.08.07 17:00 aniballayoto La inteligencia intrapersonal

La inteligencia intrapersonal
¿Qué es la inteligencia intrapersonal? La inteligencia intrapersonal se basa en el autoconocimiento. O sea, conocernos a nosotros mismos. Donde se aplican diferentes técnicas de autodominio para desenvolvernos con éxito en ambientes laborales o sociales.
https://preview.redd.it/rzc5l9qqlne51.jpg?width=960&format=pjpg&auto=webp&s=58d72c7ef32932a2038209630bb202170c86f632

La inteligencia intrapersonal en el trabajo.

Dentro de los ambientes de trabajo te encuentras con un sinnúmero de situaciones en donde se pone a prueba tus HABILIDADES SOCIALES, de comunicación y tolerancia. Tienes que enfrentarte a la presión continua, lidiar con temperamentos diferentes, con la carga emocional de los conflictos personales y los propios desafíos del trabajo, ahí se pone a prueba tu inteligencia intrapersonal para salir avante de todos esas situaciones complejas.

¿Cómo mejorar tu inteligencia intrapersonal?

Algunos consejos para lograrlo son los siguientes:
  • Vigila tus fallas más comunes y trabaja para cambiarlas:
Existen muchas conductas que pueden afectar tu desempeño laboral. Algunas de ellas son: ser una persona impulsiva que fácilmente pierde la paciencia, prolongar demasiado la toma de decisiones, fallar continuamente en tus compromisos, la impuntualidad, dar instrucciones confusas, etc. Si estás consciente de tus fallas entonces puedes establecer un plan para superar cada una de ellas. Usando el software informático para EXPRESIONES POSITIVAS es mucho más fácil avanzar en el mejoramiento personal, porque hace un énfasis en la conducta apropiada de una forma muy marcada hasta ser capaz de creer en la nueva forma de proceder. Esta herramienta te permite avanzar en dos direcciones: la primer es organizar tu agenda de trabajo diario y la segunda es la de convencerte que tu conducta es ejemplar. Para ello se utilizan afirmaciones poderosas que combinan palabras oportunamente redactadas, imágenes, audios y anclajes mentales que te llevarán a cumplir cada uno de tus propósitos.
  • La inteligencia intrapersonal implica aprender a soportar mayores cargas mentales:
Lograr el éxito es más plausible cuando aprendes a soportar mayores cargas mentales ¿por qué? Porque el cambio ocurre rápido cuando tienes una gran cantidad de factores que inclinan la balanza a tu favor, esto conlleva una considerable carga mental. Por eso escuchas con tanta frecuencia que los puestos de mayor responsabilidad exigen que las personas aprendan a trabajar bajo presión. Si la concentración está dirigida a un objetivo por un período largo, entonces surgen estupendas oportunidades y todo se ordena para que la expectativa pueda cumplirse. Adaptarte a altas exigencias requiere de mucha autodisciplina, lo cual es difícil para la mayoría de las personas. Con la práctica continua, puede lograrse.
  • Aprende a controlar tus pasiones:
Parte de la inteligencia emocional se basa en el control de las pasiones. La gente que se deja dominar por sus pasiones puede perder el rumbo de un objetivo con facilidad. Solo imagina un directivo que en el momento clave de una negociación se desconcentre porque es adicto a un tipo de juego en particular. Obviamente es algo inadmisible desde la perspectiva del desarrollo organizacional. Incluso dentro de las actividades de tu empresa necesitas ver las cosas desde un punto de vista objetivo y libre de pasiones. Cuando aprendes a controlar las pasiones entonces tienes la templanza, la cual es vital para ser un triunfador.
  • La inteligencia intrapersonal implica aprender a tener un buen ánimo a pesar de las adversidades:
Este punto resulta bastante difícil para muchas personas. Pero se puede afianzar esa gran capacidad de resiliencia y tener un buen ánimo si se vas entrenando todos los días, el uso de las estrategias de una visón positiva puedes lograrla a través los audios para CREAR UN FUTURO MARAVILLOSO, donde sonidos a frecuencias especiales ayudan de manera categórica a creer en ti mismo y los proyectos en los cuales estás trabajando, porque internamente se va afianzando un modelo ejemplar de comportamiento digno de la categoría de un ganador. La visión ordena tus ideas y va modelando estructuras eficientes al futuro. Las cuales se convierten en una profecía, que se cumplirá.
  • La inteligencia intrapersonal te enseña a separar los problemas:
Desligarse de ciertos problemas dentro de las áreas de la empresa e incluso a nivel individual es algo que requiere mucho control emocional. Pero un buen líder es capaz de establecer esas separaciones y concentrarse en el momento oportuno de cada problema. Si aprendes a tener la mente fría para ver por encima de los problemas, lo más seguro cumplas grandes objetivos.
Si eres capaz de gestionarte como persona podrás alcanzar cualquier meta. No obstante tú sabes que necesitas organizar todos los aspectos de tu vida y parte de esa responsabilidad está en utilizar la inteligencia intrapersonal. Puedes descargar excelentes materiales de autoayuda que te llevarán a cumplir tus sueños, visita el espacio de los REGALOS ESPECIALES.
submitted by aniballayoto to DesarrolloPersonal [link] [comments]


2020.08.07 04:43 YatoToshiro Fate/Gensokyo #50 Mordred (Fate/Grand Order)


Mordred (Rider)
Tendo sido convocada como Cavaleira em vez de Saber desta vez, ela não trouxe Clarent com ela. Não só isso, ela nem trouxe sua armadura e capacete com ela.

Ao ser convocada, ela procurou uma prancha de surf que pudesse resistir ao seu poder e acabou atrevidamente stea ... emprestando à perpetuidade uma do cofre do tesouro de seu pai. Seu nome é "Prydwen". Segundo as lendas, é uma ferramenta maravilhosa que pode se tornar um navio e um escudo, ou algo assim. Nas palavras do rei Arthur - quem disse que você poderia transformá-lo em uma prancha de surf?!.
Por ser tão festiva, ela está exibindo um lado mais suave. Como este é o verão, a senhorita Surfer Mor tem uma tensão mais alta que o normal. Deixando de lado o antagonismo com seu pai e sua própria razão de ser, ela quer aproveitar o mar de verão para o conteúdo de seu coração.

A Srta. Surfista Mor empurra sua frente mimada e boa vontade para com o Mestre mais que o normal. Devido a sua tensão aumentando tanto quanto poderia aumentar graças ao calor do verão, parece que seu mau humor habitual foi abandonado em algum lugar

________________________________________________________________________________________________________
Resto da Parte 2
Interlude:
Em seu interlúdio King of Kings, Mordred obriga Ritsuka e Mash a irem para Londres com ela. Uma vez lá, ela diz a eles que sentiu algo incomum acontecendo na cidade, embora não tenha certeza do que poderia ser. Depois de matar alguns fantasmas, Mordred fica preocupado com sua espada, Clarent, sendo entorpecida, o que ela atribui a ela roubá-la na vida. De repente, Romani Archaman diz ao grupo que ele detectou um Servo das Sombras nas proximidades, e o grupo vai para as coordenadas especificadas. Lá eles encontram o Servo das Sombras, que pergunta quem é Mordred. Depois que ela se autodenomina, o "Servo" afirma que ele é um rei e anuncia que matará Mordred e criará uma nova nação. Mordred refuta as alegações do Servo das Sombras de ser um rei, dizendo que apenas quem se nomeia rei é o Rei Arthur e somente ela pode se opor ao rei. Após o grupo derrotar o Servo das Sombras, Mash percebe que ele era um rei sem nome, que nem esculpiu seu nome na história nem realizou feitos nobres. Ela continua que a lembrança de ser rei o levou a vagar como fantasma. Então, de volta à Caldéia, Mordred visita Ritsuka em seu quarto e pergunta se eles acham que ela poderia ser um rei. Ao ouvir a resposta de Ritsuka, Mordred declara como ela pensava que seria rei, mas foi rejeitada por seu pai, rei Arthur. Repetindo as palavras de seu pai de que ela não tinha o que era preciso para ser rei, ela afirma que não podia aceitar essas palavras nem mesmo na morte. Mordred continua, pensou que o rei Arthur a odiava como descendente de sua irmã mais velha, Morgan le Fay, e revela que ela desistiu de se tornar rei há muito tempo. Ela continua dizendo que, desde os tempos antigos, os reis sempre foram pessoas egoístas e egoístas que se tornaram rei por ganância. Mordred continua que os reis disseram que outros se juntaram a eles usando seu carisma. Ela então afirma que o rei Arthur era diferente daqueles reis, pois ele sacrificava sua própria vida para que muitos pudessem sorrir. Acreditando que a vontade de seu pai era ao mesmo tempo nobre e comparada a qualquer outro rei, Mordred afirma por essa mesma razão que não perderá contra Salomão. Ela então pede a Ritsuka para não contar a ninguém o que ela acabou de dizer e sai da sala.
Camelot/Zero
Mordred, junto com os outros Cavaleiros da Távola Redonda, é convocado pelo Rei Leão na Singularidade "Camelot". O Rei Leão dá aos cavaleiros a opção de ajudá-la em sua "Seleção Sagrada" ou de lado contra ela, dando a eles meio dia para decidir. Mordred foi um dos cavaleiros que escolheram ficar do lado dela. Ela, junto com Gawain, Lancelot, Agravain, Tristan e Gareth, mata os outros cavaleiros que se opõem ao Rei Leão, formando os Cavaleiros do Rei Leão. O Rei Leão também dá um presente a cada um deles, com Mordred recebendo o Presente de "Rampage", que ela não pediu, mas ainda recebeu.
Os cavaleiros partiram para a Terra Santa, matando qualquer um que se opusesse a eles. Eles envolveram os cruzados falsos, que eles derrotaram facilmente, com exceção de seu líder, um servo que afirma ser Richard I. Ele possui imenso poder, o suficiente para lutar igualmente com os cavaleiros. Finalmente, Gareth se sacrifica restringindo o oponente com seu próprio corpo, dando aos Cavaleiros a chance de terminar a batalha. Mordred se enfurece, tentando detê-la e dizendo que eles poderiam vencer sem sacrifícios. No entanto, Gawain dá o golpe final, derrubando Gareth e seu oponente. A Terra Santa cai assim nas mãos do Rei Leão e de seus cavaleiros, que estabelecem a Cidade Santa.
Camelot: O Reino da Mesa Redonda Sagrada
Dentro de Camelot, Mordred se pergunta se Gawain foi tranquilo com a Caldéia. Ela discorda de Tristan de que Gawain deve ser executado por seu fracasso, acreditando que a prisão domiciliar deve ser suficiente. Tristan a ignora e se prepara para decapitar, mas Mordred diz que Lion King nunca permitiria tal coisa. Agravain para Tristan quando o Rei Leão chega para receber o relatório de Gawain sobre a Santa Seleção e seu fracasso em realizar a Santa Execução. Depois que Gawain foi castigado pela Rhongomyniad como punição, Mordred confirma que ele sobreviveu ao ataque ao muro externo da cidade. O rei leão, em seguida, lembra que ela só é permitida na cidade durante o dia e ordena que ela retorne ao terreno baldio. Mordred o faz alegremente, dizendo para deixar a defesa do domínio para ela.
Mais tarde, Mordred e seus soldados atacam a aldeia de montanha ocidental. Ela luta com Hassan das Cem Faces, embora esteja frustrada por ainda não estar morta. Centenas de Faced exigem saber como Mordred encontrou sua aldeia desde que a ocultação era perfeita. Mordred revela que foi o instinto que a encontrou, embora não fosse seu principal objetivo. Ela queria matar a Caldéia, que Lancelot não conseguiu capturar, e relatar o fracasso do primeiro ao Rei Leão para sujar sua reputação. Ela fica frustrada por destruir a vila, e não recebe elogios nem críticas. Ela revela que será executada em alguns dias, pois tudo fora de Camelot será destruído quando a Seleção Sagrada for concluída, o que a inclui. Ela então exige que aldeia da Caldéia escapar, dizendo que ela dará aos aldeões uma morte rápida em troca. Depois de matar o duplicado de Hundred Faced por não contar, ela aprende com um soldado que os Cavaleiros de Execução na retaguarda foram emboscados e derrotados. Ela se pergunta se eram os monstros de Ozymandias, mas o soldado diz que eles eram servos. Ela então confronta Ritsuka e Mash fora da vila. Ela não conhece Mash, mas reconhece o cheiro de sua energia mágica. Ela se pergunta por que eles não responderam à convocação do rei leão. Ela então percebe que eles estão com os rebeldes, embora ela não esteja surpresa, já que eles são os únicos que se oporiam ao Rei Leão. Ela se prepara para matar Ritsuka e Mash, revelando seu presente, "Rampage", permite lançar continuamente seu Noble Phantasm em troca de queimar sua alma. Ela então percebe que Bedivere está com eles. Ela lembra que ele nunca ganhou contra ela antes de lutar com ele. Ela fica impressionada com Airgetlám, imaginando onde Bedivere conseguiu, já que não se lembra dele. Bedivere insulta sua inteligência como ele sempre fazia, mas ela lembra que ele apenas sentou no assento extra da Mesa Redonda. Ela também diz que ele nunca se tornaria atendente de Artoria se Agravain não morresse. Ela se vangloria de que ele não é nada comparado a ela, dizendo que Artoria só gostava dele. Bedivere não contesta que ele é inferior aos outros cavaleiros, mas Artoria confiou nele até seu último suspiro. Ele revela que Merlin recebeu Airgetlám para retribuir sua bondade. Mordred decide matá-lo, dizendo que ela nem sequer informará sobre ele ao rei leão. Enfurecido, ela está perdendo, apesar de seu Dom, Mordred remove seu capacete enquanto sua armadura rejeita seu Dom. Ela se prepara para lançar Clarent Blood Arthur, mas Arash atira em suas articulações para detê-la. Ele a castiga querendo se destruir para matá-los, se perguntando se ela tem algum orgulho como cavaleiro. Mordred está irritada por ser chamada de pirralha, achando que é mais velha que Ritsuka, apesar de estar fisicamente congelada aos quinze. Ela então recua dando sua unidade foi eliminada, dizendo que ela lutará com o grupo em Camelot.
Mais tarde, em Camelot, depois que Tristan relata que a vila montanhosa oriental não foi destruída, Mordred está impressionado que Arash foi capaz de parar a Rhongomyniad. Depois que Lancelot sai para perseguir os rebeldes, ela, Tristan e Gawain confessam que lutaram contra Bedivere. Eles não informaram, porém, acreditando que não valia a pena mencionar.
Depois que a Torre nos confins do mundo é ativada, Mordred confronta o grupo quando eles entram em Camelot enquanto está sitiado. Ela então pergunta onde está Arash, mas ela rapidamente percebe que ele morreu, interrompendo Rhongoymniad mais cedo. Ela está irritada por alguém como ele poder parar a lança sagrada quando ela não pode fazê-lo. Ela então se prepara para matar o grupo, mas Bedivere diz que eles não têm tempo a perder com ela. Ele considera vergonhoso que ela se considere a herdeira de Artoria, dizendo que não tem o senso de dever de antes. Ele lembra que o rei leão destruirá o mundo e seus homens, mas Mordred não fica surpreso com isso. Ela continua que o Rei Leão está criando uma cidade onde um exército não é necessário. Ela e os outros cavaleiros morrerão de bom grado para se tornar a Fundação da Humanidade criada pelo Rei Leão. Ela pergunta a Bedivere como ele poderia entender os sentimentos deles desde que ficou com Artoria até a morte dela. Ela é derrotada na luta que se seguiu, mas ela se recusa a morrer por alguém que não é Artoria. Bedivere diz a ela que ela nunca será capaz de servir Artoria de todo o coração, mesmo que ela quisesse. Ele se considera fraco e Mordred porque eles não salvaram e mataram Artoria, respectivamente. Mesmo que ele considere ambos indignos de cavaleiros, ele acredita que ela o ultrapassa por causa de seu sonho de servir Artoria, apesar de ser odiada. Ele pede desculpas por arruinar o sonho dela e acaba com ela.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.07.29 01:05 AdsonLeo [Encontro Miojo] Aceito uma Mãozinha (5º Level; D&D 5e)

Olá pessoal, postando aqui um encontro que já vinha querendo colocar no papel há um tempo. Faz parte da ideia de "Encontro Miojo", rápido para ler e colocar em jogo mas com potencial para se desenvolver em algo maior, como o nosso bom macarrão instantâneo. O mais importante é dar um pontapé em suas aventuras e alguns ganchos com o que trabalhar quando estiver em dúvida ou com preguiça.
Isso faz parte de um blog que atualizo nunca. Mas às vezes aparece algo lá e decido postar aqui. Espero que gostem e a quem interessar o blog é o Sopa de Dado e a postagem desta aventura é essa aqui.
Neste encontro busquei trazer desafio a aventureiros chegando em leveis medianos, sendo um combate desafiador mas também com um tom humorístico e leve. É possível até que não haja derramamento de sangue no fim e tudo se resolva com simples interações sociais e resultados finais interessantes para ambos os lados - heróis e vilões. Admito que talvez não seja toda mesa que acomode o "good ending" afinal, como verão, envolve lidar pacifica e amigavelmente com vilões óbvios.
De toda forma, este encontro é pensado para impor um desafio considerável para um grupo de quatro aventureiros no nível 5. Nomes em negrito se referem a criaturas encontradas em material de D&D 5ª edição e serão seguidos por uma notação entre parênteses com o nome do livro e página em que se encontram.
Como sempre com aventuras prontas use como bem entender, mas tendo em mente que ao corrê-la para grupos maiores ou menores e em níveis diferentes o desafio pode ficar significativamente mais fácil ou difícil. Se decidir utilizar este encontro ou elementos dele peço apenas para que dê crédito ao blog e ao autor, no caso eu.

Ganchos de Aventura

Nosso grupo de aventureiros se encontra viajando do ponto A ao ponto B, seguindo rio acima pela margem quando avistam algo curioso. Ou tenha ouvido rumores sobre uma velha torre abandonada que todos os moradores locais evitam, já que quem foi lá jamais voltou e luzes e sons macabros se projetam do topo. Talvez esses mesmos moradores ofereceram recompensas para que os destemidos heróis visitem o local e verifiquem a veracidade da história, eliminando qualquer ameaça presente. Seja como for, subindo o rio eles se deparam com um... pacato pescador?

Localização

Este encontro pode se resolver em duas localidades: à beira do rio ou na torre abandonada. O rio... é um rio. Cortando uma floresta provavelmente, como todo rio em RPG. Não existe segredo, pode ser qualquer rio em qualquer mundo onde você goste de mestrar. Gosto da ideia de locálizá-lo no rio Styx em Avernus caso esteja correndo a campanha Baldur's Gate: Descent Into Avernus ou algo assim. Sendo um plano mal onde o grupo interage constantemente com figuras de caráter duvidoso os aventureiros estarão mais acostumados a interagir com o que antes eram apenas inimigos com alvos pintados na cabeça. O importante mesmo é que os aventureiros estejam seguindo contra o curso deste rio.
A torre fica ainda mais rio acima, e, sinceramente, não é o foco desta aventura. Use o layout de qualquer torre, ou qualquer construção na verdade. Uma torre funciona melhor mas no final fica a seu critério. Caso tenha interesse poderá desenvolver com mais detalhes, mas para o propósito deste encontro miojo não tem muita importância. O que interessa é o que os aventureiros avistam enquanto caminham.

1. Pescaria Macabra

À beira do rio, poucos metros a frente após passarem por algumas árvores, o grupo avista uma figura sentada com uma vara de pesca em mãos e olhando distraidamente para o nada. O ser humanoide parece um pouco desengonçado e, numa inspeção mais atenta ou próxima, é possível notar que não se trata de um humanoide normal, e sim de um Flesh Golem (Monster Manual, 169). Vestindo um chapéu de palha que por pouco não é levado pelo vento, ele lança olhares ocasionais para a água. A linha da sua vara de pesca está sempre em movimento e bastante tencionada, porém ele não a puxa.
Caso os jogadores observem por mais tempo ou demorem a tomar uma decisão, eles notam que a linha fica mais frouxa até que da água emerge uma Flameskull (MM, 134). De início apenas uma caveira humana flutuante, ela gira algumas vezes no ar para se secar e logo explode em eletricidade, que fica estalando ao seu redor. Use os status e habilidades da Flameskull, porém substitua a magia preparada "Fireball" por "Lightning Bolt", ambas de terceiro nível.
O crânio pertence a Ginolvam Tyerulzo, mago humano de índole no mínimo questionável há muito morto por outros aventureiros. Cursou artes mágicas em [insira grande cidade do cenário] mas jamais conseguiu seguir as linhas de pesquisa monótonas dos outros, o que o levou à reanimação. Graças a rituais diversos executados meio que corretamente por ele quando vivo, o mago conseguiu voltar a vida. De certa forma. Apenas sua cabeça animada e ossuda se reanimou e, desde então, ele habita sua torre, onde continua seus experimentos em constructos feitos com partes de criaturas vivas.
A dita torre foi recentemente atacada por heróis, ou como ele chama, "um bando de rufiões metidos a salvadores da pátria". Os tais rufiões dizimaram sua coleção de golens e o mataram. De novo. Após uma hora ele despertou, apenas para descobrir que tudo de valor que ele possuía havia sido roubado pelos malditos e que seus brinquedos foram despedaçados e boa parte de seus pedaços lançados no rio próximo. Quanta barbárie. Após muito esforço Ginolvam reconstruiu um dos golems com o que pôde achar e se colocou a busca do restante das partes que foram levadas rio abaixo. Com medo de que pudesse se distrair e ficar perdido, ou até mesmo arrastado pela correnteza, agora confia que #1B segure firme enquanto ele vasculha as pedras e a lama do fundo em busca das peças que precisa para reestabelecer seu exército.
Ginolvam já aparece em cena com um braço, perna ou outro membro de sua preferência, sendo erguido por uma Mão Mágica conjurada por ele, e o joga numa pilha que já contem algo como meia dúzia de outros. Ele então fala em tom autoritário com o golem por alguns momentos, informando que irá forçar um pouco mais pois acredita ter avistado um tronco preso à vegetação.Neste momento, caso os personagens não tenham se escondido ou a furtividade seja menor que 12 (Percepção passiva da Flameskull), Ginolvam os nota e se dirige a eles, perguntando com confiança o que buscam, ao mesmo tempo em que #1B se coloca de pé. Caso os aventureiros se aproximem ou enderecem-no amistosamente, ambas as partes podem conversar de forma tranquila.
Durante o diálogo Ginolvam se mostra autoritário e confiante porém certamente disposto a evitar um combate, uma vez que a reconstrução de um único golem sem ajuda e quando se é apenas um crânio flutuante com Mãos Mágicas é um tarefa hercúlea. Sem contar que dessa vez, pensa ele, talvez esses sejam um pouco mais espertos e de fato o matem de uma vez por todas. Nesta solução pacífica desenrole o encontro como social, e o grupo fica a par da história do mago, sua morte, experimentos, torre, o ataque e morte de novo. Ele também faz questão de frisar que jamais fez mal às comunidades próximas ou ativamente atacou viajantes, mas que se defende caso necessário. Tem interesse apenas em seus experimentos, que são os causadores dos sons e luzes que as pessoas veem de tempos em tempos. Um personagem pode verificar que Ginolvam diz a verdade com um teste de Sabedoria (Insight) de CD 10. Com alguns minutos de conversa civilizada o mago arrisca pedir ajuda do grupo.
Talvez os aventureiros apenas sigam viagem com uma história curiosa para contar. Se ajudarem a caveira a encontrar mais partes e levá-las para a torre siga para a parte 2. Caso mesmo após a conversa eles decidam que é melhor dar cabo da caveira e seu amigo golem e engajem em combate siga para o próximo parágrafo.
Numa inevitável luta execute da seguinte forma. Ginolvam ordena #1B a lutar com todas as forças e protegê-lo, assim que chegar seu turno, voa a 9m do chão, de onde atira seus Fire Ray e Magic Missiles, e ambos focam aqueles indivíduos que podem efetivamente ferir a caveira. Em seu primeiro turno ele conjura a magia Blur em si mesmo para aumentar sua sobrevivência, assim como Shield quando necessário. O mago é relutante em conjurar seu trunfo, Lightning Bolt, logo de cara, ainda mais caso a quantidade de alvos que consiga atingir seja sub-ótima. Ele o fará caso veja que esses novos rufiões que o atacaram sem motivo sejam muito fortes e estejam dando trabalho a ele e ao #1B. Se uma oportunidade de ouro se apresentar, com todos os aventureiros em linha perfeita esperando pelo choque ele conjura de uma vez o raio elétrico. A função do Golem não é segredo: ficar no solo absorvendo o máximo de dano que conseguir e batendo de volta. Caso entre em Berserker, Ginolvam não tentará domá-lo a menos que a luta já esteja ganha ou os aventureiros implorem muito por misericórdia. Se tudo der certo ele estará uns bons metros no ar, longe dos ataques do seu constructo. Se o grupo todo cair faça como você achar melhor. Um TPK mesmo e mais corpos para o mago ou quem sabe nosso amigo cabeça possa prender os atacantes e conduzir mais experiências. Vilões megalomaníacos fazem isso e repetidamente dão a oportunidade dos capturados escaparem com vida... tsc tsc, nunca aprendem. Caso a luta pareça perdida Ginolvam tentará escapar voando para longe e acessar o que consegue recuperar depois.

2. Torre Abandonada

Se no final os aventureiros se resolveram amigavelmente com a dupla de pescadores e os ajudaram a trazer partes para cá, ou se venceram o combate e eventualmente alcançaram a estrutura, use algum mapa que achar interessante. Uma coisa é fato, está tudo saqueado. Algumas partes de golens são visíveis, mobílias intactas e quebradas, livros, frascos, mesas de encantamento, penduricalhos diversos e tudo o que magos em RPG costumam colecionar. Marcas de batalha são visíveis e recentes - perfurações, chamuscados, flechas e frascos de poção recém usadas pelo chão. Em duvida faça um mapa simples. Existe um ou dois quartos, uma cozinha e sala, um depósito e um laboratório provavelmente no topo. A torre é o formato ideal pois Ginolvam precisa atrair raios para alguns de seus experimentos. Infelizmente ele não tem poderes o suficiente para conjurar o seu próprio mais que uma vez ao dia.
O único butim de valor é o grimório da velha caveira. Um tomo grosso cuja capa é feita de retalhos de pele e com páginas amareladas que contém as magias conhecidas do mago (leia-se, as que a Flameskull tem preparada contando a alteração que fizemos). Um Mago pode copiar qualquer uma das magias descritas ou é possível vender o livro por 50 pesos de ouro caso encontrem comprador interessado.
Se todos chegaram aqui como amigos, Ginolvam convida o grupo a ficar e pede #1B para preparar algo para eles enquanto ele começa a montar o próximo golem. Talvez todos fiquem desconfiados e, mais uma vez, depende de você DM. Minha ideia de "good ending" é todos ficarem em bons termos, tomarem um chá e conversarem. Caso tenha um mago no grupo, e ele seja decentemente sociável, Ginolvam o acha merecedor de estudar o seu grimório e copiar uma das magias que tenha lá. Se achar necessário peça um teste de Charisma (Persuasion) para o conjurador da sua mesa e, se achar bom o suficiente, o deixe copiar mais que uma. Ginolvam se mostra amigável mas ainda é alguém meio difícil de lidar. Ao final de tudo, se realmente foi um momento extremamente prazeroso e os personagens se ofereçam para ajudar nas tarefas, como arrumar a bagunça e montar os golens, e passem a noite na torre, eles conquistam amigos fiéis em Ginolvam e #1B e o mago os presenteia com um Damaged Flesh Golem (Explorer's Guide to Wildemount, 248) feito de partes sobressalentes e cujo mestre e dono pode ser decidido pelo grupo ou pela própria caveira. Eles até podem ver o processo de animação com Lighting Bolt, em que todos os corpos montados são enfileirados e alvejados pela magia para ganharem vida própria e servirem seu mestre.
Mas quer saber? Talvez Ginolvam não é um cara tão legal. Neste caso ele pode atacar o grupo a qualquer momento em sua torre. Seja assim que chegarem, durante o chá ou com um exército de golens novos construídos pelas próprias vítimas MUAHAHAHA!!! Se assim for a tática é basicamente a mesma descrita no último parágrafo da parte 1, Ginolvam se protege e dá cobertura à distância enquanto o(s) golem(s) arrebenta(m) com os convidados.

O Que Vem Depois

Aqui repito o que adoro falar a todo momento: depende de você. Uma aventura é sua assim que decide corrê-la para seu grupo. Modifique como quiser e bem entender para que seja mais desafiadora, divertida, engraçada, curiosa, assustadora.
Gostou da aventura? Tem alguma crítica, elogio ou sugestão? Deixe um comentário! Se tiver usado alguma ideia apresentada no texto comente aí como foi, adorarei ler como tudo se deu na sua mesa. Até a próxima.
submitted by AdsonLeo to rpg_brasil [link] [comments]


2020.07.26 21:11 VenicioDer Introduccion al Derecho Conceptos fundamentales

¿Que es el Derecho?
Es difícil definir el concepto de Derecho, por que según Nino, hay varios inconvenientes para hacerlo, por que la palabra Derecho tiene las peores características.
Uno de ellos es la ambigüedad (la palabra tiene varios significados que estan relacionados entre si) según Nino el peor tipo de ambigüedad.


Despues la Vaguedad (no hay propiedades que deban estar presentes cuando la palabra se usa)
Y por Ultimo posee carga emotiva favorable
esos son los tres inconvenientes (Ambiguedad, Vaguedad y Carga Emotiva Favorable)
Pero tenemos 2 puntos de vista para dar una definición de Derecho
Desde el punto de vista del Derecho Objetivo: el Derecho es un ordenamiento jurídico o sistema de normas con el fin de resolver potenciales problemas.
submitted by VenicioDer to u/VenicioDer [link] [comments]


2020.07.24 17:24 DuckyDuck4u Multi bautismos y autobautizmo de Eusebio Joaquín González. Efesios 4:5-7

Multi bautismos y autobautizmo de Eusebio Joaquín González. Efesios 4:5-7

Multi bautismos Efesios 4:5-7


John Smyth en 1608 se auto bautizo. Eusebio “Aaron” Joaquín González se auto bautizo en 1943.

Bautismos y confusión de Eusebio Joaquín González. En su propia historia Eusebio Joaquín González se revela como una persona llena de confusión a la cual nunca se le revelo doctrina alguna. En su camino a Guadalajara en el año de 1926 llego a Aguascalientes donde conoce a él evangelista Pentecostal Juan Contreras. Tras pláticas sobre temas bíblicos Eusebio sueña que el bautismo debe ser en el nombre de Jesucristo. Ya para ese entonces Francisco Borrego quien fue testigo de su bautizo y fue colaborador en las iglesias de Romana C. Valenzuela y Joseph Stewart, le había hablado del bautismo en el nombre de Jesucristo.
Eusebio inicio su iglesia bautizando en nombre de Jesucristo y por inmersión en agua. En gran confusión Eusebio exigía se practicará la doctrina del descalzo a los hermanos con el fin de ser sellados por el espíritu santo. Alfonso Esqueda quien fue testigo del bautismo de Eusebio por Saulo y Silas, había inventado la doctrina del descalzamiento en 1924. La doctrina de Esqueda la reafirmo Eusebio Joaquín en una visita que le hizo Francisco Borrego a Guadalajara en el año 1936 y este le comento que su enseñanza no era bíblica por lo que Eusebio rompe lazos con Borrego y en 1937 ordena la revisión de los bautismos en su congregación, exigiendo que sean re bautizados por hermanos requisitados, sellados por descalzamiento, como únicos autorizados para bautizar. Para los integrantes de la congregación este sería su segundo bautismo en el nombre de Jesucristo y tal vez el tercero desde su nacimiento.
En 1938 visitando a María Luisa Espinoza y su pastor, ambos integrantes de la iglesia Bautista de Monterrey, le recuerdan a Eusebio que fue bautizado con la formula trinitaria por Saulo y Silas. Eusebio consulta con otro de sus mentores, Irineo Rojas, y este le aconseja que no diga nada o si quiere lo re bautiza. A su regreso a Guadalajara, pide a varios hermanos cumplir un nuevo “pacto de hermanos” que consistía en mantenerse célibes (No contraer matrimonio) por el resto de su vida y los autoriza para bautizar en el nombre de Jesucristo. Lino Figueroa bautizo a Eusebio y una vez más re bautizaron a toda la congregación de la iglesia cristina espiritual la luz del mundo. Este sería el tercer bautismo en el nombre de Jesucristo.
El auto bautismo 2.0 Tras varios problemas legales, morales, familiares y deserciones de su iglesia en 1943 Eusebio asegura tener otro sueño donde se le ordenaba bautizarse una vez más. Esta vez usa la formula del fundador de la iglesia Bautista John Smyth quien en 1608 se auto bautizo y re bautizo a sus 40 seguidores. Siguiendo esa receta Eusebio se auto bautiza en el nombre de Jesucristo y rebautiza a su congregación por cuarta vez. Manifestándose la influencia de sus amigos pertenecientes a la iglesia Bautista como María Luisa Espinoza de la iglesia bautista de Monterrey y el pastor Víctor Godínez de la iglesia bautista localizada en la calzada independencia de Guadalajara.
El número de bautizos para la congregación de Eusebio “Aaron” Joaquín González fue de 5, en su origen, al ingresar al grupo de Aaron, en 1937, 1938 y 1943. Eusebio por su parte fue bautizado como católico 1896, Saulo y Silas 1925, Lino Figueroa 1938 y auto bautismo 1943.
El Bautismo de adolescentes a los 14. Eusebio Joaquín García instituyo la edad de 14 años para el bautismo de menores. La edad en que murió su hijo Pablo. Esta es la edad en que el adolescente todavía sigue siendo controlado por sus padres y no tiene aún la libertad de decidir por sí solo el quedarse o dejar la iglesia. El bautismo de adolescentes aparenta contradecir el bautismo de infantes, pero en realidad es muy semejante.
La biblia y los multi bautismos. En la biblia no existe precedente alguno o paralelismo entre la institución de múltiples re bautizos en el nombre de Jesucristo, auto bautizos en el nombre de Jesucristo, ordenes de bautismo por sueños en nombre de Jesucristo u ordenanzas por apóstoles que no fueron elegidos por Jesucristo. Como justificación la iglesia la luz del mundo usa textos como Jeremías 1:15 del antiguo testamento llamando a sus dirigentes apóstoles que no necesitan el bautismo pues se cree que ellos son santos antes de nacer y se pueden comparar a Cristo bautizándose solo para cumplir justicia Mateo 3:15. Esta justificación es parte de la creencia calvinista de la elección incondicional, véase el tema de la elección. Lectura recomendada Efesios 4:5-7. Un solo bautismo.
Source / Fuente: https://aquihayluz.blogspot.com/2020/06/bautismos-y-confusion-de-eusebio.html
https://aquihayluz.blogspot.com/2020/06/multi-bautismos-de-eusebio-joaquin.html
https://aquihayluz.blogspot.com/2020/06/john-smyth-en-1608-se-auto-bautizo.html
https://aquihayluz.blogspot.com/2020/06/el-auto-bautismo-20-de-eusebio-joaquin.html
submitted by DuckyDuck4u to exlldm [link] [comments]


2020.07.24 13:57 abandonadoporjesus Posible "negligencia culpable" médica ¿Cómo me recomiendan proceder?

Buenas, quizás sea un tanto extenso el relato, pero sirve para contextualizar cada procedimiento. Todo comenzó a mediados de junio, cuando sufrí un golpe por la caída de una escalera metálica en mi pie. Lo 1ro que pensé fue "ok, me duele bastante, pero pronto pasará". Preferimos con la familia no acudir al SAPU local, porque lo más probable sería que me trasladaran al Hospital San José y, bueno, ESTAMOS EN PANDEMIA, por lo que no parecía la mejor idea en nuestras cabezas medio optimistas/medio ignorantes de la gravedad del asunto.
Aún así, buscando trasladarnos lo menos posible por la ciudad, encontramos una hora para un traumatólogo en una consulta privada en la comuna, pero para 2 días después. Mientras, aguanté con ibuprofeno, hielo y reposo.
Llegado el día, notando una muy obvia inflamación, el "cirujano de pie y tobillo" me manda a hacer una radiografía al instante, sin aventurarse con un diagnóstico. Una vez que me realizan el examen en el mismo centro médico (y aquel mismo día, obvio) vuelvo donde éste, quien concluye que no tengo fractura (que, por supuesto, era lo que más temía), por lo que me deja con un antiinflamatorio un poco más fuerte y una bota por 7 días hasta volver con él la semana siguiente.
Pasado este tiempo, acudo nuevamente a su consulta ya con el pie en mejores condiciones, pero igualmente percibe inflamación, por lo que (de nuevo sin diagnosticar) me manda a hacer otra radiografía, esta vez "en carga", o sea, de pie. De esta manera, se espera que se manifiesten las lesiones que en descanso (acostado en la camilla) no se perciben normalmente. Al volver oootra vez con el especialista, concluye que "simplemente" tengo un leve esguince de lisfranc (en resumen es una lesión muy poco frecuente, que dependiendo de la gravedad, suele requerir cirugía) y, a su modo de ver, mi percepción del dolor es "exagerada" y no se condice con lo que él ve en los exámenes, por lo que debería "dejar el miedo de lado". Me recomendó hielo y 10 sesiones kinesiológicas exclusivamente para manejar el dolor, porque la recuperación es muy lenta, pero no grave, según él. Esto me dejó tranquilo, pues un familiar había padecido una luxo-fractura en la misma zona (o en otras palabras: wea grave que tuvieron que operarle) y él temía que yo tuviera el mismo problema.
Dejé pasar 2 semanas desde dicho diagnóstico (aunque a la primera ya notaba que no era tan simple como lo pintaba el traumatólogo, pero preferí ser paciente) hasta que le hice caso al familiar que les mencioné y busqué una 2da opinión en la Clínica Dávila, sabiendo que el riesgo de contagio del corona aumentaba allí. Al llegar, el traumatólogo inmediatamente supo, con sólo pruebas simples, que eso no era un "leve esguince" y que las radiografías (con carga o sin ella) son inútiles para diagnosticar aquella lesión, por lo que era necesario realizar una tomografía en la zona, básicamente para cuantificar los daños, porque para él estaba claro que requería operación. El resultado del examen fue luxo-fractura de lisfranc (lo que más temía), junto con fragmentos de hueso que seguían sueltos en el pie, con un claro riesgo de que estos ingresen al sistema circulatorio (no es exageración). Naturalmente que esto implicó que debí someterme a una cirugía lo más pronto posible, que por cuestiones que no van al caso, fue realizada por un 3er traumatólogo (pero de la misma clínica) quien también me dijo inmediatamente que las radiografías son insuficientes y que él siempre que sospecha ordena realizarse una tomografía, para confirmadescartar, como corresponde, una lesión.
Entonces, aquí viene el meollo del asunto y en donde requiero consejo leguleyo: he revisado algunos artículos relacionados con la responsabilidad médica (https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-98872008000400016) y por lo bajo el actuar del 1er doctor está lejos de ser un "error médico", pues este último se refiere a que, dadas determinadas circunstancias, cualquier médico hubiera tomado las mismas decisiones que quien cometió el "error", situación que claramente no se dio en su caso. Considero que, según lo que expone el artículo, en él se configura una culpa (específicamente no podría aventurarme, pero muchas definiciones concuerdan con su actuar), pues existe discordancia entre lo que debería hacerse y lo que se hizo, ignorancia de la técnica apropiada para tratar, teniendo los instrumentos para ello (en el centro médico donde atiende pueden realizar tomografías).
Todo esto me lleva a un punto: Pude ser operado exclusivamente por nuestras sospechas como familia de un mal diagnóstico (y la capacidad de los médicos de la clínica), si hubiese confiado en el criterio del médico en cuestión, hubiera comenzado irresponsablemente un tratamiento kinesiológico que muy probablemente terminaría empeorando la luxo-fractura, con riesgo claro de quedar con artrosis crónica. O sea, mi situación "pudo" ser peor, pero ¿qué me asegura que éste hombre seguirá subestimando lesiones graves por su incapacidad diagnóstica? En las semanas previas al diagnóstico definitivo, emocionalmente la pasé pésimo al vivir una lenta incertidumbre de si era o no necesario pensar en cirugía, en si valía o no la pena comenzar a buscar formas de financiamiento, sólo porque el tipo no maneja "las técnicas" requeridas.
Entiendo que muchas veces las personas dejan pasar una situación así, sobretodo porque se tiene cierta percepción de que los médicos siempre van a ganar, aún más por todo lo que implica llevar adelante una acción judicial en familias empobrecidas, pero creo es necesario en este caso para que aquel médico sepa que su criterio no da el ancho para diagnosticar.
Gracias por leer hasta acá <3
submitted by abandonadoporjesus to chile [link] [comments]


2020.07.08 19:37 YatoToshiro Fate/Gensokyo #17 - Emiya Kiritsugu


https://preview.redd.it/6jfza4gb6o951.png?width=640&format=png&auto=webp&s=dca613f3b75fc4599d45debb61d3bee0a19a8be3
Se você não ficou surpreso em ver que a Professora Taiga do Emiya Shirou virou um Servo em Grand Order. Talvez você nem acredita que até esse cara virou Servo.
Em Grand Order o Emiya Kiritsugu o marido de Irisviel von Einzbern, pai de Illyasviel von Einzbern e pai adotivo de Emiya Shirou é um Assassin. {É Galera Tal Pai Tal Filho kkkk (Só os Fortes vão entender)}
__________________________________________________________
O verdadeiro nome do assassino é EMIYA (Kiritsugu Emiya). Um assassino que encarnou como um agente da força contrária. Originalmente, ele não era um espírito heroico. Embora ele tenha sido um indivíduo que matou muitas pessoas como assassino, sua existência não foi gravada no Trono dos Heróis. Um dos “espíritos heroicos imitadores” também conhecido como Contra Guardiões, e alguém que nunca teria existido na história humana adequada. No entanto, essa possibilidade "se isso poderia ter sido" existe agora apenas devido à ameaça que tenta destruir a própria história humana desde sua fundação ... somente no caso da Grande Ordem. Sua alma foi chamada do círculo de dissuasão em resposta a esta ameaça.
EMIYA existe como uma possibilidade hipotética apenas nas Grandes Ordens. Como a Casa Einzbern não adotou a estratégia de contratar um mestre externo, ele não se encontrou com a esposa que deveria encontrar e, portanto, não se separou da esposa nem sofreu a frustração de tal separação. Consequentemente, seu coração de aço permaneceu como aço, suas emoções acabaram murchando completamente e sua alma foi chamada ao círculo de dissuasão. ______________________________________________________ Fate/Accel Zero Order O EMIYA foi enviado pela Counter Force para consertar a singularidade da Quarta Guerra do Santo Graal. Ritsuka Fujimaru, Mash Kyrielight e Lord El-Melloi II se unem a Kayneth El-Melloi Archibald e Lancer, e atacaram o covil de Caster nos esgotos de Fuyuki. Como Kayneth e Lancer foram à Igreja para reivindicar sua recompensa por Feitiços de Comando, Lorde El-Melloi II sugeriu a Ritsuka que procurasse Ryuunosuke Uryuu. No entanto, EMIYA já assassinou Ryuunosuke com sua faca.
Ritsuka, Mash e Lord El-Melloi II encontraram o cadáver de Ryuunosuke e o feitiço de detecção de Lord El-Melloi II detectou EMIYA. EMIYA se revela, alegando não ter motivos para lutar e insiste em que a equipe volte e vá embora. Romani Archaman acha que pode estar relacionado à fonte da distorção, pois é um elemento estranho. Lord El-Melloi II quer capturar EMIYA para aprender mais sobre ele, no entanto, isso força EMIYA a tratar a equipe como seus inimigos. Após a luta, Mash afirma que sua presença parece diferente dos outros Servos da Quarta Guerra do Santo Graal, mas ele é semelhante a Archer. Enquanto isso, Rider e Waver Velvet invadiram sua luta e destruíram o Campo Limite de Lord El-Melloi II, no qual a EMIYA decidiu usar essa oportunidade para escapar.
Durante a luta entre a equipe de Irisviel von Einzbern e Saber contra o grupo Chaldea. O ataque de emboscada de EMIYA a Irisviel não teve êxito quando Mash bloqueou seu ataque. Ele visa especificamente Irisviel, pois ela é a embarcação do Graal. Não há má vontade, mas matá-la é a maneira mais rápida de desmantelar o Graal. Saber o ataca imediatamente. Lord El-Melloi II diz que, independentemente dos objetivos do assassino, eles não podem arriscar a morte de Saber, então ele ordena que o grupo da Caldéia ajude o Saber. Após a luta, EMIYA reclama que o grupo da Caldéia nem é participante da Quarta Guerra do Santo Graal e não deve interferir em sua missão. Lord El-Melloi II exige saber o motivo por trás da tentativa de assassinato. A resposta de EMIYA foi enigmática, mas, no entanto, ele se retira.
Após o banquete do rei, EMIYA aparece sem usar sua ocultação de presença. Ele comentou que o grupo da Caldéia está se tornando mais problemático porque o número de aliados está crescendo. Mais uma vez, ele visa Irisviel para que a guerra não chegue à sua fase final. Após a luta, Lorde El-Melloi II pede a EMIYA que espere, pois eles podem não ser inimigos. Lord El-Melloi II deduz que EMIYA não parece ter um Mestre, então ele deve estar atuando como enviado da Contra-Força. Lord El-Melloi II revela a verdade sobre a Caldéia e as singularidades para os outros; além disso, ele apresentou à EMIYA um método que cumprirá completamente seu dever sem matar Irisviel. EMIYA se junta ao grupo, acreditando que ele quer procurar um caminho sem matar Irisviel.
Enquanto o grupo se dirige para a caverna sob o Templo Ryuudou, Lord El-Melloi II explica a corrupção no Grande Graal. EMIYA questiona por que ele não desmontou o Grande Graal, enquanto Lord El-Melloi II diz que é como brincar com um enorme barril de nitroglicerina e um passo em falso pode causar um grande problema. EMIYA divaga um pouco sobre como é estranho cooperar com alguém, já que seu tipo geralmente é enviado para qualquer campo de batalha para derramar sangue até que seja resolvido, mas ele é interrompido ao sentir a presença de Hassan das Centenas Faces nas proximidades.
Após a derrota de Black Iri, EMIYA decidiu ficar na caverna porque ele afirma que, como Contra Guardião, ele desaparecerá e retornará ao Trono dos Heróis. Sua verdadeira razão era confrontar Angra Mainyu para que ele pudesse sair sem envolver mais ninguém, porque pessoas de outros mundos não deveriam ser forçadas a resolver os problemas deste mundo
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.07.08 19:09 YatoToshiro ​Fate/Gensokyo #11 Sasaki Kojirou (Assassin)

https://preview.redd.it/k4z3bxl71o951.png?width=640&format=png&auto=webp&s=73b04898efa73244bfc7715b8c67d6d0c045d465
O verdadeiro nome do assassino é Sasaki Kojirou, Um espadachim japonês mítico que disse ter enfrentado Miyamoto Musashi em combate. Na realidade, o indivíduo convocado como o nome verdadeiro de Assassin era desconhecido e, para ser mais específico, ele nunca teve um nome verdadeiro. Kojirou é conhecido como um mestre espadachim cuja existência é duvidosa, embora seu nome permaneça registrado na história. Ele realmente não existia, então seria impossível convocar o verdadeiro como um Servo. A pessoa convocada em seu lugar não é um Espírito Heróico, mas uma existência mais próxima da dos espectros. Se houvesse um banco de dados para toda a humanidade, ele é o dado que melhor corresponde aos parâmetros de Sasaki, de modo que sua personalidade se tornaria a personalidade de Kojirou e seus feitos monumentais se tornariam o de Kojirou e não o seu.
Caster, emprestando o poder do Grande Graal, conseguiu obter feitiços de comando falsos e convocar um servo falso, assassino. Assassin foi convocado como guardião e vigia do portão da frente do Templo Ryuudou. Como um Servo impróprio, Assassin é totalmente dependente de Caster para mana e não pode se mover livremente além dos terrenos do Templo Ryuudou. Além disso, ele não possui a maioria dos parâmetros e habilidades usuais concedidos a sua classe. Por causa de seu status limitado, Assassin pouco se importa com o Santo Graal e, fora de seus deveres com Caster, ele apenas procura desfrutar de um duelo de espadas decente.
Fate/Hollow Ataraxia Assassin permanece vinculado ao Templo Ryuudou e continua vigiando seu portão da frente, mesmo que a paz tenha se estabelecido sobre a cidade de Fuyuki. Ele conversa com quem tiver a gentileza de subir os degraus para vê-lo. Aliás, ele assume o pseudônimo de Kojirou Tsuda .
Quando Avenger faz o seu movimento, Assassin luta contra as sombras do cachorro ao lado de seu Mestre, Caster e Souichirou Kuzuki.
É revelado que Gilgamesh foi quem atacou o Templo de Ryuudou e matou Assassin e Kuzuki.
Fate/Unlimited Codes Ele é conhecido como Nameless Samurai. A história de Assassin segue como ele foi chamado por Caster, ele percebe que o ambiente é familiar ao Templo de Ryuudou. Caster corrige Assassin que faz muitos anos desde que ele viu o Templo Ryuudou pela última vez e o chama como Sasaki Kojirou. Enquanto Assassin parece confuso com seu nome, Caster afirma que é um nome que as pessoas da era moderna o chamam. Caster explica a Assassin que ela o convocou para servi-la e o refere como Assassin. O lançador ordena que o assassin guarde o portão da montanha, sejam eles magus ou servos; no entanto, o assassin se recusa a receber ordens de Caster. Ele afirma que não tem nenhum problema em oferecer sua vida a uma causa, mas empunhar sua espada sob o comando de uma mulher não combina com ele. O Caster força o assassin a se submeter a suas ordens quando ela usa seus feitiços de comando. Embora Assassin siga seu comando, Assassin zomba de Caster se ela ainda pode controlá-lo até o final da Guerra do Santo Graal.
Seu confronto com Saber é interrompido quando Assassin diz que um terceiro está observando sua luta e a possibilidade de atacar quando testemunhar sua técnica secreta ou tirar vantagem do vencedor ferido. Assassin sugeriu que Saber se retirasse, pois ele já havia descoberto as técnicas de Saber e a possibilidade de o terceiro atacar Shirou Emiya, que está a caminho de coletar Saber. Caster aparece e ordena que o assassin termine Saber, pois ela está cansada e exausta. Assassin diz a Caster para não interferir e lhe diz que não deseja resolver as coisas de maneira vulgar. Caster usou seu segundo feitiço de comando, ela ordena que o assassin acabe com Shirou enquanto Caster tem interesse em Saber. Ao vencer, ele sente Saber vergonha de sobreviver ao duelo e se pergunta o que fazer com Caster, que foi longe demais para interferir.
Seu oponente final é Berserker, que atravessou os portões da montanha e, no interior do templo, Assassin pode sentir um imenso vigor em Berserker. Berserker ataca Assassin com um golpe, Caster, incrédulo, estava convencido de que Assassin não tinha chance de derrotar Berserker. Caster usou seu feitiço de comando final para combater Berserker até o fim, Assassin aproveitou esta oportunidade para derrubar Caster. Ele planejou que o feitiço de comando final fosse usado e, assim, sua energia reservada foi ativada. Parece que ele tem muita energia sobrando devido a derrotar seus inimigos sem uma única perda.
Logo após a morte de Caster, Assassin desaparecerá em breve, mas ele está feliz por ter um oponente digno em seus momentos finais. Embora ele não conheça a identidade de Berserker, ele sabe que é um guerreiro excepcional e que precisa usar toda sua força para vencer. Após sua vitória, ele nunca acreditou que enfrentaria um adversário difícil e ficou satisfeito com o tempo que passou na Guerra do Santo Graal. Ele elogia a beleza da Lua e desaparece.
Fate/Grand Order Viajando com Santa Marta e Georgios, Sasaki Kojirou encontra Marie Antoinette, Chevalier d'Eon e Charles-Henri Sanson, que lhes dão a maioria de seus bolinhos como sinal de amizade. Depois, ele e os outros vão para as águas de Marselha com ele na esperança de que ele possa lutar com Martha.
Mais tarde, Sasaki come os bolinhos de massa com Georgios e Martha enquanto eles acampam perto da costa de Marselha. Ele então perguntou por Martha por que ele está acompanhando ela e Georgios, para quais respostas, como ele fez antes, que ele deseja lutar com ela. Depois de ser rejeitado por ela, Sasaki se pergunta se Martha não é lutadora como ela diz que não é, e então responde que ele é andarilho quando ela pergunta se ele é um samurai. Ele então se pergunta sobre Tarasque, e fica intrigado com o estilo de luta de Martha quando ela afirma que nem sua espada nem seus socos podem penetrar as escamas de Tarasque. Ritsuka Fujimaru, Mash Kyrielight e Artemis logo chegam no entanto, com Mash exigindo que eles se rendam. Sasaki e outros, mas Artemis revela que eles ainda estão escondendo alguns, com ele escondendo um bolinho raro no bolso. Com seu pobre engano revelado por Artemis, Sasaki luta contra o grupo com Georgios e Martha. Depois de derrotados pelo grupo, Sasaki e Georgios fingem desmaiar devido ao seu orgulho masculino, mas ambos acabam ficando inconscientes por Martha.
Sasaki Kojiro encontra Musashi após o duelo deste último com Munenori, e os dois guerreiros entrariam em seu duelo predestinado. Suas lâminas se chocam, e seu poder e habilidade são iguais. Ambas as espadas transcenderam o tempo e o espaço, mas sua existência e conceito são exatamente o oposto. O choque das existências e conceitos entre o Infinito de Kojiro e o Zero de Musashi cria um lugar infinito, ou talvez um lugar vazio, onde não há tempo, espaço, karma, bem ou mal. Uma situação que somente aqueles dois que colocam suas próprias almas em suas lâminas podem alcançar. Simultaneamente, os dois superam o Infinito. Os dois continuariam tentando se matar uma e outra vez por toda a eternidade. Não é o mundo real, e esse momento nunca será gravado ou parado para ninguém. Este lugar fica entre o mundo real e o mundo dos sonhos. Um lugar impossível onde Infinito e Zero podem se cruzar. Uma luta de espadas milagrosa que deveria durar para sempre, nunca chegando a sua conclusão. Mas, devido à presença de Ritsuka Fujimaru e à decisão de seu vencedor, Musashi conseguiu vencer o duelo contra Kojiro, a espada de Zero destruindo a espada do Infinito.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.07.08 18:42 YatoToshiro Fate/Gensokyo #3 Lancelot of the Lake (Berserker)


Fate/Zero - Fate/Grand Order - Fate/Extella Link
Anteriormente conhecido como Cavaleiro Negro, Berserker é um Servo que possui a capacidade de usar praticamente qualquer objeto como um Fantasma Nobre, permitindo que ele combata Gilgamesh em combate. Sua loucura o reduziu a um lutador irracional, embora perigosamente habilidoso. Apesar de sua insanidade, ele ainda é capaz de reconhecer instintivamente Saber. Quando Saber finalmente descobre a verdadeira identidade de Berserker, ela fica arrasada por suas decisões na vida e sua adesão à cavalaria terem causado tanto sofrimento a sua amiga mesmo depois de morrer.
Durante a batalha, é revelado que sua insanidade decorre de seu desejo esmagador de ser punido por seu adultério com Guinevere e seu próprio amor subconsciente por Saber, sua sanidade sendo devorada quando ele foi forçado a assistir o amor de sua vida jogar fora sua humanidade pelo bem do seu povo. Ele é morto por Saber quando ele está prestes a lhe dar um golpe mortal quando seu Mestre fica sem energia mágica no meio do caminho, e recupera sua sanidade mental em seus momentos de morte. Sua morte quase leva Saber à escuridão, quando ela fica decidida a conquistar o Graal de qualquer maneira.
Ele possui três fantasmas nobres, o primeiro dos quais é Para a glória de alguém: Não para a própria glória esboço borrado e seu status ilegível para outros mestres. Com o uso de um feitiço de comando, é possível usar o nevoeiro para permitir que Berserker imite a aparência de outra pessoa, embora se note que, se Lancelot tivesse sido convocado sob uma classe diferente, ele seria capaz de disfarçar livremente à vontade.
Cavaleiro de Honra: Um Cavaleiro Não Morre de Mãos Vazias - Fantasma Nobre. Se ele se apodera dos fantasmas nobres dos outros, ele os reivindica temporariamente como seus e sua classificação original é mantida, tornando-o o contador perfeito para os ataques de Archer. Seu último nobre fantasma, Arondight: A luz incessante do lago é uma espada mágica que, quando desembainhada, dissipa Para a glória de alguém e o Cavaleiro da honra, aumenta todos os seus parâmetros e lhe concede adicional proeza contra seres com um atributo de 'dragão' como o Saber.
Grand OrderOrleans: O Dragão Maligno Guerra dos Cem AnosrEle é aliado de Jeanne Alter e Gilles. Sanson e Lancelot estão juntos contra Ritsuka Fujimaru, Mash Kyrielight, Mozart, Jeanne e Marie Antoinette. Seus ataques são bloqueados por Mash. Quando Berserk Assassin ordena que Sanson e Lancelot se retirem, ele ignora a ordem e alveja especificamente Jeanne porque confundiu Jeanne com o rei Arthur. Quando ele é derrotado, ele chama o rei Arthur e afirma que está satisfeito com esse resultado.
Salomon: O Grande Templo do TempoLancelot junto com os outros Servos de Singularidade de "Orleans" e ajuda a Caldéia contra Navelius.
Em seu primeiro interlúdio Knight of Owner, Lancelot é levado a fazer um piquenique com Ritsuka e Mash. Embora Romani esteja preocupado por Lancelot ser Berserker, Mash diz que eles estão bem, pois ele é um Berserker compreensível. No entanto, novas conversas são interrompidas quando um monstro ataca o grupo, mas Mash é incapaz de usar seu escudo devido aos almoços de todos. Então Lancelot bloqueia o ataque do monstro com pauzinhos, então ele usa um log para lutar contra os monstros com Mash.
Em seu segundo interlúdio, For Someone's Glory, Lancelot se junta a Mash em uma simulação de batalha (secretamente nos parâmetros mais altos) como parte do plano de Romani de remover seu capacete. No entanto, suas habilidades de combate superam todos os melhores esforços de Romani para tirar o capacete. Frustrado por suas falhas, Romani acidentalmente revela em voz alta que todos queriam ver Lancelot sem o capacete. Cumprindo o pedido deles, Lancelot remove o capacete, mas For Someone's Glory os impede de ver seu rosto. Embora estejam decepcionados, Ritsuka e Mash esperam que Lancelot um dia revele seu rosto.
ExtellaLancelot foi Oraclized para ser um membro do Novo Sacro Império de Karl der Große.
Primeira RotaSe as forças de Hakuno interceptam as forças de Karl em Mare Origio, Lancelot aparece junto com Dario III e Medusa. Ele assume a forma de um Shadow Lancer, e se esconde entre os outros em um esforço para emboscar os Servos de Hakuno. Ele é finalmente descoberto e forçado a recuar por um tempo depois de ser derrotado em combate. Ele retorna mais tarde, quando Dario e Medusa recuam, mas ele é derrotado novamente.
Rota FinalLancelot está no comando em defesa de Carolus Patricius quando as forças de Hakuno o atacam. Ele repete a tática que fez na primeira rota, mas foi descoberto e forçado a recuar. Ele volta mais tarde, mas é derrotado novamente.
Outras Aparições do BerserkerCapsule ServantChibichuki!Fate/Ace RoyalGarden of AvalonKoha-Ace
Capsule ServantÉ um jogo paralelo incluído no lançamento em 2014 do PlayStation Vita de Fate /Hollow Ataraxia. Ele joga como um "jogo competitivo no estilo Tower Defense", com Masters e Servos de vários títulos da série Fate.
Chibichuki!Type-Moon Academy Chibichuki! é um mangá gag escrito por Hanabana Tsubomi. Possui numerosos personagens de várias obras de TYPE-MOON em um ambiente escolar.
Fate/Ace RoyalÉ um spin-off da revista Comp Ace publicado por Kadokawa Shoten.
Garden of AvalonGarden of Avalon é um romance escrito por Kinoko Nasu que foi lançado com o primeiro conjunto de caixas blu-ray do ufotable Fate/stay night: Unlimited Blade Works (Anime) em 25 de março de 2015.
Koha-AceKoha-Ace É um mangá de paródia de Keikenchi, licenciado pela TYPE-MOON e serializado no Comptiq desde 2012, abrangendo sete arcos a partir de janeiro de 2019.
Curiosidade: Fate/Grand Order
Em FGO O Lancelot além de ser um Berserker ele também é um Saber.

https://preview.redd.it/rv6022caxn951.png?width=350&format=png&auto=webp&s=cefeb3ea15b23ca7876b6a048e42e634cd64c5db
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.07.07 04:57 altovaliriano Stannis Baratheon (Parte 2)

No prólogo de A Fúria dos Reis vemos Stannis pela primeira vez. Sua austeridade e dureza são representados por suas roupas e palavras. Mas pouco se vê de seu senso de justiça e dever. Sua rispidez é a tônica geral da introdução do personagem.
A arrogância de Baratheon é contrastada pelo modo carinhoso como Cressen pensa no rei. A disparidade se acentua conforme o meistre oferece conselhos ponderados e, por lealdade, decide arriscar a própria vida para evitar a corrupção de Stannis.
Durante o capítulo, vemos Cressen perdendo lugar ao lado do rei, enquanto Melisandre ascende rapidamente. Fala-se abertamente em um projeto de poder que envolve magia e fratricídio. Por fim, Cressen sofre humilhações em público com a conivência do próprio homem que está tentando salvar.
Sendo o rei um homem vaidoso, ambicioso e suscetível, não é difícil detestar Stannis.
Porém, George está nos enganando.
Na cena em que o conhecemos, Stannis acaba de passar uma péssima madrugada com Davos. Nela, ele recebe um desastroso relato de que os senhores das Terras da Tempestade não apoiarão sua pretensão ao Trono de Ferro contra os Lannisters.
É como o preveni. Não se levantarão, Meistre. Por ele, não. Não gostam dele.
[…]
Não poderia lhe trazer alguma esperança?
Só do tipo falso, e eu não faria isso – Davos respondeu. – De mim, ouviu a verdade.
Portanto, se o leitor conhecesse minimamente o rei quando Cressen entra no Tambor de Pedra e o encontra sentado atrás da Mesa Pintada, saberia que suas palavras são decorrente de um orgulho ferido. A visão de Cressen entrando pela porta irrita Stannis não porque Baratheon o detesta, mas porque é um sinal de que a notícia de sua “humilhação” estava se espalhando:
– Eu sabia que você viria, velho, fosse convocado ou não […]. – Eu sabia que você descobriria em breve o que Davos tinha a dizer. É sempre assim, não é?
– Eu não lhe teria nenhuma utilidade se assim não fosse – Cressen respondeu. – Encontrei Davos na escada.
– E ele contou tudo, suponho. Devia ter encurtado a língua do homem junto com os dedos.
É uma péssima primeira impressão para o leitor. Além da linguagem corporal, a composição da cena passa a sensação de antagonismo. Depois de termos visto o renascimento dos dragões, de termos vislumbrado o nascimento da chance de Daenerys poder reclamar o Trono de Ferro, ver Stannis sentado na cadeira de Aegon planejando uma invasão a Westeros é a quintessência do usurpação. Os Baratheons não apenas tiraram de Daenerys o trono como o futuro enredo.
A situação de Stannis se emparelha com a de Daeneyrs por ambos perdido o trono e não terem forças suficientes para retomá-lo. Porém, uma avaliação mais profunda revela que, em contraste com Daenerys, Stannis está apenas reclamando de barriga cheia.
O novo rei tem milhares de homens de armas, dezenas de navios, algum dinheiro à disposição e diversos aliados nobres que reconhecem sua pretensão. Daenerys está sendo aconselhada por um espião e várias aliados incertos, enquanto Stannis está cercado de conselheiros em sua maioria extremamente leais. Além disso, Porto Real está a poucos dias de distância de Pedra do Dragão, ao passo que Daenerys está do outro lado do mundo.
Mesmo diante destas facilidades, Stannis se comporta como uma pessoa acuada, que desesperadamente dá ouvidos a planos de assassinato. De alguma forma, o novo rei lembra seu antecessor na mesa do pequeno conselho que, diante da notícia da gravidez de Daenerys, acatou as mais desonrosas sugestões para garantir o trono.
Entretanto, bastava olhar para Stannis para saber que ele não era igual ao irmão. A própria descrição física já deveria sinalizar que ele é a antítese de Robert. Enquanto a barba de Robert era uma “coisa emaranha, espessa e feroz”, Stannis “como que em resposta Stannis mantinha suas suíças bem aparadas”. Doze anos em Porto Real tornaram Robert cinquenta quilos mais gordo (AGOT, Eddard I), mas Stannis permanecera largo e forte com “bochechas secas e ossudas”. Portanto, enquanto para Robert o cargo era sinônimo de permissividade, para Stannis era sinônimo de responsabilidade.
De fato, em A Guerra dos Tronos, vimos em primeira mão como Robert delega todas as suas atribuições, enquanto Stannis, desde a primeira impressão, parece lidar pessoalmente com tudo. Curiosamente, essa impressão não vem apenas das palavras de Stannis (“Fiz parte de seu conselho durante quinze anos, ajudando Jon Arryn a governar o reino, enquanto Robert bebia e visitava prostitutas”), mas da menção ao briquismo do rei.
O ranger de dentes de Stannis pode parecer um detalhe aleatório. Contudo, o fato de que este hábito não é totalmente voluntário acaba por nos dar um insight sobre a mente de um personagem não-POV. Em outras palavras, o briquismo indica de que Stannis não é leviano em suas reclamações. As frustrações o afetam a nível subconsciente. Seu stress é constante.
As palavras de Cressen podem levar o leitor a pensar que o rei é apenas carrancudo. Afinal é dito que Stannis desde pequeno. Por exemplo, Lorde Steffon falava de trazer um bobo para ensinar Stannis a rir quando o garoto já tinha 14 anos. Mas somente no primeiro capítulo de Davos ficamos sabendo o quanto o novo rei é passional e permeável à dor.
Stannis fala que a experiência de ver o navio dos pais afundar o transformou. Cressen fala disso passageiramente no Prólogo, mas a profundidade do sentimento somente vem a tona depois:
Deixei de acreditar em deuses no dia em que vi o Orgulho do Vento quebrar-se do outro lado da baía. Jurei que quaisquer deuses que fossem monstruosos a ponto de afogar minha mãe e meu pai nunca teriam a minha adoração.
Robert estava ao lado de Stannis e não parece ter sido afetado pela experiência na mesma medida que Stannis. O fato de Stannis ainda guardar rancor do acontecido, aos quase 35 anos de idade, é revelador.
A evidência mais forte que Stannis não estava em seu estado normal durante a conversa no Tambor de Pedra pode ser vista em dois trechos. O primeiro acontece quando Cressen chama Stannis pelo pronome de tratamento correto e o rei encara como provocação:
Vossa Graça – Stannis rebateu amargamente. – Zomba de mim com o tratamento devido a um rei, mas sou rei de quê? Pedra do Dragão e um punhado de rochedos no mar estreito, eis o meu reino.
O segundo trecho que indica que há algo errado ocorre quando Cressen sugere prometer a Robb vingar a morte de Ned Stark, para que eles possam assim formar uma aliança:
Por que eu deveria vingar Eddard Stark? O homem não era nada para mim.
Não há nenhuma mentira nas palavras de Stannis, mas elas foram ditas em um arroubo de raiva. Com efeito, mais tarde, quando está mais calmo, Stannis diz justamente o contrário:
Não tenho qualquer dúvida de que Cersei teve um dedo na morte de Robert. Obterei justiça por ele. Sim, e por Ned Stark e Jon Arryn também.
(ACOK, Davos II)
Quando Cressen deixa a presença do rei, Stannis estava dando ouvidos ao papo de Selyse sobre Melisandre ter visto Renly morto nas chamas. No caminho de volta a seus aposentos, Cressen está alarmardo pelo que ouviu de Stannis e pela forma como está sendo afastado dos eventos. Isso dá ao leitor a falsa sensação de que algo está fora do prumo.
Entretanto, essa sensação é incorreta. Como bem descreve u/arthurmaia em um excelente texto para o portal Gelo & Fogo, Cressen não estava sendo excluído, nem Stannis estava sendo especialmente desagradável com ele. Nenhum dos outros conselheiros do rei havia sido convocado e Stannis é igualmente desagradável com Selyse quando ela aparece.
Eu ainda acrescentaria que o próprio Cressen comentou que Pylos estava ali para substituí-lo quando morresse. Portanto, a substituição de um pelo outro no banquete noturno não era nenhuma grande conspiração contra o velho meistre. Talvez uma desfeita bem leve por parte de Stannis, já que a substituição não ocorreria antes da morte de Cressen, mas ainda assim feita com boas intenções:
É culpa dele que o velho tenha morrido? – Stannis deu uma olhada para o fogo. – Nunca quis Cressen naquele banquete. Sim, ele tinha me irritado, tinha me dado maus conselhos, mas não o queria morto. Tive esperança de que lhe pudessem ser concedidos alguns anos de tranquilidade e conforto. Merecia pelo menos isso, mas… – rangeu os dentes – morreu. E Pylos serve-me com competência.
(ACOK, Davos I)
A urgência de Cressen parece ter sido despertada pela convergência dos fatos. A eclosão da guerra, morte de Robert, Stannis e Renly prestes a se enfrentarem, acúmulo de eventos naturais augorentos e Melisandre conqustando mentes e corações em Pedra do Dragão. Como homem responsável pela criação dos Baratheon e por ser um meistre da Cidadela, é natural que Cressen sinta-se aflito e no dever de se envolver em todas estas questões.
Todavia, a forma como o velho meistre joga toda a culpa da questão em Melisandre é muito precipitada. É claro que não sabemos a quanto tempo ele deve estar testemunhando Melisandre enchendo a cabeça dos ilhéus de Pedra do Dragão e da Senhora Selyse. Ainda, Martin escolhe justamente o momento da conversão de Stannis para nos apresentar à situação, o que agrava a sensação de “causa perdida”.
Stannis, contudo, também está mostrando sinais de desespero com a falta de apoio para sua pretensão. A mulher vermelha não havia conseguido chegar até Stannis (e ficamos sabendo em seu POV em Dança dos Dragões o quanto ela trabalhou para conseguir se aproximar dele).
Assim, enquanto Cressen corria de um lado para evitar que Melisandre tonificasse as ambições de Stannis e levasse irmão a matar irmão, Stannis estendia a mão à mulher de Asshai como quem tinha pouco a perder. O banquete da noite seria aos vassalos e a Melisandre, portanto aquele era o momento tão esperado para a sacerdotiza “vender o seu pão”. Stannis deveria estar bem ciente disto.
Por esta razão que a entrada de Cressen no recinto veio como uma visita inesperada e incômoda. Tudo piora quando o meistre passa a antagonizar com Melisandre quando a feiticeira o estava ajudando a se levantar. Fica ainda pior quando Cressen, em público, o chama de Lorde ao invés de Rei. Aconselhar o rei em público sobre fazer comum com Starks e Arryns é ainda mais constrangedor. Negar o poder do Deus ao qual o rei está querendo se converter também não ajuda a imagem de Stannis.
Quando Cressen está claramente fazendo papel de tolo, Selyse ordena que Cressen volte a utilizar o elmo do bobo. Somente quando Cara-Malhada não entregue o balde é que Stannis interveem:
Sim – concordou a Senhora Selyse. – O elmo do Malhada. Cai bem em você, velho. Volte a colocá-lo, eu ordeno. [...]
Os olhos de Lorde Stannis estavam na sombra das suas pesadas sobrancelhas, sua boca, apertada, enquanto o maxilar trabalhava em silêncio. Rangia os dentes sempre que se zangava.
Bobo – ele rosnou por fim –, a senhora minha esposa ordena. Dê o elmo a Cressen.
Como era de se esperar, o velho meistre ficou horrorizado com Stannis ter feito parte da gozação para com ele. Stannis não deu a mesma ordem que Selyse, é verdade. A julgar por suas palavras, o rei estava mais incomodado de ver a rainha desobedecida do que participando da brincadeira. Mas com esta atitude ambígua por parte de Stannis, GRRM testa os limites da farsa que está montando. Talvez por isso que Martin fez com que Baratheon se redimisse logo a seguir:
Talvez ele deva, daqui para a frente, cantar os seus conselhos – disse a Senhora Selyse.
Foi longe demais, mulher – repreendeu-a Lorde Stannis. – É um velho, e serviu-me bem.
Com a morte de Cressen, o plano de evitar a conversão do rei ao R’hllorismo falha absolutamente. Na verdade, Cressen acaba dando palco para que Davos ficasse ciente dos poderes da mulher de Asshai e passasse a temê-la também. Da parte de Stannis, a morte de Cressen, de tão inexplicável, pareceu decorrer de sua idade.
Não é afirmado qual foi o veredito de Pylos sobre a morte do velho. Mas uma vez que era o novo meistre era bem jovem, possivelmente não deve ter detectado um veneno tão específico como o estrangulador (no caso de Joffrey, a idade e o conhecimento de Pycelle devem ter ajudado o diagnóstico).
Por outro lado, Stannis já estava substituindo Cressen por Pylos. É possível até que goste mais do rapaz “solene” e “sempre correto” do que do velho meistre. Cressen pensava em formas de tornar Pedra do Dragão um lugar mais leve, mas Stannis provavelmente pensava o contrário. “Pylos serve-me com competência”, disse o rei. E para Stannis, competência era metade do caminho andado.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.06.20 03:39 SageManeja COMPILACIÓN: Las noticias que incomodaron al gobierno en 2020

>Dolores Delgado, ex Ministra de Justicia del PSOE y con contactos en el hampa judicial y Villarejo es colocada al frente de la Fiscalía General del Estado.https://elcorreodeespana.com/article.php?idarticulo=906119187&url=La-legal-designacion-de-Dolores-Delgado-para-dirigir-la-Fiscalia-General-del-Estado-Por-Diego-Fierro-Rodriguez&sub=opinion
>Ábalos es pillado in fraganti reuniéndose con la número 2 del chavismo que tiene prohibida la entrada en la Unión Europea por crímenes contra la humanidad. Al ser cazado miente reiteradamente dando diversas versiones contradictorias entre sí.https://www.20minutos.es/noticia/4131371/0/abalos-delcy-rodriguez-bajo-avion-no-dimitira/
>Niños tutelados por el Gobierno autonómico de PSOE y Podemos de un centro de menores son prostituidos durante años. Al solicitar dos investigaciones votan en contra.https://www.diariodeibiza.es/pitiuses-balears/2020/01/25/educadores-denuncian-ninas-tuteladas-han/1118420.html
>El PSOE vota en contra de que la Eurocámara persiga los crímenes de ETA tras sus pactos con Bildu. 300 asesinatos sin resolver de la banda terrorista.https://www.elespanol.com/espana/politica/20200122/psoe-eurocamara-persiga-crimenes-eta-pactos-bildu/461704276_0.html
>Altos cargos de la Junta de Andalucía (Chaves, Griñan...) son condenados por el caso ERES, mayor caso de corrupción de Europa occidental. 680 millones de latrocinio. Parte del dinero de los parados acabó en puticlubs y cocaína.https://www.esdiario.com/903360443/La-sentencia-de-los-ERES-condena-a-todo-el-PSOE-y-marca-a-Sanchez-como-a-nadie.html
>La Fiscalia de la ex Ministra Delgado, ahora Fiscal General del Estado archiva la causa por organización ilícita a Infancia Libre por ser una red de denuncias falsas y de secuestro de menores.https://elpais.com/sociedad/2020/01/31/actualidad/1580473516_178592.html
>De manera fraudulenta el PSOE excluyó de la Comisión Europea al tercer partido del país (VOX) dando puestos a partidos mucho menos votados como C's, PNV y UP. La Comisión protestó por antidemocrático.https://es.panampost.com/mamela-fiallo/2020/01/28/gobierno-vox-consejo-europa/
>Victoria Rossel (Podemos) propone aplicar el artículo 155 CE de intervención de la autonomía sobre Murcia por el PIN parental.https://www.elmundo.es/espana/2020/01/20/5e25931bfc6c83bf798b4638.html
>María Jesús Montero congela las cuentas de las CCAA y no les pagará los 2.500 millones que les debe. El portazo del Gobierno a pagar el dinero pendiente de la liquidación del IVA de 2017 ha hecho estallar a las regiones. Son 650 Millones.https://www.abc.es/economia/abci-regiones-molestas-hacienda-retencion-6500-millones-201907150138_noticia.html
>Irene Montero presta a condenar casos de agresión sexual sin que haya habido aún juicio (siempre que los autores sean hombres y españoles) pide prudencia en el caso de las menores prostituidas en el centro tutelado por su partido y el PSOE en Mallorca.https://www.elespanol.com/espana/politica/20200123/montero-pide-ahora-prudencia-menores-prostituidas-investigando/461954800_0.html
>El Tribunal de Cuentas requirió a Unidas Podemos justificar 36 facturas del 28-A por 1,6 millonesNeurona Comunidad incumplió la Ley Orgánica del Régimen Electoral al no facilitar el detalle de su facturación.https://www.elmundo.es/espana/2020/02/02/5e36ff57fc6c83a12a8b459b.html
>El Gobierno de la "transición ecológica" se deja 28 millones en carbón para HunosaLa empresa pública ha contratado el suministro de 120.000 toneladas de carbón para 2020 y otras 120.000 para 2021https://www.vozpopuli.com/economia-y-finanzas/gobierno-emergencia-climatica-28-millones-carbon-hunosa_0_1323768128.html
>Fernando Grande-Marlaska incentiva permisos carcelarios en un guiño a Bildu. En el ámbito penitenciario lo consideran una medida política que está pensada para favorecer a los presos de ETA.https://www.elmundo.es/espana/2020/02/03/5e36d500fc6c83c4148b469b.html
>Podemos escondió la muerte de un empleado durante la campaña del 10-N cuando trabajaba en la producción de un mitin de Pablo Iglesias. Se negaron a explicar las causas.https://www.elconfidencial.com/espana/2020-02-03/podemos-trabajador-muerte-palma-comite-de-empresa_2434644/
>Podemos pagó 50.000€ a la exescolta de Irene Montero nada más tomar posesión para evitar el juicio por explotación laboral y despido improcedente. La usaban de recadera, la mandaban a hacer biberones y a calentar el coche antes de que se montara, etc.https://www.elconfidencial.com/espana/2020-01-15/irene-montero-acuerdo-escolta-acuerdo-evitar-juicio-920_2411388/
>Bloqueo de Hacienda de los préstamos del Banco Europeo de Inversiones a Murcia por valor de 320 millones previstos para recuperar el Mar Menor. María Jesús Montero se escuda en la Ley de Estabilidad para camuflar el castigo a PP/C'shttps://www.elmundo.es/opinion/editorial/2020/02/05/5e39bc4cfc6c8387558b459a.html
>Renfe readmite a un exdirigente del PSOE en Madrid condenado por las tarjetas black, Francisco José Pérez Fernández, condenado en firme por el Tribunal Supremo. La empresa pública, que depende del Ministerio de Fomento (Ábalos).https://www.eldiario.es/economia/Renfe-exdirigente-PSOE-Madrid-condenado_0_942805915.html
>El PSOE rechaza de nuevo la comisión de investigación sobre los abusos a menores tutelados en Baleares. Los socialistas votarán en contra de la propuesta presentada en el Parlament por Cs y Vox y alega que debe trabajar "la parte técnica"https://www.elmundo.es/baleares/2020/02/05/5e3b06d0fc6c839a618b461b.html
>El PSOE maniobra para evitar que el 'Delcygate' se debata en la Eurocámara. El PSOE ha intentado que la reunión entre José Luis Ábalos y Delcy Rodríguez, en el aeropuerto de Madrid no se aborde en el pleno de la Eurocámara en Estrasburgo.https://www.vozpopuli.com/politica/PSOE-maniobra-Delcygate-no-debata-Eurocamara_0_1325568344.html
>Sánchez nombra delegado del Gobierno en Murcia a un imputado por prevaricación y malversaciónhttps://www.elmundo.es/espana/2020/02/11/5e42d63a21efa05b088b4589.html
>Escándalo en Badajoz: el PSOE aumenta a 200.000€ el presupuesto para las óperas del hermano de Sánchezhttps://altavozdesucesos.es/escandalo-en-badajoz-el-psoe-aumenta-a-200-000e-el-presupuesto-para-las-operas-del-hermano-de-sanchez/
>Los 64.000 vídeos porno de niños y bebés del concejal del PSOE de Torrejón de Ardoz detenido. Marcos Gallego, concejal por el PSOE en Torrejón de Ardoz, ha sido detenido por tenencia y distribución de pornografía infantil. forma parte de una macrooperaciónhttps://www.elespanol.com/reportajes/20190919/videos-porno-concejal-psoe-torrejon-ardoz-detenido/430457078_0.amp.html
>El Gobierno trabaja ya en la reforma del Código Penal a medida de Junqueras que permitirá rebajar las penas a los líderes del procés condenados en sentencia firme por la Sala Segunda del Tribunal Supremo el pasado mes de octubre.https://www.elmundo.es/espana/2020/02/17/5e498cfafc6c83d0378b46e8.html
>El PSOE purga a Fernando Garea, Director de la agencia EFE para colocar a Gabriela Cañas, activista de izquierdas que pedía el voto a las izquierdas y retwiteaba a la cuenta del PSOE.https://www.abc.es/sociedad/abci-pedro-sanchez-destituye-fernando-garea-como-presidente-agencia-202002171248_noticia.html
>Sánchez da cero ayudas a Murcia (Gobierno de derechas) por la borrasca Gloria tras ver los daños en helicóptero y las concede a Cataluña, Baleares y Valencia (Gobiernos de izquierda)https://www.elmundo.es/economia/2020/02/19/5e4be30121efa0c46a8b465a.html
>Detectan también en Menorca presuntos casos de menores tuteladas explotadas sexualmente. PSOE, MÉS y Unidas Podemos rechazan que se cree una comisión de investigación.https://www.abc.es/sociedad/abci-consell-menorca-reconoce-tambien-habido-isla-menores-tuteladas-explotadas-sexualmente-202002181948_noticia.html#vca=rrss-inducido&vmc=abc-es&vso=tw&vli=noticia-foto
>Interior preparó la llegada de Delsy Rosriguez 24 horas antes, demostrando que estaban al corriente de que llegaba la número 2 del régimen de Chávez e ignorando la prohibición de la Unión Europea. Aún no han dimitido ni Ábalos ni Grande Marlaska.https://www.antena3.com/noticias/espana/interior-preparo-la-llegada-de-delcy-rodriguez-a-barajas-24-horas-antes_202002205e4e2edb0cf25d1f43ccf766.html
>Una concejal socialista de Canarias propone la castración química de recién nacidos ante alumnos adolescentes.https://www.elespanol.com/sociedad/educacion/20190607/investigada-profesora-psoe-afirmo-castrar-ninos-nace404459802_0.html
>El Gobierno presionó a Merkel y a Macron para no recibir a Juan Guaidó. .https://www.abc.es/internacional/abci-moncloa-y-exteriores-intentaron-macron-y-merkel-no-recibieran-guaido-202002202252_noticia_amp.html?__twitter_impression=true
>Ábalos coloca en el ministerio a la mujer de su asesor Koldo (ex portero de puticlub), pieza clave en el Delcygatehttps://www.elconfidencial.com/espana/2020-02-25/jose-luis-abalos-delcy-coloca-ministerio-transportes-mujer-asesor-koldo-venezuela_2466568/
>El PSOE se reúne con ERC y Bildu para asegurarse su apoyo al límite de estabilidad presupuestaria.https://www.elespanol.com/espana/politica/20200226/psoe-erc-bildu-asegurarse-limite-estabilidad-presupuestaria/470454250_0.html
>Iglesias elimina el tope salarial de los cargos de Podemos y el límite de mandatos en el partido. Era una de sus medidas características para "vivir como los gobernados" y entra así en lo que denominaban casta.https://www.elespanol.com/espana/politica/20200301/iglesias-elimina-salarial-cargos-podemos-mandatos-partido/471453465_0.html?utm_term=Autofeed&utm_campaign=Echobox&utm_medium=Social&utm_source=Twitter#Echobox=1583085581
>Seis detenidos por prostitución y secuestro de menores tuteladas en La Rioja con Gobierno del PSOE (Concepción Andreu) en un caso similar al Balear.https://www.abc.es/sociedad/abci-seis-detenidos-prostitucion-y-secuestro-menores-tuteladas-202003070224_noticia.html

¡Llegó el COVID a españa! Veamos que se le ocurre al gobierno

>El Gobierno reconoce que horas antes del 8M sabía que el coronavirus se había disparado en Madrid.https://www.20minutos.es/noticia/4204790/0/gobierno-reconoce-foco-contagio-madrid-coronavirus-finales-febrero/
>Sánchez, en plena crisis del coronavirus 'riega' con 4.200 millones a Cataluña y 'guarda' los 2.500 del IVA.https://www.eleconomista.es/economia/noticias/10345612/02/20/Sanchez-riega-con-4200-millones-a-Cataluna-y-guarda-los-2500-del-IVA.html
>El Gobierno comparó el coronavirus con una gripe común, acuso de conspiranóicos a los que avisaron de su peligro, convocaron el 8M con 100.000 asistentes, dejaron entrar viajeros de países de riesgo, dijeron que no había que tomar medidas o que sólo había que lavarse las manos.https://pbs.twimg.com/media/ETQNyL0WoAgAR2i?format=jpg&name=small
>China asegura que el Gobierno de España compró los test rápidos que no funcionan a una empresa sin licencia (ratio de acierto del 20-30%) por valor de 432 millones de euros.https://www.abc.es/sociedad/abci-china-asegura-gobierno-espana-compro-test-rapidos-no-funcionan-empresa-sin-licencia-202003261225_noticia.html
>Sánchez no decretó el estado de alarma hasta que Tezanos confirmó que la ciudadanía lo pedía. Pasaron 43 días hasta que el Gobierno decidió declarar el estado de alarma desde que se conocieran los primeros casos en España, a finales de enero.https://www.larazon.es/espana/20200326/jbhjks7u3fbybbz4d6bod3ggqe.html
>Sanidad se niega a revelar a quién compró los test defectuosos fabricados en Chinahttps://www.elconfidencial.com/espana/2020-03-26/tests-rapidos-fallidos-compra-comisionista_2520536/?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_campaign=ECDiarioManual
>Fernando Simón ocultó a las CCAA los informes que alertan del peliggro de las aglomeracioneshttps://www.elmundo.es/espana/2020/06/04/5ed4b668fc6c83e95e8b4638.html
>El Gobierno restringe las autopsias, las muertes de infectados sin test no seran contadashttp://www.radiointerior.es/index.php?op=noticia&id=55449
>La crisis del sanitaria provoca la pérdida de 900.000 empleos desde el inicio del estado de alarma, elevando la cifra de parados a 3,5 millones.https://elpais.com/economia/2020-04-02/la-seguridad-social-pierde-833000-afiliados-y-el-paro-sube-en-mas-de-300000-personas-en-el-peor-mes-para-el-empleo.html
>Turquía requisa los respiradores de España para sus propios enfermos y el Gobierno los da por perdidoshttps://www.elmundo.es/espana/2020/04/03/5e862ebd21efa06d7c8b461f.html
>Condenan a un exalcalde socialista a siete años de cárcel por distribuir porno con bebés. Luis Serna aún era portavoz municipal en Calpe cuando se descargó medio millón de ficheros de pedofilia.https://www.abc.es/espana/comunidad-valenciana/abci-condenan-exalcalde-socialista-calpe-siete-anos-carcel-distribuir-porno-bebes-202004031926_noticia.html#vca=rrss&vmc=abc-es&vso=tw&vli=cm-general&_tcode=dmZhOWc0
>El Gobierno rechaza desvelar el nombre del distribuidor al que compró los 50.000 tests chinos defectuosos y que no tenía licencia en un lote que alcanzaba los 432 millones de euros.https://www.vozpopuli.com/sanidad/gobierno-nombre-distribuidor-test-defectuosos-china_0_1344765941.html?utm_content=buffere79fb&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_campaign=buffer
>El CIS ficha a dedo a la empresa que hacía los sondeos para Tezanos en la revista del PSOE. El decreto de alarma permite contratar sin licitación pública.https://www.elconfidencial.com/espana/2020-04-15/cis-tezanos-barometros-intercampo-revista-temas_2550399/
>El Jefe del Estado Mayor asegura que trabaja por orden de Marlaska para "minimizar" el impacto negativo que generan las críticas al Gobierno, atentando contra la libertad de expresión.https://www.abc.es/espana/abci-jefe-estado-mayor-dice-guardia-civil-dice-trabaja-para-minimizar-criticas-gobierno-202004191732_noticia.html
>Un informe del Institute of Certified Management Accountants sitúa la gestión española del coronavirus como la peor del mundo. El estudio tiene en cuenta elementos como la calidad de los datos o la transparencia de las instituciones.https://www.elconfidencial.com/espana/2020-04-21/un-informe-situa-la-gestion-espanola-del-coronavirus-como-la-peor-del-mundo_2559111/
>El Gobierno paga 116 millones de euros en tres contratos al proveedor de las mascarillas defectuosas. Hangzhou Ruining Trading vendió más de 5 millones de trajes de protección sin marca a España.https://www.abc.es/sociedad/abci-gobierno-paga-116-millones-euros-tres-contratos-proveedor-mascarillas-defectuosas-202004222121_noticia.html#vca=rrss&vmc=abc-es&vso=tw&vli=cm-general&_tcode=cGpvODAx
>El Gobierno maquilla las cifras de test para aparecer mejor en el ránking de la OCDEhttps://www.abc.es/sociedad/abci-coronavirus-gobierno-sanchez-engorda-cifras-test-para-aparecer-mejor-ranking-ocde-202004271920_noticia.html#vca=rrss&vmc=abc-es&vso=tw&vli=cm-general&_tcode=dXY0Zm0y
>La Guardia Civil también tomaba medidas de protección contra el coronavirus a finales de enero, pero el Gobierno hizo caso omiso de todos los avisos. A fecha de 04/05/2020 hay más de 25.000 españoles muertos, pero se sospecha una cifra más elevada.https://www.elmundo.es/espana/2020/05/03/5eaef305fdddff28048b4616.html
>Sanidad compra material contra el Covid-19 a una empresa con “dirección desconocida".
https://www.vozpopuli.com/espana/gobierno-sanidad-contratos-direccion-proveedores-coronavirus_0_1351965910.html
>Sanidad compro batas de china 8000% más caras que las españolas
https://elcierredigital.com/investigacion/175547070/sanidad-pelotazo-batas-proveedores-chinas.html
>El segundo gran proveedor del Gobierno está vinculado a los «papeles de Panamá». Hongkong Travis Asia, registrada en mayo de 2019 con 1172 euros de capital, ha vendido a Sanidad material por 245 millones de euros duplicando y triplicando precios de mercadohttps://www.abc.es/espana/abci-segundo-gran-proveedor-gobierno-esta-vinculado-papeles-panama-202005032052_noticia.html
>El Gobierno confió a Interpharma la compra de los 650.000 test fallidoshttps://www.abc.es/sociedad/abci-gobierno-confio-interpharma-compra-6500000-test-fallidos-202004220418_noticia.html
>La Policía recibió una orden del Gobierno de identificar a quienes llevaran una bandera de España en su cochehttps://www.cope.es/programas/herrera-en-cope/noticias/policia-recibio-una-orden-del-gobierno-identificar-quienes-llevaran-una-bandera-espana-coche-20200504_704408
>Desde que Pedro Sánchez fue investido el pasado mes de enero, el Ejecutivo acumula en cuatro meses 25 excepciones de altos cargos nombradas a dedo y salvando la exigencia de que fueran funcionarios de carrera como establece la ley.https://www.elmundo.es/espana/2020/05/04/5eb0514dfdddffac3a8b4607.html
>El Gobierno desoyó a la OMS cinco veces en febrero. Sanidad obvió las llamadas a hacer acopio de material cuando más efectivo era: al inicio de la crisis.https://www.elmundo.es/espana/2020/04/02/5e862a5121efa005338b465b.html

>Ábalos adjudica un segundo contrato de 12'5 millones en mascarillas al desconocido proveedor con actividad en Angolahttps://www.vozpopuli.com/espana/abalos-mascarillas-desconocido-proveedor-Angola_0_1354065232.html
>El Tribunal de Cuentas detecta 25 errores por valor de 9.000 millones en el primer ejercicio del Gobierno de Sánchez, más del doble del gasto destinado a Sanidad en el ejercicio 2019 (4.251 millones de euros).https://www.elmundo.es/economia/2020/05/15/5ebd849efdddfff8588b45fd.html
>Sanidad conocía en febrero el riesgo "moderado alto" de brotes como en Italia, que ya había suspendido manifestaciones, eventos o competiciones deportivas.https://www.europapress.es/nacional/noticia-sanidad-conocia-febrero-riesgo-moderado-alto-brotes-italia-ya-suspendido-manifestaciones-20200518185012.html
>Pedro Sánchez ocultó a sus ministros la negociación de la reforma laboral con Bildu.https://www.elmundo.es/espana/2020/05/21/5ec67cf9fdddff04938b45f8.html
>El proveedor de confianza de Ábalos pasa de facturar 100.000 euros en un año a 40 millones gracias al Gobierno.https://www.vozpopuli.com/espana/proveedor-abalos-dispara-facturacion-soluciones-gestion_0_1357065559.html?utm_content=buffer1dc45&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_campaign=buffer
>Marlaska fulmina al coronel Pérez de los Cobos como jefe de la Comandancia de la Guardia Civil en Madrid "por falta de confianza" por no informarle sobre una investigación en la que era ilegal informarle.https://www.eleconomista.es/politica/noticias/10563494/05/20/Marlaska-fulmina-al-coronel-Perez-de-los-Cobos-como-jefe-de-la-Comandancia-de-la-Guardia-Civil-en-Madrid-por-falta-de-confianza.html

>La ministra de Igualdad, Irene Montero, reconoció un día después del 8M que la bajada de participantes se debió «al coronavirus», dado el «sentimiento generalizado de pánico que ya hay». Montero dijo que no lo iba a reconocer en público. Incluye vídeo:https://www.abc.es/espana/abci-irene-montero-bajada-cifras-debido-coronavirus-pero-no-decir-202005312306_video.html#vca=rrss&vmc=abc-es&vso=tw&vli=cm-general&_tcode=bHpqbHIy
>Grande-Marlaska descarta dimitir y niega, pese a las evidencias, haber interferido en el trabajo de la Guardia Civil.https://www.elmundo.es/espana/2020/06/02/5ed66684fdddff11b48b45c1.html
>A fecha 03/06/2020, el INE eleva a 48.000 las muertes de españoles en la pandemia con datos de todos los registros. Los datos oficiales del Gobierno hablan de 27.127 tras eliminar 2.000 muertes de la noche a la mñana sin justificar causa.https://www.elconfidencial.com/espana/2020-06-03/muertes-coronavirus-espana-exceso-mortalidad-ine_2622395/?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_campaign=ECDiarioManual
>La juez tuvo que ordenar a la Guardia Civil que se personara en Sanidad porque Simón no entregaba los informes.https://www.elindependiente.com/politica/2020/06/04/la-juez-tuvo-que-ordenar-a-la-guardia-civil-que-se-personara-en-sanidad-porque-simon-no-entregaba-los-informes/?utm_source=share_buttons&utm_medium=twitter&utm_campaign=social_share2
>Sanidad envió «por error» un borrador del protocolo para no derivar a hospitales a ancianos con discapacidad.https://www.abc.es/espana/madrid/abci-sanidad-admite-envio-error-protocolo-indicaba-no-derivar-hospitales-ancianos-discapacidad-202006041727_noticia.html#vca=rrss&vmc=abc-es&vso=tw&vli=cm-general&_tcode=c2Rtb2oy
>La 'trama Púnica' financió con un millón en negro al PSOEhttps://www.elmundo.es/espana/2020/06/08/5edd08bb21efa09a7f8b4577.html
>Las actas de ETA revelan que Zapatero informó al mediador de que Francia preparaba un golpe importante contra la banda.https://www.europapress.es/nacional/noticia-actas-eta-revelan-zapatero-informo-mediador-francia-preparaba-golpe-importante-contra-banda-20190530174204.html
>La jueza del 8-M acusa al Gobierno de entorpecer la investigación. Desoye a la Abogacía del Estado y a la Fiscalía, rechaza la nulidad de la causa y mantiene la citación de mañana como investigado del delegado del Gobierno Ricardo Coarasa.https://www.larazon.es/espana/20200609/amjvfogqkjdwphxp7wulxfp4km.html
>Los geriátricos pidieron sin éxito ayuda al 'número dos' de Pablo Iglesias. La patronal de residencias de ancianos se reunió el 13 de mayo con Nacho Álvarez para solicitar más coordinación y financiación.https://www.elmundo.es/espana/2020/06/15/5ee7bd8f21efa0d6328b45a7.html
>Sánchez ordena al PSOE madrileño dejarse de escrúpulos y destruir a Ayuso. Sánchez quiere ir contra ella con toda la artillería del Gobierno y del partido por las muertes en las residencias. No soporta que Gabilondo esté siendo tan blando.
https://elpais.com/espana/2020-06-14/el-psoe-endurecera-su-oposicion-en-madrid-por-el-escandalo-de-los-geriatricos-y-el-apartahotel-de-ayuso.html
>El Supremo reclama al Gobierno información sobre el decreto que incluyó a Pablo Iglesias en la comisión de control del CNI
https://www.elconfidencialdigital.com/articulo/seguridad/supremo-reclama-gobierno-informacion-decreto-incluyo-pablo-iglesias-comision-control-cni/20200616133859146796.html
submitted by SageManeja to SpainPolitics [link] [comments]


2020.06.07 03:18 alforo_ La derecha española se moviliza al son del idiota social

Mientras Madrid resiste al coronavirus, la ciudad muestra sus desigualdades, carencias y distintas formas de habitarla. Barrios burgueses viven el confinamiento como si se tratase de una prisión. Se sienten atrapados en sus casas de cientos de metros cuadrados o en sus chalets con amplios jardines y servicio doméstico. No aceptan la cuarentena, buscan culpables y lo encuentran en adjetivar el gobierno como un régimen filo-comunista, bolivariano y terrorista. Cansados de ser tratados como iguales ante la ley, aducen a sus derechos individuales para violar las normas que rigen el estado de emergencia.
Ellos pueden hacer y deshacer a su antojo. No les pidan responsabilidad social. La pandemia no va con ellos. En una Comunidad Autónoma como Madrid, gobernada desde hace décadas por la derecha, la cifra de muertos por coronavirus alcanza ya 19 mil 175 personas, de las cuales 5 mil 972 son ancianos fallecidos en sus residencias. Los señoritos, hasta ahora intocables, miran hacia otro lado. Se retratan. Su actitud ha sido renegar de cualquier muestra de reconocimiento al personal sanitario y de paso a lo público. No participan de los aplausos que se producen día tras día a las 20 horas para honrar a los muertos y apoyar la sanidad pública.
La derecha madrileña vive en su mundo. Ellos no dan palmas. ¿Por qué deben salir a sus balcones a mostrar su respeto a los trabajadores de los servicios esenciales que han mantenido en pie el abastecimiento de la ciudad? ¿A los del trasporte público, supermercados, farmacias o gasolineras? No hay motivo. Eso sería tanto como proteger el bien común.
Su razonamiento es otro. Se les ha privado de la libertad de movimientos. Se consideran rehenes de un Estado totalitario. Y las analogías no faltan. Sus ideólogos no pierden el tiempo para movilizar al idiota social. Vargas Llosa, Aznar, Casado, Rivera, acompañados de las autoridades locales emprenden una nueva cruzada. En Madrid su alcalde, Díaz Almeida, y la presidenta, Díaz Ayuso, se han trasformado en adalides del idiota social. Ellos los consideran un referente. Solicitan que se manifiesten y rompan el sistema carcelario, dirán, impuesto por un gobierno que busca acabar con la economía de mercado.
Promovidas por la derecha, violando las normas mínimas de salud impuestas en cuarentena, sushuestes buscan notoriedad. En sus afiebrados actos, como idiotas sociales, no respetan la distancia de seguridad, ni son capaces de entender que su comportamiento pone en riesgo la vida de los demás. Van a lo suyo. Hacen ruido, mucho ruido, golpean cacerolas, a la par que gritan consignas pidiendo la dimisión del gobierno, dan vítores a las fuerzas armadas y sus equipos de música emiten marchas militares, acompañadas del himno nacional. Ondean banderas, y se cubren el cuerpo con ellas. Portan cristos, celebran misas y rezan pidiendo a Dios les conceda sus peticiones.
Reclaman acabar con el confinamiento. Quieren ir de compras, comer en los restaurantes con estrellas Michelin, pasear por la Milla de Oro, consumir y sobre todo explotar a sus trabajadores, con el pretexto de retomar la actividad productiva y empresarial. Se consideran los únicos damnificados. No tienen conciencia social ni sentido del bien común, les mueve el egoísmo, el odio y la codicia. Aprovechan cualquier situación para expresar su descontento e inundar las redes de noticias falsas. Todo es válido si el objetivo, hacer caer el gobierno, se consigue. No les preocupan los miles de víctimas del Covid-19, consecuencia de un sistema sanitario debilitado por lasprivatizaciones y residencias de la tercera edad, donde la finalidad ha sido siempre ganar dinero.
Los mayores son un buen negocio. Hay que explotarlo. La democracia es cuestión de pobres. Son los muertos de hambre, los sin techo, sin trabajo, los jubilados, los trabajadores a tiempo parcial, con contratos basura quienes exigen cambios y políticas públicas de calidad. Ellos, por el contrario, son gente de bien, empresarios, emprendedores. Sus barrios cuentan con zonas verdes, centros comerciales, cines, teatros, restaurantes de lujo, colegios y clínicas de uso exclusivo. Gozan de un servicio de recolectores de basuras ad-hoc, sus calles están iluminadas y una policía complaciente les rinde pleitesía. Ahora demandan recuperar lo que han dejado de ganar.
Ellos no solicitan las migajas del pastel, se sienten dueños del pastel. Por eso se manifiestan. Así, las derechas del mundo movilizan al idiota social, cuya característica esencial es no poseer un ápice de inteligencia. Fácilmente manipulable hace lo que se le ordena. Incapaz de ejercer el juicio crítico y la reflexión, simplemente actúa como parte de un rebaño. En conclusión, respetar el bien común, preocuparse por sus conciudadanos, es cosa de necios. Así, un ejército de idiotas sociales recorre el mundo como expresión de una derecha que ha perdido los papeles y sólo le interesa la política de cuanto peor, mejor. Ellos salvarán a la patria.https://www.lahaine.org/est_espanol.php/la-derecha-espanola-se-moviliza
submitted by alforo_ to podemos [link] [comments]


2020.05.20 07:28 Neobiblismo La personalidad de los Discípulos de Jesucristo.

8) El libre albedrío humano frente a la voluntad de Dios.
El libre albedrío humano es posterior, primeramente existe solo la voluntad de Dios: “Tomó, pues, Jehová Dios al hombre, y le puso en el huerto de Edén, para que lo labrara y lo guardase. Y mandó Jehová Dios al hombre, diciendo: De todo árbol del huerto comerás; Mas del árbol de ciencia del bien y del mal no comerás de él; porque el día que de él comieres, morirás” (Génesis 2.15 al 17 – RVR1909). Hasta aquí había solamente el mandamiento o mandato de Dios, la única elección u opción del ser humano es obedecer con gratitud. Dios ordena el hacer su voluntad, mientras tanto, el libre albedrío humano se introduce hasta que la serpiente astuta lleva a cabo su malvado plan y trama perturbadora: “Empero la serpiente era astuta, más que todos los animales del campo que Jehová Dios había hecho; la cual dijo á la mujer:… Mas sabe Dios que el día que comiereis de él, serán abiertos vuestros ojos, y seréis como dioses sabiendo el bien y el mal” (Génesis 3.1 y 5 – RVR1909).
La astucia y estrategia de la serpiente para hacer prevalecer la desobediencia y rebeldía, es introducir el surgimiento del libre albedrío como mentira para engañar al ser humano y facultar su justificación del libertinaje y posibilidad de hacer lo que se quiera, inclusive contrario a la voluntad de Dios su Creador. El testimonio de Eva es que la serpiente la engañó: “Entonces Jehová Dios dijo á la mujer: ¿Qué es lo que has hecho? Y dijo la mujer: La serpiente me engañó, y comí” (Génesis 3.13 – RVR1909). Se impone la decisión y voluntad propia del ser humano con el irrespeto a Dios y a su voluntad. La serpiente actúa según una intención previa e instinto dañino manifestado en su precedente, ya iniciado anteriormente con la rebelión del ángel caído y seguido con la influencia ejercida en Adán y Eva, porque el primer pecado existente por parte del ángel caído fue invalidar y rechazar la autoridad del Hijo de Dios, acreditada y delegada por Dios Padre. Divagaron en la interpretación de la justicia en lugar de practicar realmente la verdadera justicia de Dios.
El destino del ser humano era hacer la voluntad fiel y leal ante Dios, como un único camino de obediencia, pero el ser humano es portador de la rebeldía del temperamento, por su contenido de duda e indecisión al obedecer a Dios. El escenario del Edén sin la serpiente, está libre de la influencia e intervención de la misma, entonces el ser humano conservaría permanentemente su condición ante Dios, o sea, sin comer del árbol de la ciencia del bien y del mal. La serpiente es la causa provocadora del actuar del ser humano, en relación con comer del árbol de la ciencia del bien y del mal. Dios en su amor y misericordia planta este árbol con el propósito de dar otra oportunidad de perdón a la serpiente, y que esta última pudiera rectificar y resarcir el daño de la rebelión de los ángeles caídos representados en esta serpiente.
En este caso, la serpiente no aprovecha la segunda oportunidad, para rectificar y resarcir su primera experiencia de rebelión dentro del séquito celestial. Tuvo la opción de reconocer su propia limitación y ser, con la corrección de retornar a un estado anterior, y transformar su precedente en una absoluta subordinación de obediencia ante Dios. Esto hubiera demostrado un cambio y sus consecuencias. Por otra parte, se presenta esta vez ante los seres humanos y sostiene su empeño del legado de confusión, desobediencia y rebeldía ante el Creador. En cierta ocasión Jesucristo dijo: “Y les dijo: Yo veía a Satanás, como un rayo, que caía del cielo” (Lucas 10.18 – RVR1909). Desde un principio hay un anuncio del conflicto entre la simiente de la serpiente y la simiente que es Cristo, con referencia a la crucifixión, muerte y resurrección: “… ésta te herirá en la cabeza, y tú le herirás en el calcañar” (Génesis 3.15 – RVR1909). Resulta que en el amor y la misericordia de Dios, la serpiente tuvo una segunda oportunidad para rectificar y resarcir el daño de la desobediencia y rebeldía ante Dios, pero su afán, empeño y obstinación fue mantener su infidelidad y la muerte del que muere. Jesucristo vino a terminar con la muerte, a través de la obediencia fiel a Dios:
“Si alguno me sirve, sígame: y donde yo estuviere, allí también estará mi servidor. Si alguno me sirviere, mi Padre le honrará. Ahora está turbada mi alma; ¿y qué diré? Padre, sálvame de esta hora. Mas por esto he venido en esta hora. Padre, glorifica tu nombre. Entonces vino una voz del cielo: Y lo he glorificado, y lo glorificaré otra vez. Y la gente que estaba presente, y había oído, decía que había sido trueno. Otros decían: Ángel le ha hablado. Respondió Jesús, y dijo: No ha venido esta voz por mi causa, mas por causa de vosotros. Ahora es el juicio de este mundo: ahora el príncipe de este mundo será echado fuera. Y yo, si fuere levantado de la tierra, á todos traeré á mí mismo. Y esto decía dando á entender de qué muerte había de morir” (Juan 12.26 al 33 – RVR1909).
La perspicacia es una visualización con profundidad intensa, así es la comprensión y entendimiento en la inmersión de la sabiduría del conocimiento profundo. La sabiduría de Jesucristo nos posibilita lograr un alcance del conocimiento celestial, donde el ser humano con su sola condición natural de ninguna manera puede llegar. ¿Pero cuál es la razón de todo lo existente? La respuesta es el amor de Dios. La versión de la Biblia, Reina – Valera revisión del año 1909, en Génesis 3.17 menciona acerca del amor lo siguiente: “Y al hombre dijo: Por cuanto obedeciste á la voz de tu mujer, y comiste del árbol de que te mandé diciendo, No comerás de él; maldita será la tierra por amor de ti; con dolor comerás de ella todos los días de tu vida;” (Génesis 3.17 – RVR1909). La maldición consiste en la pérdida de la autoridad de Adán sobre el jardín del Edén y por consiguiente su expulsión a labrar la tierra fuera del Edén. El árbol de la vida presente en el Edén representa la sabiduría de Jesucristo, correspondiente al alimento celestial, el reconocimiento y dedicación de la vida plenamente a Jesucristo. El ser humano es sentenciado a sobrevivir con el alimento natural, pero por amor al mismo ser humano, Dios deja la posibilidad de un camino hacia el alimento espiritual al que las personas pueden tener accesibilidad, para aspirar a comer del árbol de la vida y vivir para siempre: “Echó, pues, fuera al hombre, y puso al oriente del huerto de Edén querubines, y una espada encendida que se revolvía á todos lados, para guardar el camino del árbol de la vida” (Génesis 3.24 – RVR1909).
Estos querubines forman parte del séquito celestial, quienes acompañan a Dios. Entonces surge la siguiente pregunta: ¿Hay un plural de Dios en las siguientes palabras? Hagamos a nuestra: “Y dijo Dios: Hagamos al hombre á nuestra imagen, conforme á nuestra semejanza;” (Génesis 1.26 – RVR1909). Es como uno de nos: “Y dijo Jehová Dios: He aquí el hombre es como uno de Nos sabiendo el bien y el mal: ahora, pues, porque no alargue su mano, y tome también del árbol de la vida, y coma, y viva para siempre:” (Génesis 3.22 – RVR1909). Descendamos y confundamos: “Y dijo Jehová: He aquí el pueblo es uno, y todos éstos tienen un lenguaje: y han comenzado á obrar, y nada les retraerá ahora de lo que han pensado hacer. Ahora pues, descendamos, y confundamos allí sus lenguajes, para que ninguno entienda el habla de su compañero” (Génesis 11.6 al 7 – RVR1909). La pluralidad de Dios se explica de la siguiente manera: en el principio existe solamente la energía de Dios, lo corporal de Dios es su propia energía, con atributos o cualidades, mente, pensamientos, sabiduría y voluntad. Dios crea un ser celestial de luz para su compañía al que llama su Hijo, entonces ahora existen Dios Padre y Dios Hijo, pero el Padre es mayor que el Hijo. Jesucristo dijo: “Habéis oído cómo yo os he dicho: Voy, y vengo á vosotros. Si me amaseis, ciertamente os gozaríais, porque he dicho que voy al Padre: porque el Padre mayor es que yo” (Juan 14.28 – RVR1909).
También Jesucristo dijo: “El cielo y la tierra pasarán, mas mis palabras no pasarán. Empero del día y hora nadie sabe, ni aun los ángeles de los cielos, sino mi Padre solo” (Mateo 24.35 al 36 – RVR1909). Otro evangelio menciona: “Empero de aquel día y de la hora, nadie sabe; ni aun los ángeles que están en el cielo, ni el Hijo, sino el Padre” (Marcos 13.32 – RVR1909). El Hijo es mayor que todo el séquito celestial: “Hecho tanto más excelente que los ángeles, cuanto alcanzó por herencia más excelente nombre que ellos. Porque ¿á cuál de los ángeles dijo Dios jamás: Mi hijo eres tú, Hoy yo te he engendrado? Y otra vez: Yo seré á él Padre, Y él me será á mí hijo? Y otra vez, cuando introduce al Primogénito en la tierra, dice: Y adórenle todos los ángeles de Dios” (Hebreos 1.4 al 6 – RVR1909). El Hijo es el primogénito, es el primero y el principio. Dios Padre ungió a su Hijo más que al resto del séquito celestial: “Mas al hijo: Tu trono, oh Dios, por el siglo del siglo; Vara de equidad la vara de tu reino; Has amado la justicia y aborrecido la maldad; Por lo cual te ungió Dios, el Dios tuyo, Con óleo de alegría más que á tus compañeros” (Hebreos 1.8 al 9 – RVR1909).
Entonces al principio existe únicamente Dios, luego su Hijo, pero Dios Padre en su sola potestad y voluntad, le rinde un obsequio, para homenaje y reconocimiento de su Hijo, que es la creación, inclusive el séquito celestial y posteriormente el ser humano. El séquito celestial tiene que reconocer la autoridad y potestad de Dios Hijo, según la disposición del Padre. Encontramos una analogía o comparación en el caso de José y Faraón: “Y dijo Faraón á sus siervos: ¿Hemos de hallar otro hombre como éste, en quien haya espíritu de Dios? Y dijo Faraón á José: Pues que Dios te ha hecho saber todo esto, no hay entendido ni sabio como tú: Tú serás sobre mi casa, y por tu dicho se gobernará todo mi pueblo: solamente en el trono seré yo mayor que tú” (Génesis 41.38 al 40 – RVR1909). Así como este ejemplo, el Padre es mayor que el Hijo, pero el Padre le concede al Hijo la autoridad y potestad, hasta que el Hijo mismo se sujetará por completo al Padre:
“Luego el fin; cuando entregará el reino á Dios y al Padre, cuando habrá quitado todo imperio, y toda potencia y potestad. Porque es menester que él reine, hasta poner á todos sus enemigos debajo de sus pies. Y el postrer enemigo que será deshecho, será la muerte. Porque todas las cosas sujetó debajo de sus pies. Y cuando dice: Todas las cosas son sujetadas á él, claro está exceptuando aquel que sujetó á él todas las cosas. Mas luego que todas las cosas le fueren sujetas, entonces también el mismo Hijo se sujetará al que le sujetó á él todas las cosas, para que Dios sea todas las cosas en todos” (1 Corintios 15.24 al 28 – RVR1909).
Al parecer se dice que entre el séquito celestial por cuestiones de deseos de preferencia y de recibir adulación y pleitesía, surge un adversario en contra del Hijo de Dios. Hay otro pasaje de la Biblia acerca de un rey de Tiro que sirve como analogía o comparación: “Tú, querubín grande, cubridor: y yo te puse; en el santo monte de Dios estuviste; en medio de piedras de fuego has andado. Perfecto eras en todos tus caminos desde el día que fuiste criado, hasta que se halló en ti maldad” (Ezequiel 28.14 al 15 – RVR1909). Se considera este texto referente a ciertos reyes como alusivo al inicio de los ángeles caídos, quienes se decidieron seguir a otro en su rebelión: “¡Cómo caíste del cielo, oh Lucero, hijo de la mañana! Cortado fuiste por tierra, tú que debilitabas las gentes. Tú que decías en tu corazón: Subiré al cielo, en lo alto junto á las estrellas de Dios ensalzaré mi solio, y en el monte del testimonio me sentaré, á los lados del aquilón; Sobre las alturas de las nubes subiré, y seré semejante al Altísimo” (Isaías 13.12 al 14 – RVR1909).
Los pasajes mencionados anteriormente se refieren a reyes de la tierra, aunque para algunos sirven como pistas del origen de los ángeles caídos. Entonces al principio existe únicamente Dios, luego su Hijo, seguidamente el séquito celestial. Dentro de este séquito surge una rebelión donde parte se mantiene fiel al Hijo de Dios y parte se une al ángel adversario y rebelde. También se cree acerca de otra parte del sequito celestial como los indecisos de seguir fieles o de unirse a la rebelión, estos son todos los seres humanos enviados a nuestro planeta para tomar dicha decisión. De manera cíclica se replica en Caín, con la manifestación del egoísmo, la envidia y el odio, quien toma su decisión en pos de la rebeldía contra Dios y mata a su hermano Abel. Sin embargo, la actitud y personalidad de Abel antes de morir, es de fe y justicia en alabanza y adoración a Dios. Precisamente el Hijo de Dios viene en rescate de los suyos que le pertenecen, con el ejemplo de obediencia hacia Dios: “Y aunque era Hijo, por lo que padeció aprendió la obediencia; Y consumado, vino á ser causa de eterna salud á todos los que le obedecen;” (Hebreos 5.8 al 9 – RVR1909). En esta decisión por parte de los seres humanos indecisos, desempeña un papel muy importante el libre albedrío humano frente a la voluntad de Dios. Esto significa que así como Jesucristo renuncia a su propio libre albedrío, para hacer solamente la voluntad de Dios, también el ser humano tiene que renunciar a su propio libre albedrío, o sea, renunciar a hacer lo que quiera, sino reconocer como suyo el libre albedrío de Jesucristo, al hacer solo la voluntad de Dios, porque de ninguna manera hay otro camino, verdad y vida que no sea Jesucristo:
“Haya, pues, en vosotros este sentir que hubo también en Cristo Jesús. El cual, siendo en forma de Dios, no tuvo por usurpación ser igual á Dios: Sin embargo, se anonadó á sí mismo, tomando forma de siervo, hecho semejante á los hombres; Y hallado en la condición como hombre, se humilló á sí mismo, hecho obediente hasta la muerte, y muerte de cruz. Por lo cual Dios también le ensalzó á lo sumo, y dióle un nombre que es sobre todo nombre; Para que en el nombre de Jesús se doble toda rodilla de los que están en los cielos, y de los que en la tierra, y de los que debajo de la tierra; Y toda lengua confiese que Jesucristo es el Señor, á la gloria de Dios Padre” (Filipenses 2.5 al 11 – RVR1909).
submitted by Neobiblismo to u/Neobiblismo [link] [comments]


2020.05.14 02:29 bogomiller Se não falar bem de neném, neném chola (e manda tirar as notícias das embaixadas)

Se não falar bem de neném, neném chola (e manda tirar as notícias das embaixadas)
Araújo ordena e Itamaraty suspende envio de notícias nacionais para postos diplomáticos
Chanceler estaria insatisfeito com a cobertura a respeito de seu trabalho à frente do Ministerio das Relações Exteriores
Lisandra Paraguassu, da Reuters
\"Titio, olha lá eles falando mal de mim\"
BRASÍLIA — O Itamaraty suspendeu, por determinação do ministro Ernesto Araújo, o envio de notícias veiculadas na imprensa nacional aos postos diplomáticos no exterior para subsidiar o trabalho dos diplomatas brasileiros, afirmaram à Reuters duas fontes com conhecimento do assunto.
O trabalho, feito diariamente pela assessoria de imprensa do órgão, servia para auxiliar os diplomatas no exterior com as informações sobre o que ocorre no Brasil. Desde a semana passada, o chamado clipping só é feito com notícias de veículos internacionais que trabalham no Brasil.
De acordo com uma das fontes, não foi dada qualquer explicação aos diplomatas quando o material deixou de chegar aos postos no exterior.
— Agora temos que trabalhar sem as informações publicadas pela imprensa brasileira. Só nos chega o clipping de publicações estrangeiras — afirmou.
Os postos diplomáticos têm verba específica para assinatura de jornais do local onde estão localizados, mas não de jornais brasileiros.
A razão por trás da decisão, segundo uma das fontes, seria a insatisfação do chanceler Ernesto Araújo com a cobertura dos veículos brasileiros sobre a política externa encabeçada pelo ministro. A gota d'água teria sido o artigo assinado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, os ex-chanceleres Aloysio Nunes Ferreira, Celso Amorim, Celso Lafer, Francisco Rezek e José Serra, o ex-ministro da Fazenda Rubens Ricupero e o ex-secretário especial de Assuntos Estratégicos da Presidência, Hussein Kalou, publicado pelos grandes jornais brasileiros.
No texto, os autores dizem estar preocupados com "a sistemática violação pela atual política externa dos princípios orientadores das relações internacionais do Brasil" definidos na Constituição, a subserviência aos Estados Unidos e o que chamam de custos de difícil reparação à imagem brasileira, com "desmoronamento da credibilidade externa, perdas de mercados e fuga de investimentos."
Araújo foi às redes sociais para responder o artigo, mostrando estar irritado. Em duas séries de mais de uma dezena de posts, chamou o ex-presidente e os ex-ministros de "paladinos da hipocrisia" e "figuras menores" que deveriam aprender com o atual governo como se defende a Constituição.

América do Sul:Descontrole do coronavírus faz países vizinhos verem Brasil como ameaça
"Se querem implementar de novo seus falidos projetos de política exterior para servir a um sistema de corrupção e atraso, muito bem. Apresentem esse projeto ao povo e disputem uma eleição. Não fiquem usando a Constituição como guardanapo para enxugar da boca sua sede de poder", escreveu.
De acordo com uma segunda fonte, o clipping interno do Itamaraty já havia sido modificado desde o ano passado. Quando o presidente Jair Bolsonaro determinou a suspensão da assinatura da Folha de S.Paulo, o jornal — que tem a maior circulação do país — foi retirado da seleção de notícias.
Em seguida, o gabinete do ministro ordenou a assinatura de sites de apoio a Bolsonaro, que passaram a ser incluídos no clipping do ministério. Procurado pela Reuters, o Itamaraty não se manifestou de imediato sobre a suspensão.
submitted by bogomiller to brasilivre [link] [comments]


Ordena de menor a mayor los números decimales - YouTube Jessi Uribe & Américo - Desde Que Te Fuiste l Video ... Como ordenar música mp3 en una USB - YouTube HACE MOMENTOS! TRIBUNAL ORDENA QUE REGRESEN LO ROBADO EN ... Roja- Pero tú marido e’ quien me ordeña - YouTube 100 Userform ordena por varias columnas Liquits - Desde Que / VideoClip Oficial (2004) - YouTube Leche al Pie de la Vaca - YouTube COMO HACER QUE LA MUSICA DE LA USB SALGA O REPRODUZCA EN ... 72 44. Cuando un pollo crece desde que sale del huevo, se ordena cada vez más en función

Jueza ordena a la Administración Trump que deje de detener ...

  1. Ordena de menor a mayor los números decimales - YouTube
  2. Jessi Uribe & Américo - Desde Que Te Fuiste l Video ...
  3. Como ordenar música mp3 en una USB - YouTube
  4. HACE MOMENTOS! TRIBUNAL ORDENA QUE REGRESEN LO ROBADO EN ...
  5. Roja- Pero tú marido e’ quien me ordeña - YouTube
  6. 100 Userform ordena por varias columnas
  7. Liquits - Desde Que / VideoClip Oficial (2004) - YouTube
  8. Leche al Pie de la Vaca - YouTube
  9. COMO HACER QUE LA MUSICA DE LA USB SALGA O REPRODUZCA EN ...
  10. 72 44. Cuando un pollo crece desde que sale del huevo, se ordena cada vez más en función

Jessi Uribe, Américo - Desde Que Te Fuiste l Video Oficial Disponible en todas las plataformas → https://smarturl.it/DesdeQueTefuisteJyA Suscríbete Ahora → h... Descarga el ejemplo desde ... 👉👂📢Tutorial Excel - Macro que Copia, Ordena y guarda informacion - Asesor Juan Manuel - Duration: 8:25. Asesor Juan Manuel 1,061,484 views. SUBSCRÍBETE PARA MÁS VIDEOS... Ríe conmigo ahora 😋 Liquits - trío musical de rock formado en 1993 en México, integrado por: Edi (bajo/voz), Teo (batería) y Ro (guitarra/voz), cantando la canción 'Desde Que' i... Este turorial enseña como organizar la música de tal forma que al colocar la usb en cualquier reproductor, equipo de sonido, DVD o donde sea pueda ser reprod... Una demostración de como se ordeña una vaca a mano, fue la actividad más entretenida para los pequeños que atentos observaban como el primo Caco Mora hacía g... Ordena de forma descendente los números decimales Ordena de forma ascendente los números decimales Ordena de forma creciente los números decimales Ordena de ... 44. Cuando un pollo crece desde que sale del huevo, se ordena cada vez más en función del tiempo. ¿Contraviene esto el principio de la entropía? Explica por qué. ¡SUSCRÍBANSE A MI CANAL ... ¡APOYA ACTIVAMENTE LA CHAPUCERO NETWORK! https://www.youtube.com/channel/UCxIM-_g0jz9DG7dCdxmyrHg/join Procedimiento para que la música guardada en una USB (Pendrive) se escuche en cualquier reproductor en un orden determinado.